Menu
2020-05-19T19:06:48-03:00
Secretário do Tesouro

Brasil não tem mesma capacidade de endividamento de um país rico, diz Mansueto

Nesse contexto, secretário do Tesouro Nacional defendeu a continuidade da agenda de reformas no pós-crise e pregou cautela nas discussões sobre ampliação de gastos sociais

19 de maio de 2020
19:06
Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional
Imagem: Gustavo Raniere

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, ressaltou nesta terça-feira, 19, que o Brasil não tem a mesma capacidade de endividamento de um país rico. Nesse contexto, ele defendeu a continuidade da agenda de reformas no pós-crise e pregou cautela nas discussões sobre ampliação de gastos sociais.

Segundo o secretário, o Brasil já tem um Estado muito grande, e o investidor não tem no governo brasileiro a mesma confiança depositada num país como os Estados Unidos ou a Alemanha, que conseguem vender títulos de longo prazo com juros negativos. "Isso não existe no Brasil", afirmou.

"Pra eu vender título de dez anos no Brasil tenho que pagar de 8% a 9% ao ano. É menos do que nos últimos anos, mas é muito alto", afirmou Mansueto.

Ele acrescentou ainda que os agentes que demandam esse tipo de papel (estrangeiros e fundos de pensão) já estavam mais retraídos antes mesmo da crise e, por isso, o Brasil não tem conseguido colocar muito desses papéis no mercado."Em títulos com prazo a partir de três anos, o prêmio cobrado já é muito alto", explicou.

Reformas

O secretário do Tesouro Nacional alertou que, se o governo e o Congresso falharem na condução das reformas no momento após a crise do novo coronavírus, "o Brasil terá problemas". Segundo ele, é preciso sinalizar compromisso com o controle dos gastos do governo para dar indicações claras de solvência do País e, assim, continuar atraindo a confiança dos investidores. Para isso, o secretário vê necessidade de "bom diálogo político".

"A gente tem que se esforçar para melhorar esse País", afirmou Mansueto em videoconferência promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil. "Precisamos fomentar diálogo político e respeitar contraditório. Para fazer reformas, é preciso bom diálogo político", acrescentou.

Ao comentar as dificuldades de aprovar uma reforma tributária - tema que será prioritário após a crise, em sua visão -, Mansueto disse que o Brasil precisa de um "esforço muito grande" para melhorar o debate político e aprofundar as discussões de forma pragmática para "não ter mais uma decepção". "Não é questão técnica, é questão política", afirmou. "Diagnóstico todo mundo faz, o que tem que fazer é mais ou menos claro. Agora a gente precisa ter ambiente político que permita às pessoas conversarem, dialogarem para se tentar construir algum consenso. Se a gente conseguir, esse País tem tudo para crescer. É um País que tem estrutura produtiva diversificada, tem uma rede de assistência social ampla, não tem nenhuma grande convulsão social quando a gente compara com outros países. Agora, se a gente falhar, o Brasil terá problemas."

Mansueto disse que a trajetória da dívida brasileira ficará dependente do que o País conseguir fazer de reforma e de privatizações no pós-crise, e é justamente essa variável que preocupa o secretário e está no radar dos investidores. Neste ano, a dívida bruta deve chegar à casa dos 90% do PIB com os gastos de contenção aos efeitos da crise. A previsão de déficit primário em R$ 600 bilhões foi classificada de "otimista" pelo secretário, que já admite um rombo mais próximo de R$ 700 bilhões em 2020. O déficit nominal, que inclui a conta de juros, se aproximará dos 13% do PIB.

Mesmo assim, o mais importante é o depois, segundo o secretário. "O que me preocupa não é nível da dívida, mas a trajetória. Ninguém sabe qual é a perspectiva de crescimento do Brasil no pós-crise, mas também não está dado", acrescentou, indicando que o País pode trabalhar para ter um arranque melhor após o momento de dificuldade.

"Se tivermos potencial de crescimento maior, o custo da crise será pago gradualmente", disse Mansueto. "O mundo vai sair dessa crise em busca de boas oportunidades de investimento. Se o Brasil conseguir fazer reformas e sinalizar bom retorno, o investimento privado vem", acrescentou.

Captação

O Tesouro Nacional poderá emitir títulos da dívida soberana no mercado externo caso necessário e se surgir a oportunidade, disse o secretário do Tesouro Nacional. Embora não tenha falado de nenhum leilão concreto, ele fez questão de ressaltar que o mercado externo está aberto ao Brasil. "Não temos nenhum problema de captação externa", garantiu em videoconferência promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil. "Se necessário e se surgir oportunidade, podemos fazer captação, seja em dólar, seja em euro."

Mansueto disse que o Tesouro não costuma pré-anunciar essas operações, mas admitiu que a captação externa é uma possibilidade no radar do governo. "Temos fundamentos sólidos", ressaltou o secretário, destacando ainda o colchão de reservas cambiais do Brasil. "Temos condições (para ir ao mercado externo), mas temos de esperar. Em algum momento podemos ir ao mercado externo", afirmou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

exile on wall street

Cratera de Chicxulub

Acho que seria o único desastre natural com algum paralelismo pertinente, assumindo, claro, que os dinossauros também se organizassem por meio de um mercado de trabalho formal.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Sem tempo ruim

A festa continua: Ibovespa sobe forte e dólar cai a R$ 5,11 com otimismo se sobrepondo à cautela

O dólar à vista segue em queda firme e já se aproxima dos R$ 5,00, enquanto o Ibovespa sobe e busca os 93 mil pontos. Novamente, os investidores mostram-se otimistas com as perspectivas para a economia global e deixam de lado os fatores de risco

IR 2020

Como a Receita calcula o imposto de renda devido e o valor das restituições

Jeito de calcular o imposto de renda devido e a eventual restituição varia de acordo com o modelo escolhido de declaração, se completo ou simplificado

"Eu voltei..."

Governo brasileiro vai voltar a captar recursos no mercado internacional

O Tesouro Nacional concedeu mandato para a emissão de dois novos papéis. O primeiro com vencimento em cinco anos, o Global 2025, e o outro de dez anos (Global 2030)

de olho no calendário

Caixa libera saque da 2ª parcela de auxílio emergencial para nascidos em abril

Amanhã (4), a liberação será para os nascidos em maio, e assim por diante até o sábado, dia 13 de junho, para quem nasceu em dezembro

efeitos da crise

Setor privado dos EUA perde 2,7 milhões de empregos em maio

Analistas consultados pelo Wall Street Journal apontavam uma baixa de 8,75 milhões para o período

NOVO MINISTRO

Bolsonaro formaliza general Eduardo Pazuello como ministro interino da saúde

Na prática, o general já estava no comando da Saúde desde o dia 15 de maio e, nas palavras do presidente Bolsonaro, “vai ficar por muito tempo” no cargo.

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 notícias para começar o dia bem informado

Você provavelmente foi impactado por alguma campanha de banco ou corretora oferecendo mais que 100% do rendimento do CDI. É um CDB que renumera 120% do CDI ou uma debênture com taxas mais convidativas que aplicações na renda fixa conservadora.  Meu caro, antes de mais nada, cuidado com o efeito psicológico da oferta. Em tempos […]

recorde negativo

Pandemia faz produção industrial desabar 18,8% em abril

É pior resultado desde o início da série histórica, em 2002, e o primeiro mês completamente atingido pela crise; maior queda foi de veículos automotores (-88,5%)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements