🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Estadão Conteúdo
Hotéis respiram

Depois de quatro anos de queda, diária de hotéis volta a registrar alta em 2019

Após quatro anos seguidos de perdas, em 2019 os hotéis tiveram aumento real médio de 5,5% nos valores das diárias em 11 capitais brasileiras

Balcão de recepcionistas de hotel
Imagem: Shutterstock

Intimamente ligado ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o setor de hotéis sofreu muito com os efeitos da recessão que assolou o País em 2015 e 2016. Foi só no ano passado, depois de quatro anos seguidos de perdas, que os hotéis voltaram a respirar: em 2019, houve aumento real médio de 5,5% nos valores das diárias em 11 capitais brasileiras pesquisadas pelo Panorama da Hotelaria Brasileira, feito pela consultoria Hotel Invest.

No entanto, a recuperação do movimento e da rentabilidade ainda é um caminho "ladeira acima".

Segundo Pedro Cypriano, sócio da consultoria, o fôlego nos preços das diárias em 2019 está longe de ser suficiente para compensar as perdas acumuladas.

Dependendo da capital analisada, a perda em relação ao recorde histórico atingido em 2014 fica entre 16% (caso de São Paulo) e 48% (no Rio de Janeiro). Na capital fluminense, que registrou alta de oferta durante a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, a diária média hoje é de R$ 244. Em 2014, chegava a R$ 469.

"Essa diferença certamente tem impacto no potencial de lucro do setor. Para que os projetos se sustentem e possam receber manutenção, é necessária uma intensificação desse aumento de preços", diz Cypriano.

O avanço até agora obtido não foi suficiente para animar os investidores. Atualmente, são 169 hotéis em desenvolvimento no País, com investimentos estimados em R$ 6,6 bilhões. Ambos os indicadores ainda apresentam queda em relação ao ano passado.

Lento retorno

Embora os hotéis não tenham recebido a injeção de ânimo do segmento de lançamentos comerciais, o sócio da Hotel Invest vê sinais que apontam na direção de ventos mais favoráveis. Ele ressalta, por exemplo, que 39 novos contratos para desenvolvimento de hotéis foram fechados entre setembro de 2019 e janeiro deste ano.

Os dados concretos, porém, ainda apontam para uma variação discreta da oferta. Até 2024, há a previsão da adição de 30 mil novos quartos à base instalada de 550 mil já existente no Brasil. Isso representa uma expansão acumulada de 5% em cinco anos. Mesmo que o crescimento do PIB não se acelere muito, o dado discreto de investimento pode favorecer a alta das diárias e da taxa de ocupação.

A redução da ociosidade é importante para que as diárias possam ser reajustadas. Dentro do mercado hoteleiro, o "número mágico" para uma operação saudável varia de uma taxa de ocupação de 65% a 70%. Embora esse dado tenha avançado em todas as capitais pesquisas pela Hotel Invest, atualmente apenas 4 das 11 cidades se situam acima da marca de 65%: Fortaleza (71%), Vitória (69%), São Paulo (67%) e Salvador (65%).

Dos 169 hotéis hoje em desenvolvimento, 67% são de empreendimentos das categorias "econômica" ou "supereconômica". Mais de 75% das unidades em desenvolvimento estão localizadas nas Regiões Sul e Sudeste do País. E as grandes redes, que concentram quase 90% dos lançamentos, estão buscando cidades onde a oferta de quartos é menor. Mais da metade dos empreendimentos se situa em municípios fora de capitais e regiões metropolitanas.

Líder

Maior rede de hotéis do País, a francesa Accor começou a perceber avanço na ocupação e no valor das diárias em 2018, mas o movimento se intensificou em 2019. No ano passado, a receita da companhia avançou 10% no País, enquanto a taxa de ocupação subiu a 60% mesmo em capitais muito afetadas pela crise, como Belo Horizonte e Rio de Janeiro, diz o vice-presidente de desenvolvimento de novos negócios, Abel Castro.

Com a retomada de 2019, a rede no Brasil deve crescer 5% em 2020, com a adição de 17 novos empreendimentos ao portfólio de 319 hotéis da rede no País.

Dona de marcas como Ibis, Mercure e Novotel, a empresa diz estar em busca de boas localizações para os empreendimentos. Neste ano, terá inaugurações em cidades como Sorocaba, Ribeirão Preto e Pindamonhangaba.

Em Lençóis Paulista, palco de investimento bilionário da gigante da celulose RGE, que comprou a companhia familiar Lwarcel, a Accor está apostando em um hotel de alto padrão, para hospedar o fluxo de executivos que deve vir à cidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

OS ARGUMENTOS DO MINISTRO

Haddad responde aos mercados sobre ruídos provocados por meta fiscal; veja o que o ministro falou

16 de abril de 2024 - 19:06

Haddad argumentou que o ajuste estabelece uma trajetória “completamente em linha” com o que se espera no médio prazo de estabilidade da dívida

REALITY SHOW

A final do BBB 24 está aí: Quanto o prêmio recorde de R$ 2,92 milhões renderia se o vencedor resolvesse viver de renda?

16 de abril de 2024 - 18:29

O Big Brother Brasil pagará o maior prêmio da história na final desta edição, com Davi, Isabelle e Matheus na disputa. Mas é possível viver apenas com a bolada?

DE OLHO NAS REDES

Petrobras (PETR4) é uma das melhores petroleiras do mundo, mas ‘risco Lula’ empaca: “ações podem desabar da noite pro dia” — o que fazer com os papéis? 

16 de abril de 2024 - 15:51

“Se você focar apenas em resultados, a Petrobras (PETR4) é uma das melhores petroleiras do mundo”. É assim que o analista Ruy Hungria começa sua participação no mais recente episódio do podcast Touros e Ursos. Ele explica que a estatal tem margens até melhores do que as gigantes do setor — como Chevron, Exxon e […]

NAS ALTURAS

Dólar em R$ 5,28: os dois eventos que fizeram a moeda norte-americana atingir o maior patamar em mais de um ano

16 de abril de 2024 - 11:44

Entenda por que os investidores buscam abrigo em ativos considerados porto seguro como o ouro e os títulos do Tesouro dos EUA

LOTERIAS

Lotofácil: Apostador “virtual” fatura prêmio milionário sozinho; Mega Sena sorteia hoje bolada de R$ 66 milhões

16 de abril de 2024 - 9:39

Enquanto a Quina e a Lotomania acumularam, a Lotofácil registrou um vencedor ontem. Confira os números sorteados nas principais loterias da Caixa Econômica Federal

SHINE BRIGHT

Ouro a US$ 3 mil: por que o Citi enxerga disparada de 26% do metal precioso — e nem tudo tem a ver com as guerras

16 de abril de 2024 - 9:02

Para os especialistas do Citigroup, a commodity deve ser impulsionada pelo aumento da demanda dos investidores institucionais e dos bancos centrais

Prévia do orçamento

Governo propõe reajuste de mais de 6% no salário mínimo em 2025; veja qual será o valor

15 de abril de 2024 - 17:45

O cálculo segue a projeção para o INPC, índice oficial de inflação no Brasil, mais o crescimento do PIB em 2023

SPOILERS DA PLDO

Sem superávit: Haddad confirma meta fiscal de déficit zero em 2025 e planos para aumentar a arrecadação

15 de abril de 2024 - 17:09

Vale relembrar que, há um ano, a equipe econômica havia estabelecido que buscaria fazer um superávit de 0,5% do PIB em 2025

MADE IN BRAZIL

O milho que vale ouro: quebra de safra da África dá tração ao agronegócio brasileiro e pode mexer com gigantes como a BRF (BRFS3)

15 de abril de 2024 - 14:15

A seca provocada pelo El Niño reduziu o cultivo de milho da África do Sul em pelo menos 20% e a do Zimbábue em cerca de 60%

VENDE COMO ÁGUA

Brasil retoma autossuficiência de alumínio e produção avança 24% em 2023; ainda existe espaço no mercado?

14 de abril de 2024 - 15:31

A recuperação na oferta acontece, principalmente, devido ao religamento do complexo industrial da Alumar, no Maranhão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies