Menu
2020-01-05T17:51:55-03:00
MUDANÇAS NO GOVERNO

Bolsonaro escolhe servidor da Economia para secretaria de assuntos estratégicos

O cargo de secretário está aberto desde novembro, quando o general Maynard Marques Santa Rosa pediu demissão do governo em meio a atritos com o presidente e com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira

2 de janeiro de 2020
19:56 - atualizado às 17:51
48900004178_fbbf9883eb_k
Bruno Grossi - Imagem: Ministério da Economia/Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro escolheu Bruno Grossi, atual secretário-adjunto de Gestão Orçamentária do Ministério da Economia, para comandar a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), pasta subordinada à Secretaria-Geral da Presidência.

O cargo de secretário está aberto desde novembro, quando o general Maynard Marques Santa Rosa pediu demissão do governo em meio a atritos com o presidente e com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira.

A nomeação deve ser confirmada na sexta-feira, 3, no Diário Oficial da União. A escolha foi anunciada nas redes sociais pela Secretaria-Geral, pasta à qual a secretaria é subordinada. "A SAE tem como objetivo construir uma agenda estratégica e promover debates sobre temas primordiais para o atual governo", afirma a publicação da secretaria.

Grossi ainda deve escolher nomes para substituir funcionários que acompanharam a saída de Santa Rosa e se demitiram da SAE. O general era uma indicação do ex-ministro Gustavo Bebianno, demitido em fevereiro, e teria sido deixado na "geladeira" por Bolsonaro e Oliveira, que não teriam atendido seus pedidos de reunião.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Painel com gestores

Stuhlberger vê bolha se formando na bolsa, mas segue aplicado

Lendário gestor da Verde Asset diz que “olha porta de saída” da bolsa, mas vê boas perspectivas com avanço do PIB de consumo

olho nos números

Taxa do cheque especial cai para 302,5% em dezembro

Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200.

balanço

Crise do 737 Max faz Boeing ter o primeiro ano de prejuízo desde 1997

Empresa perdeu US$ 636 milhões em 2019, após apresentar prejuízo de US$ 1,01 bilhão no quarto trimestre – analistas esperavam por lucro de US$ 636 milhões no período

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Expectativa

Ibovespa cai e acompanha a cautela global antes da decisão de juros nos EUA; dólar sobe a R$ 4,20

Sem tirar o coronavírus do radar, o Ibovespa acompanha o exterior e opera em leve alta, aguardando o parecer do Federal Reserve em relação à taxa de juros nos EUA

no balanço

Santander Brasil tem lucro de R$ 14,5 bilhões em 2019, e aumenta a participação nos ganhos do grupo

Filial brasileira divulgou resultados do quarto trimestre; lucro chegou a R$ 3,7 bilhões, avançando 9,49%; retorno sobre patrimônio bate 21,3%

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

A elite financeira do país se reúne em um evento do banco Credit Suisse para discutir a economia. Um dos sócios de uma das gestoras mais renomadas do país disse que a maioria das ações do Ibovespa está cara. Nos mercados, as atenções se dividem entre o avanço do coronavírus e a decisão de hoje do Federal […]

auditoria da auditoria?

Bolsonaro vê ‘coisa esquisita’ no BNDES e Montezano deve se explicar nesta quarta

Banco gastou R$ 48 milhões em auditoria; atual presidente autorizou aditivo do contrato inicial

Esquenta dos mercados

Em compasso de espera por decisão do Federal Reserve, bolsas ensaiam mais um dia de recuperação

Coronavírus continua trazendo cautela aos mercados, mas as bolsas tentam engatar mais um dia de recuperação

pode não acontecer

Auditoria em contrato com a Odebrecht pode ser abortada

Após a auditoria do BNDES nas operações da JBS apontar inexistência de indícios de irregularidade e gastar R$ 48 milhões, avaliação é que “não faz mais sentido” gastar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements