Menu
2020-04-06T20:41:03-03:00
Estadão Conteúdo
Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

6 de abril de 2020
20:41
médico segura amostra de sangue com etiqueta escrito coronavírus
Coronavírus - Imagem: Shutterstock

A S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus. "O crescimento econômico do Brasil em 2020 será gravemente afetado pelo impacto da covid-19 local e globalmente", diz a agência de classificação de risco em nota.

Nesta segunda-feira, a S&P reafirmou o rating do Brasil em BB-, mas alterou a perspectiva da nota de crédito do país de positiva para estável. Segundo a agência, os efeitos das medidas de contenção da pandemia no país levarão a uma menor confiança dos investidores e a uma volatilidade no mercado financeiro, provocada por restrições do consumo e do investimento. "Além disso, as exportações cairão, pois cerca de dois terços são destinados à China e aos mercados dos EUA", acrescenta a S&P.

Para 2021, a agência de classificação de risco projeta um avanço de 2,9% do PIB do Brasil. "Até o momento, avaliamos o choque como temporário e sem consequências negativas a longo prazo para a economia brasileira", afirma a S&P.

A agência espera, ainda, que a inflação no Brasil fique ao redor de 4% entre 2020 e 2023, em linha com a meta.

Perspectiva alterada

A S&P também reafirmou o rating do Brasil em BB-, mas alterou a perspectiva da nota de crédito do país de positiva para estável. "Esperamos que o crescimento do PIB e o desempenho fiscal do Brasil sofram em 2020 devido à pandemia da covid-19 e a gastos extraordinários do governo, antes que a recuperação econômica gradual e a consolidação fiscal sejam retomadas", diz a agência de classificação de risco.

Na visão da S&P, a incerteza em relação à capacidade do Brasil de avançar na agenda de reformas estruturais quando a pandemia terminar aumentou, "devido ao desacordo contínuo entre os poderes Executivo e Legislativo".

A agência explica que a perspectiva estável do rating do Brasil reflete as expectativas fiscais e econômicas, após o "choque" da pandemia, e "a suposição de um progresso mais lento para aprovar e implementar legislação significativa para reduzir vulnerabilidades fiscais estruturais e elevar as perspectivas de crescimento do PIB a médio prazo".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Em fevereiro não tem Carnaval

Moro num país tropical, que eu já não sei se é abençoado por Deus, mas que é bonito por natureza. Mas no próximo mês de fevereiro, ao contrário do que diz a canção do Jorge Ben, não tem Carnaval. A festa foi cancelada pela pandemia. Mas tem outro evento muito aguardado, pelo menos para os […]

JOINT VENTURE

Wiz cria corretora de seguros com a distribuidora de veículos Caoa

Nova companhia terá direito de comercializar com exclusividade, na rede de distribuição controlada pela Caoa, produtos e serviços de seguridade por 20 anos

rodovias estaduais

BNDES aprova R$ 3 bi para lote PiPa, maior concessão rodoviária do País

Banco de fomento informou que o empréstimo cobrirá 58% do total de investimentos previstos nos sete primeiros anos de concessão

Fechamento

De novo ele! Risco fiscal não dá trégua e Ibovespa tem queda firme; dólar sobe a R$ 5,36

Lá fora, o dia foi misto, com os investidores pesando o entusiasmo com Biden e a cautela com a situação econômica na Europa

na justiça

Última audiência de mediação com a Vale no caso Brumadinho termina sem acordo

Segundo o TJMG, mineradora propôs um valor da ordem de R$ 29 bilhões em indenização por danos materiais e morais, abaixo do pedido pelo governo e instituições

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies