Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-13T17:27:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito coronavírus

Governo projeta tombo de 4,7% do PIB e inflação a 1,77% em 2020

Anteriormente o governo ainda esperava um avanço de 0,02% da economia brasileira; revisão está mais próxima da expectativa do mercado

13 de maio de 2020
11:49 - atualizado às 17:27
paulo-guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O governo federal revisou a projeção para a economia brasileira em 2020, de avanço de 0,02% para queda de 4,70%, segundo o Boletim MacroFiscal do Ministério da Economia divulgado nesta quarta-feira (13).

A estimativa para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de avanço de 3,12% para 1,77% em 2020 - abaixo do piso da meta, de 2,50%. Para o próximo ano, a projeção é de 3,30%.

O governo ainda espera que o Produto Interno Bruto (PIB) se recupere em 2021, com uma alta de 3,20%. Em 17 de março o ministério da Economia projetava que a economia avançasse 3,30% no próximo ano.

O subsecretário de Política Macroeconômica do Ministério da Economia, Vladimir Kuhl Teles, disse que se o isolamento social durar até o fim de junho a queda do PIB será superior a 6,00%.

Segundo Teles, a cada duas semanas a mais de isolamento, o PIB cai 0,70 ponto porcentual, considerando a perda direta de R$ 20 bilhões a cada semana de distanciamento.

Revisões

As novas estimativas estão mais alinhadas com as projeções do mercado financeiro, que desde o início da crise desencadeada pelo novo coronavírus passou a continuamente diminuir as expectativas para a economia brasileira neste ano.

Segundo a edição desta segunda-feira (11) do boletim Focus, do Banco Central - que reúne as estimativas de mais de 100 instituições financeiras -, o PIB brasileiro deve cair 4,11% em 2020.

Os primeiros dados que dimensionam a crise revelam uma queda de 9,10% da produção industrial em março, em comparação com o fevereiro, segundo o IBGE. O resultado é o pior para o mês desde 2002.

Também em março, o volume de serviços no Brasil caiu 6,90%. Foi o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, que começou em janeiro de 2011. O índice havia recuado 1,00% em fevereiro.

Em abril, a produção de veículos caiu 99,30%, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), na comparação com o mesmo período do ano passado. No mesmo mês o país registrou deflação de 0,31%, diante da baixa demanda, segundo o IBGE.

A perspectiva de recuo da economia fez o BC reduzir a taxa básica de juros para 3,00% ao ano, no último dia 6. É uma nova mínima histórica.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies