Menu
2020-05-13T17:27:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito coronavírus

Governo projeta tombo de 4,7% do PIB e inflação a 1,77% em 2020

Anteriormente o governo ainda esperava um avanço de 0,02% da economia brasileira; revisão está mais próxima da expectativa do mercado

13 de maio de 2020
11:49 - atualizado às 17:27
paulo-guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes. - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O governo federal revisou a projeção para a economia brasileira em 2020, de avanço de 0,02% para queda de 4,70%, segundo o Boletim MacroFiscal do Ministério da Economia divulgado nesta quarta-feira (13).

A estimativa para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de avanço de 3,12% para 1,77% em 2020 - abaixo do piso da meta, de 2,50%. Para o próximo ano, a projeção é de 3,30%.

O governo ainda espera que o Produto Interno Bruto (PIB) se recupere em 2021, com uma alta de 3,20%. Em 17 de março o ministério da Economia projetava que a economia avançasse 3,30% no próximo ano.

O subsecretário de Política Macroeconômica do Ministério da Economia, Vladimir Kuhl Teles, disse que se o isolamento social durar até o fim de junho a queda do PIB será superior a 6,00%.

Segundo Teles, a cada duas semanas a mais de isolamento, o PIB cai 0,70 ponto porcentual, considerando a perda direta de R$ 20 bilhões a cada semana de distanciamento.

Revisões

As novas estimativas estão mais alinhadas com as projeções do mercado financeiro, que desde o início da crise desencadeada pelo novo coronavírus passou a continuamente diminuir as expectativas para a economia brasileira neste ano.

Segundo a edição desta segunda-feira (11) do boletim Focus, do Banco Central - que reúne as estimativas de mais de 100 instituições financeiras -, o PIB brasileiro deve cair 4,11% em 2020.

Os primeiros dados que dimensionam a crise revelam uma queda de 9,10% da produção industrial em março, em comparação com o fevereiro, segundo o IBGE. O resultado é o pior para o mês desde 2002.

Também em março, o volume de serviços no Brasil caiu 6,90%. Foi o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, que começou em janeiro de 2011. O índice havia recuado 1,00% em fevereiro.

Em abril, a produção de veículos caiu 99,30%, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), na comparação com o mesmo período do ano passado. No mesmo mês o país registrou deflação de 0,31%, diante da baixa demanda, segundo o IBGE.

A perspectiva de recuo da economia fez o BC reduzir a taxa básica de juros para 3,00% ao ano, no último dia 6. É uma nova mínima histórica.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies