Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-04T16:54:59-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

4 de abril de 2020
16:54
Petróleo Opep
Petróleo já subiu 133% em 12 meses, sendo 20% só em 2021 - e este pode ser só o começo de um'superciclo' da commodity - Imagem: Shutterstock

A possibilidade de trégua entre Arábia Saudita e Rússia na guerra de preços do petróleo animou os investidores nos últimos dias. As cotações da commodity dispararam mais de 30% na semana passada, trazendo algum alento aos mercados em meio à crise do coronavírus.

A bandeira branca, contudo, corre o risco de sequer ser hasteada. Declarações fortes do ministro saudita de Relações Exteriores, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, voltaram a acirrar os ânimos entre os países, colocando em risco o acordo que vinha sendo desenhado.

O centro da nova disputa é uma notícia publicada mais cedo pela SPA, a agência estatal de notícias da Arábia Saudita. A publicação cita declarações recentes do presidente da Rússia, Vladimir Putin — ele teria afirmado que uma das razões para a forte queda do petróleo foi a retirada dos sauditas da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Em resposta, o ministro saudita disse à SPA que as acusações são 'totalmente desprovidas de verdade'. Segundo Al Saud, a Arábia Saudita e os outros 22 membros da Opep+ teriam tentado convencer a Rússia a cortar a produção de petróleo — pedido que foi refutado pelos representantes russos.

"O ministro mostrou surpresa com a distorção dos fatos e espera que a Rússia tome as decisões certas", diz a notícia publicada pela SPA, citando a necessidade de um acordo justo que restabeleça o balanço nos mercados de petróleo.

A situação, contudo, parece ter piorado os humores em Moscou: citando fontes, a agência americana CBNC disse mais cedo que a reunião emergencial da Opep+ convocada para a próxima segunda-feira (6) deve ser adiada até o dia 8 ou 9, de modo a permitir mais tempo para as negociações referentes aos possíveis cortes na produção.

Caso o adiamento se concretize, é de se esperar que as cotações do petróleo passem por fortes ajustes negativos já na segunda-feira. Na semana passada, o WTI com vencimento em maio acumulou ganhos de 31,7%, fechando a US$ 28,34 o barril; o Brent para junho disparou 36,8%, a US$ 34,11.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Prévia da estatal

Petrobras (PETR4) anuncia produção do terceiro trimestre hoje, mas os dados da ANP já antecipam o que vem por aí; confira

Os dados chegam ao mercado em um momento de fortes críticas à política de preços da companhia e ameaças de desabastecimento

Exile on Wall Street

Quem não tem teto de vidro? As implicações das ameaças ao teto de gastos sobre seus investimentos

Ameaça ao teto fiscal exige atenção redobrada sobre a necessidade de diversificação e algumas proteções para a carteira – e há possíveis bons hedges para o momento

bitcoin (BTC) hoje

É recorde! Bitcoin (BTC) atinge nova máxima histórica com o novo rali das criptomoedas

A aprovação do ETF nos EUA impulsionou a alta do bitcoin, mas a principal criptomoeda do mercado pode subir ainda mais, segundo analistas

MERCADOS HOJE

Ibovespa engata recuperação, mas segue sob pressão do risco fiscal; dólar tem alívio após leilão do BC, mas juros futuros disparam

A agenda local está esvaziada nesta semana, mas os investidores aguardam por um desfecho para a PEC dos precatórios

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: estaria o governo querendo furar o teto?

Ignorando o bom humor internacional de ontem, nós brasileiros vivemos nossa própria realidade, muito afetados com o vaivém de Brasília, que prejudicou bastante os mercados e que promete prejudicar ainda mais nos próximos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies