Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-28T16:31:35-03:00
Estadão Conteúdo
Tesouro Nacional

Dívida pública federal fecha março em R$ 4,214 trilhões, queda de 1,55%, diz Tesouro

Em fevereiro, o estoque de dívida estava em R$ 4,281 trilhões; os dados foram divulgados nesta terça-feira, 28, pelo Tesouro Nacional

28 de abril de 2020
16:07 - atualizado às 16:31
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em um mês de forte saída de estrangeiros, o estoque da Dívida Pública Federal (DPF) caiu 1,55% em março e fechou em R$ 4,214 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 28, pelo Tesouro Nacional. Em fevereiro, o estoque estava em R$ 4,281 trilhões.

Houve um resgate líquido de R$ 121,99 bilhões, o que significa que o Tesouro mais comprou os papéis de volta do que vendeu novos títulos para se financiar no mercado. A correção de juros no estoque da DPF, por sua vez, foi de R$ 55,75 bilhões no mês passado.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) caiu 2,28% em março e fechou o mês em R$ 4,006 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 15,03% maior no mês, somando R$ 208,29 bilhões ao fim do mês passado.

Emissão diminui

Em meio às condições adversas no mercado provocadas pela crise da pandemia do novo coronavírus, o Tesouro registrou em março o menor volume de emissões de títulos da dívida em uma década. O governo brasileiro emitiu R$ 21,583 bilhões em novos papéis neste mês, o menor valor desde maio de 2010.

Apesar disso, o Tesouro garante que não há dificuldades para a rolagem da dívida.

"No período de volatilidade, as condições do mercado se deterioraram, havendo redução de liquidez e perda de referência de preços, tanto que o Tesouro realizou leilões extraordinários de compra e venda", explicou o coordenador-geral de operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital.

"Durante as atuações, não foram realizados leilões tradicionais, o que justifica o menor volume de emissão", acrescentou.

O Tesouro registrou um resgate líquido de R$ 121,99 bilhões na Dívida Pública Federal em março, o que significa que os investidores mais retiraram recursos de seus investimentos nos papéis do Tesouro do que o País vendeu em novos títulos para se financiar no mercado.

Apenas em leilões extraordinários, o Tesouro comprou R$ 35,561 bilhões em títulos e vendeu apenas R$ 2,466 bilhões. Nessas atuações, portanto, o resgate líquido foi de R$ 33,095 bilhões.

Apesar desse cenário, Vital garantiu que não há dificuldades para a rolagem da dívida. "Não há nenhuma dificuldade para a rolagem da dívida. Sobre o colchão de liquidez, ele é suficiente para garantir, pelo menos, seis meses de vencimentos", afirmou.

DPF

A parcela de títulos prefixados na Dívida Pública Federal (DPF) subiu em março, para 30,63%. Em fevereiro, estava em 29,89%. Os papéis atrelados à Selic, por sua vez, ficaram com uma fatia menor, passando de 39,34% para 37,74%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 26,38% do estoque da DPF em março, ante 26,31% em fevereiro. Os papéis cambiais tiveram aumento na participação na DPF de 4,46% para 5,24% em março.

Já a parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 19,05% em fevereiro para 21,41% em março, segundo o Tesouro Nacional. O prazo médio da dívida apresentou aumento de 3,98 anos para 4,00 anos no mesmo período.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Lua de mel amarga

C6 quer ‘divórcio’ da TIM, mas operadora briga contra a separação

Um ano após firmarem parceria para captação de clientes em troca de ações, a fintech ouviu um ‘não’ para seu pedido de rescisão de contrato

Crise hídrica

Ministro de Minas e Energia descarta racionamento e diz trabalhar para evitar apagão

Com níveis alarmantes nas usinas hidrelétricas, até mesmo a volta do horário de verão é considerada por alguns membros do governo e indústria

Negócio da China?

SEC confirma pausa em IPOs de empresas chinesas; agência reguladora dos EUA fará novas orientações sobre riscos

Em meio à ofensiva regulatória de Pequim, a SEC busca novas orientações ao mercado sobre os riscos envolvidos em comprar ações de companhias do país asiático

Passo à frente

Rumo ao “outro patamar”: EQI, que trocou a XP pelo BTG, recebe autorização para abrir corretora

Depois de ser pivô de disputa entre os bancos, escritório de agentes autônomos dá um passo decisivo para ter “vida própria” no mercado

Estreia forte

Ações da ClearSale estreiam na bolsa com disparada de 20% após IPO

No 40º IPO na B3 no ano, empresa de soluções antifraude movimentou pouco mais de R$ 1 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies