Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-25T12:35:17-03:00
Estadão Conteúdo
JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

25 de fevereiro de 2020
12:35
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

Cresceram no mercado as apostas em uma nova rodada de flexibilização monetária por parte do Federal Reserve (Fed, o banco Central dos Estados Unidos) devido aos temores de desaceleração econômica com o surto de coronavírus.

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março, que levaria a taxa básica para a faixa entre 1,25% e 1,50% ao ano. Uma semana atrás, a chance era de 11,1% e, um mês atrás, de 3,8%.

As perspectivas de novos cortes sobem quando consideradas as reuniões futuras da autoridade monetária dos EUA. Para abril, o mercado precifica 53,6% de probabilidade de cortes na taxa. Os investidores aumentam as apostas olhando para as reuniões de junho (76,2%), julho (85,7%) e setembro (90,2%).

Mesmo com esse movimento, os dirigentes do Fed têm sinalizado que estão confortáveis com o nível da taxa de juros e que, por enquanto, as incertezas causadas pelo surto de coronavírus podem não ser suficientes para justificar um novo ciclo de afrouxamento.

A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester (vota), disse nesta segunda-feira, 24, que não apoiaria uma nova rodada de cortes na taxa de juros americana, apesar de monitorar de perto os desdobramentos do surto. "Eu a incorporei como um risco na minha projeção modal, que prevê que o crescimento continue, um pouco mais lentamente do que no ritmo do ano passado", afirmou.

Também na segunda-feira, o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari (vota), disse em entrevista que ainda é cedo para definir como o Banco Central americano vai responder ao coronavírus. "Eu não vejo necessidade urgente de movimento até termos mais informações", declarou o dirigente.

Na última reunião do Fomc, em janeiro, o presidente do Fed, Jerome Powell, já havia afirmado que a autoridade monetária via o coronavírus como um risco, mas que a taxa de juros dos EUA "provavelmente continuará apropriada" enquanto os dados da economia permanecerem consistentes com a perspectiva do banco.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa recupera mais um degrau – e outros destaques do dia

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo. O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos […]

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies