Menu
2020-03-09T20:03:19-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
DE OLHO NO PETRÓLEO

Sobreoferta de petróleo em momento de menor demanda deve impactar setor no Brasil, diz gestor da Novus Capital

Ricardo Kazan disse que a expectativa é que haja um aumento de estoques de petróleo nos próximos três a quatro meses

9 de março de 2020
20:03
Imagem conceitual mostra petróleo derramado em cima de nota de dinheiro
Briga entre produtores de petróleo derrubou as bolsas mundiais - Imagem: Shutterstock

Depois de a Arábia Saudita anunciar descontos aos compradores de petróleo, aumentar a produção da commodity e contrariar o que estava estabelecido na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o grande problema agora é que haverá um "excesso de oferta em um momento em que é necessário haver corte de produção". Essa é a avaliação feita pelo gestor-sócio da Novus Capital, Ricardo Kazan.

Segundo ele, a razão é que o coronavírus vai gerar uma quebra na atividade global e impactar, especialmente setores como turismo e transportes. O problema é que hoje grande parte da demanda de petróleo está relacionada ao setor de transportes. “Como o setor deve ser afetado, isso faz com que haja um excesso de oferta. E diante da queda na demanda causada pelo coronavírus, deve haver um desequilíbrio no mercado”, aponta Kazan. 

Com o aumento da oferta e queda na demanda, a expectativa do gestor é que haja um aumento de estoques de petróleo nos próximos três a quatro meses e com isso, o preço da commodity deve cair ainda mais.

Seguindo esse cenário global mais complicado, alguns setores também devem ser mais impactados do que outros no Brasil. Para ele, um dos que podem ser mais afetados é o setor de óleo.

Mesmo sem citar papéis específicos, as ações da Petrobras, por exemplo, sentiram bastante no pregão de hoje e lideraram as perdas do Ibovespa. Os papéis ordinários (PETR3) da companhia caíram 28,95% e fecharam em R$ 16,22. Já as ações preferenciais (PETR4) recuaram 28,60% e terminaram o dia cotadas em R$ 17,18.

Na contramão dos setores mais impactados, papéis de empresas que dependem menos do setor externo devem sentir menos como, por exemplo, ações de empresas mais voltadas para a economia doméstica”, afirma Kazan. 

Bolsa: seguimos comprados

Mesmo com o cenário externo complicado, o gestor diz que não está pessimista com o Ibovespa. Ele destaca que reduziu posição em bolsa na semana passada, mas que agora o cenário abriu oportunidades. Kazan diz que está de olho em alguns ativos que estão com o preço mais atrativo, mas não cita papéis específicos.

Ele comenta ainda que a casa não trabalha com projeções para o principal índice acionário brasileiro e nem para o dólar, mas diz que há alguns fatores que devem fazer com que a bolsa volte a subir no médio e longo prazos.

Para ele, o fato de que a Selic está em um dos patamares mais baixos continuará a fazer com que os investidores permaneçam migrando da renda fixa para a renda variável.

Isso sem contar o fato de que o financiamento das empresas continua baixo no país e que o Brasil está passando por um processo de desalavancagem. O gestor destaca que o país segue reduzindo a relação entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB).

“Continuamos vendo um estrutural de Brasil melhor, por isso seguimos confiantes na bolsa no médio e longo prazos. Nesse meio tempo, apenas iniciamos uma posição na parte curta da curva, mas podemos voltar a aumentar a posição em bolsa”, pontua o gestor. 

De olho no coronavírus e na atividade

Agora no curto prazo, o que deve continuar impactando é que ainda não há uma estabilização no aumento do número de casos de coronavírus por dia, de acordo com Kazan.

"A gente vinha com uma taxa de aumento de 2 mil casos por dia e no fim de semana passado saltamos para uma taxa de 4 mil por dia. Hoje, olhamos o número de casos diários e as respostas tomadas pelos BCs e pelos governos para que haja uma estabilização desse indicador", destaca o gestor.

Outra coisa que está no radar no curto prazo é a questão da atividade brasileira, que permanece precisando de estímulos. Mas a indicação do BC é que a autoridade dispõe dos instrumentos necessários para promover isso ao mercado, segundo Kazan.

O gestor entendeu que o BC praticamente "sancionou" o corte de juros na próxima reunião, ao ouvir a fala do diretor de política monetária do Banco Central, Bruno Serra, feita hoje (9).

Na ocasião, o diretor do BC disse que a autoridade monetária está municiada dos instrumentos necessários para contrapor a disparada do dólar e os impactos do coronavírus sobre a atividade. 

O único ponto que gerou certa dúvida na fala do diretor é de quanto será essa redução. Segundo ele, o BC reiterou que o cenário continua exigindo cautela e pode ser que o corte seja menor na próxima reunião.

Hoje, pela manhã, o diretor disse que “o atual estágio do ciclo econômico segue recomendando cautela na condução da política monetária”. 

“De qualquer forma, acreditamos que o ambiente é deflacionário e requer uma política monetária expansionista por parte do BC e que exige juros mais baixos. Diante disso, o único aspecto que devemos revisar por agora é a inflação”, finalizou Kazan.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

socorro ao setor

Ajuda para aéreas será próxima grande medida nos EUA, diz secretário do Tesouro

Steven Mnuchin comentou com otimismo o novo pacote de estímulos lançado nesta manhã em conjunto com o Federal Reserve

entrevista

‘Talvez as grandes empresas tenham de pagar mais tributos’, diz presidente do Bradesco

Octavio de Lazari vê a economia encolhendo até 4% neste ano, pior até que a estimativa do próprio banco, de queda de 1%, e diz que o impacto fiscal terá de ser resolvido a partir de 2021

entrevista

‘Sem liquidez, empresas vão começar a quebrar’, diz presidente da GM na América do Sul

Para Carlos Zarlenga, única saída, diz, é BNDES liberar linhas de curto prazo ou o governo assumir a garantia para empréstimos dos bancos privados

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

emergência

Auxílio emergencial já pago soma R$ 1,5 bilhão, diz Caixa

Segundo informações do banco, o benefício já foi creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa, e outros 436.078 lançamentos serão realizados pelo Banco do Brasil ainda nesta quinta

180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

agenda de brasília

Câmara adia votação de projeto de socorro a Estados para dia 13

Além de suspender o pagamento de parcelas de dívidas com a União e bancos, o projeto permite aos governadores tomar crédito novo no limite de até 8% de suas receitas

crise chegando

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA chegam a 6,61 milhões

Total ficou bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações

diante da crise

BC autoriza emissão de letra de crédito imobiliário (LCI) por cooperativas

Segundo BC, medida tem potencial para impactar positivamente o setor imobiliário, propiciando condições para aumentar a concorrência e a oferta de produtos e de serviços no sistema financeiro

anticrise

BC libera R$ 3,2 bi em requerimento de capital no crédito para PME

Regra abrange as empresas com receita bruta anual entre R$ 15 milhões e R$ 300 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements