Menu
2020-04-04T16:54:59-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

4 de abril de 2020
16:54
Petróleo Opep
Petróleo já subiu 133% em 12 meses, sendo 20% só em 2021 - e este pode ser só o começo de um'superciclo' da commodity - Imagem: Shutterstock

A possibilidade de trégua entre Arábia Saudita e Rússia na guerra de preços do petróleo animou os investidores nos últimos dias. As cotações da commodity dispararam mais de 30% na semana passada, trazendo algum alento aos mercados em meio à crise do coronavírus.

A bandeira branca, contudo, corre o risco de sequer ser hasteada. Declarações fortes do ministro saudita de Relações Exteriores, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, voltaram a acirrar os ânimos entre os países, colocando em risco o acordo que vinha sendo desenhado.

O centro da nova disputa é uma notícia publicada mais cedo pela SPA, a agência estatal de notícias da Arábia Saudita. A publicação cita declarações recentes do presidente da Rússia, Vladimir Putin — ele teria afirmado que uma das razões para a forte queda do petróleo foi a retirada dos sauditas da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Em resposta, o ministro saudita disse à SPA que as acusações são 'totalmente desprovidas de verdade'. Segundo Al Saud, a Arábia Saudita e os outros 22 membros da Opep+ teriam tentado convencer a Rússia a cortar a produção de petróleo — pedido que foi refutado pelos representantes russos.

"O ministro mostrou surpresa com a distorção dos fatos e espera que a Rússia tome as decisões certas", diz a notícia publicada pela SPA, citando a necessidade de um acordo justo que restabeleça o balanço nos mercados de petróleo.

A situação, contudo, parece ter piorado os humores em Moscou: citando fontes, a agência americana CBNC disse mais cedo que a reunião emergencial da Opep+ convocada para a próxima segunda-feira (6) deve ser adiada até o dia 8 ou 9, de modo a permitir mais tempo para as negociações referentes aos possíveis cortes na produção.

Caso o adiamento se concretize, é de se esperar que as cotações do petróleo passem por fortes ajustes negativos já na segunda-feira. Na semana passada, o WTI com vencimento em maio acumulou ganhos de 31,7%, fechando a US$ 28,34 o barril; o Brent para junho disparou 36,8%, a US$ 34,11.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Turbulência

Latam reduz prejuízo em 79% e anota perda de US$ 430,8 milhões no 1º trimestre

A receita operacional total da aérea foi de US$ 913,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 61,2% sobre o mesmo período de 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies