Menu
2020-08-19T15:12:27-03:00
Estadão Conteúdo
de olho no petróleo

Arábia Saudita e Rússia reafirmam corte na produção de petróleo e veem retomada da demanda

Em suas declarações iniciais, as autoridades de Arábia Saudita e Rússia destacaram a importância de iniciativa e afirmaram que veem um quadro de retomada na demanda e maior equilíbrio no mercado de energia

19 de agosto de 2020
15:12
shutterstock_1150277432
Jelgava, Letônia, 25 de setembro de 2005, estação ferroviária vista de cima com os tanques de petróleo e amônia da Russian Railways. - Imagem: Shutterstock

Ministros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) realizam reunião virtual nesta quarta-feira, 19, a fim de tratar do acordo conjunto para corte da oferta da commodity, a fim de sustentar seus preços. Em suas declarações iniciais, as autoridades de Arábia Saudita e Rússia destacaram a importância de iniciativa e afirmaram que veem um quadro de retomada na demanda e maior equilíbrio no mercado de energia. Além disso, o ministro saudita comentou que o acordo para corte na demanda poderia ir além de abril de 2022, se necessário.

O ministro de Energia russo, Alexander Novak, qualificou a decisão de cortar a oferta adotada pela Opep+ de "justificada", diante do choque econômico provocado pela covid-19. Segundo ele, o esforço já gera um resultado "significativo".

Novak disse que é possível notar os primeiros sinais de desaceleração na alta dos estoques de petróleo, que devem recuar adiante, contribuindo para o maior equilíbrio e estabilidade do setor. Além disso, notou que ocorreu uma queda na produção de petróleo em países de fora do grupo, como Estados Unidos e Canadá, o que contribui para o reequilíbrio.

De qualquer modo, Novak ressaltou que o mercado de petróleo "segue muito volátil". Com isso, é necessário continuar a cumprir o acordo da Opep+, comentou.

Em seu discurso, o ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman Al Saud, afirmou que há sinais "encorajadores de retomada na demanda global" no setor energético. Ele disse que existe a expectativa de que a demanda por petróleo no quarto trimestre deste ano esteja em 97% do equivalente no pré-pandemia.

Saud citou o recuo nos estoques e a recuperação na demanda por gasolina e diesel em muitos países, como a própria Arábia Saudita. Segundo ele, porém, é importante manter a vigilância sobre o mercado e o ministro saudita disse que pode ser necessário manter o acordo de corte na oferta para além do prazo de abril de 2022.

De acordo com a autoridade saudita, o nível de cumprimento do acordo da Opep+ é "sem precedentes", tendo atingido justamente 97% do total almejado.

Após as declarações iniciais das autoridades, transmitidas online, os ministros iriam prosseguir com a reunião virtual fechada.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements