Menu
2020-08-25T23:31:40-03:00
Estadão Conteúdo
efeito coronavírus

Lançamentos de imóveis caíram 60,9% no 2º trimestre, diz CBIC

No acumulado do primeiro semestre deste ano, os lançamentos alcançaram 37.596 unidades, recuo de 43,9% em relação ao mesmo período do ano passado

24 de agosto de 2020
14:12 - atualizado às 23:31
Quarentena imóveis
Imagem: Shutterstock

O mercado imobiliário nacional atravessou um período de forte queda nos lançamentos durante a pandemia, por conta do fechamento do comércio, enquanto as vendas tiveram uma diminuição menos brusca, indicando uma certa resiliência da demanda. Isso é o que mostra pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 24, pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

O estudo mostrou que, no segundo trimestre de 2020, os lançamentos residenciais totalizaram 16.659 unidades, baixa de 60,9% em relação ao mesmo período de 2019. Já no acumulado do primeiro semestre deste ano, os lançamentos alcançaram 37.596 unidades, recuo de 43,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Por sua vez, as vendas de imóveis no País somaram 32.346 unidades no trimestre, encolhimento de 23,5%. E no semestre, atingiram 71.109 unidades, baixa de apenas 2,2%.

O resultado de um número de vendas superior ao de lançamentos foi a queda no estoque. No fim de junho, o total de imóveis novos disponíveis para venda, considerando unidades na planta, em obras e recém-construídas, chegou a 149.700 unidades no País, diminuição de 7,1% em um ano.

Com a velocidade de vendas atual, seriam necessários 10,9 meses para escoar esse estoque. Um ano antes, essa relação era de 14,8 meses.

O levantamento da CBIC mostrou ainda que o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) manteve um peso importante no mercado imobiliário nacional, representando 55,6% dos lançamentos e 56,0% das vendas ao longo do segundo trimestre.

Já em relação aos preços, o estudo mostrou que o patamar em junho estava levemente abaixo do verificado em março - quando o mercado estava aquecido - mas estável em relação ao fim de 2019.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies