Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-22T13:51:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
país em crise

Monitor do PIB aponta queda de 9,3% em abril, diz FGV

Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo IBGE

22 de junho de 2020
13:51
crise recessão mundo
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 9,3% em abril ante março, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com abril de 2019, a economia teve redução de 13,5% em abril de 2020.

Para o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Claudio Considera, o dado de abril mostra que a retração é a pior da história recente. "A indústria e o setor de serviços, que respondem por aproximadamente 95% do valor adicionado total da economia, também tiveram os maiores recuos de sua série histórica iniciada em 2000, assim como o consumo das famílias e a formação bruta de capital fixo", disse.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

"Em um país que, após três anos de fraco crescimento, ainda não havia conseguido se recuperar da última recessão, finda em 2016, que causou uma retração de 8,1% no PIB ao longo de 11 trimestres, o resultado de retração de 9,3% do PIB em apenas um mês, registrado em abril, não é nada animador e só evidencia os enormes desafios que serão enfrentados pela economia no decorrer de 2020", completou Considera.

O PIB registrou queda recorde em abril tanto na comparação contra o mês imediatamente anterior, quanto em relação ao mesmo mês do ano anterior, em decorrência das medidas de isolamento social necessárias para o combate à pandemia do novo coronavírus, lembrou a FGV.

Na passagem de março para abril, a indústria caiu 15,7%, devido aos recuos da indústria de transformação (-24,3%) e da construção (-11,7%). Os serviços encolheram 7,3% em abril ante março, com perdas relevantes no comércio (-18,3%), transporte (-15,1%) e segmento de outros serviços (-14,0%).

Sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) teve retração recorde de 23,0%, enquanto o consumo das famílias também teve queda histórica de 7,7%.

Na FBCF, houve perdas em todos os componentes: máquinas e equipamentos, construção e outros ativos. No consumo das famílias também houve retração generalizada, englobando bens não duráveis, semiduráveis, duráveis e serviços.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,359 trilhões de janeiro a abril, em valores correntes. A taxa de investimento em abril de 2020 foi de 12,1% na série a valores correntes, o menor resultado da série histórica iniciada em 2000.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ACIONISTAS FELIZES

‘Sextou’ com dividendos: Raia Drogasil (RADL3) e MRS Logística (MRSA3B) anunciam R$ 201 milhões em proventos

Ambas as companhias detalharam o valor por ação, a data de corte para receber os proventos e quando o dinheiro deverá cair na conta dos acionistas

FECHAMENTO DA SEMANA

Em semana de alta volatilidade, Ibovespa pega carona com PEC dos precatórios e sobe 2,78%; dólar também avança, mas juros passam por alívio

Variante ômicron, PEC dos precatórios e o futuro da política monetária americana dominaram a semana do Ibovespa

Evergrande vende parte de suas ações de empresa de tecnologia e obtém US$ 145 mi

O grupo chinês da Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida […]

Aperto monetário

Copom deve elevar Selic para 9,25% ao ano na próxima semana, aposta JP Morgan

Para o banco, a queda de 0,1% do PIB do terceiro trimestre e o avanço da PEC dos precatórios no Congresso fizeram com que as estimativas convergissem para a manutenção do ritmo de alta de 1,5 ponto

Intervenção estatal

Sob risco de novo calote, governo chinês envia ‘socorro administrativo’ para Evergrande

O movimento ocorre após a gigante imobiliária alertar que corria o risco de não cumprir mais uma grande obrigação financeira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies