Menu
2020-01-29T11:44:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho nos números

Taxa do cheque especial cai para 302,5% em dezembro

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

29 de janeiro de 2020
11:31 - atualizado às 11:44
cadastro positivo crédito cartão
Imagem: Shutterstock

A taxa do cheque especial caiu de 306,6% ao ano para 302,5% ao ano de novembro para dezembro, informou o Banco Central. No crédito pessoal, a taxa passou de 38,8% para 36,7% ao ano.

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

A expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) era de que essa migração do cheque especial para linhas mais baratas acelerasse a tendência de queda do juro cobrado ao consumidor. Em junho de 2018, antes do início da nova dinâmica, a taxa do cheque especial estava em 304,9% ao ano.

Em função da ineficácia da autorregulação da Febraban, o BC anunciou a limitação dos juros do cheque especial em 8% ao ano (151,82% ao ano). A nova regra começou a valer em 6 de janeiro de 2020. Os dados divulgados nesta quarta-feira ainda não refletem a nova dinâmica.

Crédito livre 

O cheque especial é uma das principais linhas do crédito livre. A taxa média de juros no crédito livre caiu de 36,1% ao ano em novembro para 34,0% ao ano em dezembro de 2019, informou nesta quarta-feira, 29. Em dezembro de 2018, essa taxa estava em 35,6% ao ano.

Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 50,1% para 47,3% ao ano de novembro para dezembro, enquanto para pessoa jurídica foi de 17,3% para 16,5% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física,

Os números divulgados nesta quarta pelo Banco Central mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 19,3% ao ano em novembro para 19,2% em dezembro.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), foi de 23,9% ao ano em novembro para 23,0% ao ano em dezembro. Em dezembro de 2018, estava em 23,2%.

ICC

Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) caiu 0,5 ponto porcentual em dezembro ante novembro, aos 20,4% ao ano. O porcentual reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque.

Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.

Spread

O spread bancário médio no crédito livre passou de 30,6 pontos porcentuais em novembro para 28,5 pontos porcentuais em dezembro de 2019, informou o Banco Central. Em dezembro de 2018, o spread estava em 27,8 pontos porcentuais.

O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 44,3 para 41,5 pontos porcentuais em dezembro. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 12,1 para 11,3 pontos porcentuais.

O spread médio do crédito direcionado foi de 4,1 para 4,3 pontos porcentuais no período.

Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 19,3 para 18,4 pontos porcentuais.

Concessões

As concessões no crédito livre subiram 14,7% em 2019 em relação a 2018, para R$ 397,0 bilhões, informou o Banco Central. Houve avanço de 18,1% em dezembro ante novembro.

No crédito para pessoas físicas, as concessões subiram 15,5% em 2019, para R$ 206,1 bilhões. Em dezembro, houve alta de 8,1%.

Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões subiram 13,6% em 2019, para R$ 190,9 bilhões. Em dezembro, o avanço foi de 31,4%.

Inadimplência

A taxa de inadimplência no crédito livre foi de 3,8% para 3,7% na passagem de novembro para dezembro de 2019, informou o Banco Central. Em dezembro de 2018, a taxa estava em 3,8%.

Para pessoa física, a taxa de inadimplência seguiu em 5,0%. Para as empresas, a taxa passou de 2,4% para 2,1%.

A inadimplência do crédito direcionado seguiu em 1,9% na passagem de novembro para dezembro.

Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência foi de 3,0% para 2,9%.

Endividamento

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 44,9% em novembro, ante 44,7% em outubro, informou o Banco Central. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 26,3% em novembro, ante 26,2% em outubro.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,9% em novembro, ante 20,7% em outubro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 18,6% em novembro, ante 18,5% em outubro.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

ESTRADA DO FUTURO

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies