Menu
2020-08-03T18:30:20-03:00
Estadão Conteúdo
Expansão recorde

PMI industrial sobe para 58,2 em julho ante 51,6 em junho, diz IHS Markit

O resultado ficou quase seis pontos acima do nível de junho, quando havia atingido 51,6, na série com ajuste sazonal

3 de agosto de 2020
13:05 - atualizado às 18:30
Produção industrial
Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria de transformação brasileira subiu para 58,2 em julho, informou nesta segunda-feira, 3, a IHS Markit. É o maior nível da série histórica do indicador, iniciada em fevereiro de 2006.

O resultado ficou quase seis pontos acima do nível de junho, quando havia atingido 51,6, na série com ajuste sazonal. Quando acima da marca de 50 pontos, o PMI indica melhora nas estimativas em relação ao mês anterior.

"Uma expansão recorde da economia industrial brasileira em julho ajudou bastante a fechar a brecha considerável que surgiu na produção, quando comparada com os níveis observados antes da intensificação da covid-19. As tendências positivas para os volumes de produção e de novos pedidos também estão ajudando a intensificar o grau de otimismo em relação ao futuro, com mais de 80% dos entrevistados prevendo um crescimento sustentado durante os próximos meses", disse, em nota, o diretor de Economia da IHS Markit, Paul Smith.

Em julho, os entrevistados relataram forte aumento na demanda interna, que levou ao segundo mais forte crescimento de novos pedidos da série, atrás apenas de janeiro de 2010. Os entrevistados citaram a abertura da economia como principal fator de sustentação deste crescimento.

O nível de emprego também cresceu pela primeira vez em cinco meses a um ritmo sólido, pela necessidade de elevar a capacidade de produção. Nos preços, a inflação também acelerou em julho, pelo aumento de preços de metais, taxas cambiais desfavoráveis e aumento de custos com fornecedores, devido à escassez de estoques.

"As pressões sobre os preços continuam a ser uma preocupação, com aumentos recordes nos custos de insumos tendo um impacto desfavorável na lucratividade - apesar de as empresas, por sua vez, aumentarem seus preços cobrados a um ritmo considerável", completa Smith.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Combinação promete

Aura Minerals (AURA33): ouro e dividendos no mesmo investimento

Max Bohm, sócio e analista de Empiricus, enxerga um potencial enorme de crescimento na combinação oferecida pela mineradora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies