Menu
2020-04-04T16:54:59-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

4 de abril de 2020
16:54
Imagem conceitual mostra petróleo derramado em cima de nota de dinheiro
Imagem: Shutterstock

A possibilidade de trégua entre Arábia Saudita e Rússia na guerra de preços do petróleo animou os investidores nos últimos dias. As cotações da commodity dispararam mais de 30% na semana passada, trazendo algum alento aos mercados em meio à crise do coronavírus.

A bandeira branca, contudo, corre o risco de sequer ser hasteada. Declarações fortes do ministro saudita de Relações Exteriores, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, voltaram a acirrar os ânimos entre os países, colocando em risco o acordo que vinha sendo desenhado.

O centro da nova disputa é uma notícia publicada mais cedo pela SPA, a agência estatal de notícias da Arábia Saudita. A publicação cita declarações recentes do presidente da Rússia, Vladimir Putin — ele teria afirmado que uma das razões para a forte queda do petróleo foi a retirada dos sauditas da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Em resposta, o ministro saudita disse à SPA que as acusações são 'totalmente desprovidas de verdade'. Segundo Al Saud, a Arábia Saudita e os outros 22 membros da Opep+ teriam tentado convencer a Rússia a cortar a produção de petróleo — pedido que foi refutado pelos representantes russos.

"O ministro mostrou surpresa com a distorção dos fatos e espera que a Rússia tome as decisões certas", diz a notícia publicada pela SPA, citando a necessidade de um acordo justo que restabeleça o balanço nos mercados de petróleo.

A situação, contudo, parece ter piorado os humores em Moscou: citando fontes, a agência americana CBNC disse mais cedo que a reunião emergencial da Opep+ convocada para a próxima segunda-feira (6) deve ser adiada até o dia 8 ou 9, de modo a permitir mais tempo para as negociações referentes aos possíveis cortes na produção.

Caso o adiamento se concretize, é de se esperar que as cotações do petróleo passem por fortes ajustes negativos já na segunda-feira. Na semana passada, o WTI com vencimento em maio acumulou ganhos de 31,7%, fechando a US$ 28,34 o barril; o Brent para junho disparou 36,8%, a US$ 34,11.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies