Menu
2020-08-20T10:00:12-03:00
Estadão Conteúdo
Projeções para retomada

Clima econômico no Brasil melhora no 3º trimestre, afirma FGV

À exceção do México, o ICE aumentou em todos os países selecionados para análise, embora todos sigam na zona desfavorável, com porcentual de respostas negativas acima das positivas

20 de agosto de 2020
10:00
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

A pandemia do novo coronavírus ainda afeta o Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina, que passou de -59,9 pontos no segundo trimestre de 2020 para -43,2 pontos no terceiro trimestre. O indicador permanece na zona desfavorável do ciclo econômico, mas teve melhora de 16,7 pontos no período, apontou o levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). No Brasil, o ICE passou de -60,9 pontos no segundo trimestre de 2020 para -32,0 pontos no terceiro trimestre deste ano, uma melhora de 28,9 pontos.

Houve avanço das expectativas, embora a percepção sobre a situação atual tenha piorado. O Indicador da Situação Atual (ISA) na América Latina passou de -89,6 pontos no segundo trimestre deste ano para -98,0 pontos no terceiro trimestre. Já o indicador de Expectativas (IE) saiu de -22,3 pontos negativos para +41,1 pontos no mesmo período.

"A melhora no clima econômico é explicada, portanto, pela reversão nas expectativas que passaram de pessimistas para otimistas, enquanto as avaliações da situação atual pioraram. Ressalta-se que a diferença entre o IE e o ISA, de 139,1 pontos, é a maior da série histórica. A crise teria chegado ao seu pior momento, mas daqui para a frente a economia da região entraria numa fase de recuperação", ressaltou a FGV, em nota oficial.

À exceção do México, o ICE aumentou em todos os países selecionados para análise, embora todos sigam na zona desfavorável, com porcentual de respostas negativas acima das positivas. O maior ICE da região passou a ser o da Argentina, -27,5 pontos. Segundo a FGV, o início do processo de renegociação da dívida do país e o desempenho relativamente favorável no combate à pandemia podem ter influenciado o cenário econômico local.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

novo programa

Governo anuncia proposta para Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família

Proposta é usar os recursos de pagamento de precatórios e parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)

NOVATA NA BOLSA

Subsidiária da Even, Melnick estreia na B3 com queda de mais de 1%

IPO movimentou R$ 713,6 milhões, com as ações sendo precificadas no piso da faixa indicativa

futuro já começou?

Ação da Virgin Galactic, de turismo espacial, dispara 20%

Dois novos relatórios recomendam a compra dos papéis da empresa do bilionário Richard Branson; companhia ainda não opera comercialmente

mercado atento

Risco fiscal no Brasil ‘está em toda a parte’, diz José Júlio Senna

Chefe do Centro de Estudos Monetários do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) diz que “a Bolsa de São Paulo, em dólar, é um vexame”

demandas em meio à crise

Concessões no crédito livre sobem 0,5% em agosto, revela BC

Em agosto, no crédito para pessoas físicas, as concessões subiram 2,1%, para R$ 153,3 bilhões. Em 12 meses até agosto, há alta de 3,0%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements