Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-05T12:59:58-03:00
Estadão Conteúdo
de olho no setor

Para avançar, produção local necessita ser competitiva

Nacionalização esbarra em problemas antigos como falta de crédito, juros altos, carga tributária elevada e burocracia

5 de maio de 2020
12:59
Indústria em queda
Região Nordeste, Bahia (-2,9%), Mato Grosso (-2,6%), Pernambuco (-2,2%) e Pará (-1,3%) registraram o restante das quedas - Imagem: Shutterstock

O presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Autopeças (Sindipeças), Dan Iochpe, acredita que o choque cambial pode ser um incentivo num primeiro momento para a nacionalização, mas pondera que, "para ter um movimento efetivo será necessário que haja competitividade ao longo do tempo, o que envolve o trabalho árduo de redução do custo sistêmico local, o chamado custo Brasil."

Besaliel Botelho, presidente da Bosch, avalia que a discussão também vai envolver quais componentes valem a pena serem mantidos em produção. "Vai haver oferta mundial forte com a queda geral das vendas e isso vai aumentar a pressão por custos e o mecanismo de competitividade será outro." Ele acredita que, passada a pandemia "se espera mais protecionismo do que havia até agora."

Para Botelho, a disparada do dólar torna a produção local atraente, mas, com a crise atual, que deve fazer com que a produção de veículos demore de dois a três anos para voltar aos níveis de 2019, "é difícil pensar em novos investimentos porque as empresas estão sem caixa".

A nacionalização esbarra em problemas antigos como falta de crédito, juros altos, carga tributária elevada e burocracia. "O Brasil tem condições de ser uma potência industrial, mas falta estratégia", diz José Velloso, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Maquinas (Abimaq). Ele cita que alguns produtos ligados ao agronegócio e à mineração poderiam ser feitos localmente, como fertilizantes. "Temos tudo no Brasil. Por que importamos?" A resposta é que o custo de importar é menor do que produzir aqui. "O resultado é que hoje não fabricamos mais máquinas para esse setor."

Mais espessante

Também no combate à covid-19 a Basf iniciou na semana passada a produção, em São Paulo, de um espessante para o álcool gel. Chamado de Luviset®360, o produto era importado da matriz alemã.

A Basf brasileira usava o Luviset em matéria-prima fornecida a fabricantes de produtos de cuidados pessoais, como gel de cabelo. "Com a escassez de álcool em gel em decorrência da falta de espessantes juntamos forças, envolvemos pessoas de diferentes responsabilidades, áreas e países da empresa e conseguimos em tempo recorde transferir a tecnologia de produção de um espessante da Alemanha para o Brasil", informa Tatiana Kalman, vice-presidente da Basf para a América do Sul.

Segundo ela, serão produzidas "centenas de toneladas" de espessante na planta de Guaratinguetá (SP). Se houver demanda pós-coronavírus, a empresa diz que manterá a produção local.

Já a Braile, de São José do Rio Preto (SP) desenvolveu um aparelho oxigenador que funciona como um pulmão artificial. O equipamento fica ligado ao paciente em situação de gravidade, quando o respirador não atende suas necessidades, e oxigena o sangue para o pulmão. A empresa fará 100 unidades até meados de maio.

Os oxigenadores existentes fora do Brasil só podem ser usados por seis a oito horas, praticamente durante uma cirurgia cardíaca. O nacional poderá ser usado por 30 dias, afirma Patrícia Braile, presidente da empresa especializada em equipamentos para cirurgia cardiovascular. A Braile investiu R$ 2,3 milhões para desenvolver o oxigenador, e metade foi bancada pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii)/Instituto Eldorado./ C.S. e R.P.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

O melhor do Seu Dinheiro

Os melhores investimentos do mês e as notícias que foram destaque na semana

lém do ranking, tivemos o Ibovespa em queda de 2,60, e uma entrevista exclusiva com o CEO da Ânima Educação, que busca um “modelo Magalu”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies