Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2020-02-15T14:07:23-03:00
Mudança de hábitos

A ordem do dia é gastar menos do que se ganha e não dever nada a ninguém

Lembre-se: o governo, qualquer que seja ele, de esquerda, direita, centro, vai te trair um dia, se é que já não traiu, como aconteceu no caso de minha aposentadoria.

15 de fevereiro de 2020
14:07
guardar-dinheiro-1920×1080
Imagem: Shutterstock

Já disse isso em minhas crônicas algumas vezes, mas não custa repetir: economize algum dinheiro todos os meses e aplique a sobra, de preferência em renda variável, mesmo que isso signifique sacrifícios.

Nas férias, ao invés de viajar para o exterior, vá para um balneário ou estância de montanha próximos à sua cidade. Ou até mesmo fique em casa com a família, levando os filhos para brincar no parque.

O essencial é poupar, mesmo que isso implique, nos momentos mais difíceis, comer arroz com ovo frito no almoço e tomar sopa no jantar. Deixe seu carro na garagem e vá para o trabalho usando transporte coletivo. Os londrinos e nova-iorquinos, por exemplo, fazem isso naturalmente.

Se o caro amigo leitor é bem mais abonado, e pratica anualmente esportes de inverno em Courchevel ou Vail, baixe um pouquinho a bola. Mude a época das férias. Troque de hemisfério. Vá para Bariloche, onde o peso argentino é uma teta frente ao real.

Subindo ao topo da pirâmide social, se você tem um jatinho particular, venda-o e comece a viajar de primeira classe nas companhias aéreas. Se já voa de primeira, passe para a executiva. E se é esse o seu caso, faça um downgrade para a dog class. Todas chegarão ao destino na mesma hora.

Resumindo: do grande empresário à empregada doméstica (que mancada, hein, Posto Ipiranga?!), a ordem do dia, da semana, do mês, do ano e da época é gastar menos do que se ganha.

Mais do que tudo, não parcele nada. Pague à vista ou não compre.

Nem sempre foi assim. Como peguei a época do auge da hiperinflação, meus hábitos eram completamente diferentes – aliás, no meu último livro, retrato em diversas crônicas o estilo de vida levado por investidores daqueles tempos.

Cartões de crédito, por exemplo, eu possuía seis. Dependendo do dia do mês, pagava com Visa, Mastercard, Ourocard, Diners, Nacional ou American Express. Assim procedendo, tinha sempre 40 dias, ou pouco menos, para pagar minha fatura. Isso me dava uma economia de uns 30%.

Após minha separação conjugal, a casa em que morava com a família ficou para a ex e os filhos. Decidi, então, morar de aluguel.

A lei só permitia que o proprietário retomasse o imóvel após cinco anos. Os reajustes eram anuais, sempre em índices menores do que a inflação, da qual eram expurgados vários itens.

Me valendo disso, só alugava casa de grandes proprietários (gente que tinha 20 ou 30 apartamentos), pois não queria prejudicar nenhuma viúva que dependesse daquele aluguel para viver. Seria despir um santo para vestir outro.

Certa ocasião, já vivendo com minha segunda mulher, aluguei um apartamento de quatro quartos na avenida Sernambetiba, na orla da Barra da Tijuca, aqui no Rio. O valor mensal equivalia a aproximadamente 90% do meu salário mais comissões.

Como tinha um banqueiro bem-sucedido (pleonasmo?) como avalista, não tive problemas em assinar o contrato.

Isso aconteceu em 1987, época em que a inflação mensal era de aproximadamente 20%, que foi a diminuição em termos reais de meu aluguel logo no segundo mês. Mais 20 no terceiro, e assim por diante.

Na data do reajuste anual, o valor não retornava ao pico de onde começara.

Ao longo dos meses e anos seguintes, o aluguel foi diminuindo até que se tornou ínfimo, algo como um hambúrguer, do mais simples, sem aquele monte de decks.

“Puxa vida, Ivan, você está pagando, por um quatro quartos e duas salas num condomínio de luxo na beira da praia, menos do que o morador de um barraco no complexo do Alemão”, chorou o advogado do proprietário, tentando cavar um reajuste.

“É a lei”, respondi. “Sou operador de mercado. Se há uma coisa que conheço, é velocidade de depreciação do dinheiro. Se vocês tivessem feito um contrato de boca, com valor dolarizado, e com o preço justo do aluguel, eu teria topado. Mas calcularam uma inflação e calculei outra.”

Pouco antes do lançamento do Plano Real, entreguei o apartamento e comprei este no qual moro até hoje.

A situação foi mudando. Hoje, se aplica em renda fixa ou variável, neste segundo caso indo para o risco.

Para início de conversa, o que jamais deve fazer é parcelar dívidas. Elas se acumulam e você se ferra.

O IPVA do estado do Rio, por exemplo, pode ser pago em três vezes. Só que, se pagar à vista, como fiz, o governo dá um desconto de 3%. Caramba, minhas aplicações em renda fixa não rendem isso. Optei por parcela única.

Já o IPTU do município do Rio de Janeiro permite o pagamento em dez parcelas. Só que, pra quem recolhe tudo no ato, como também foi a minha escolha, o desconto é de 7%.

Como recebo de várias fontes, tenho sempre imposto de renda a pagar, jamais devolução. A Receita Federal aceita parcelamento em oito vezes, com reajuste pela taxa Selic, mais 1% todo mês.

A não ser que tenha de fazer um empréstimo bancário para quitar o seu, opte pela cota única, como irei fazer, sacando de meu fundo de renda fixa.

Agora, o mais importante. Se você chega numa loja para comprar, por exemplo, um liquidificador, eles oferecem parcelar em dez vezes, no cartão de crédito. Sem juros.

Pague à vista. Caso contrário, vai acabar acumulando dívidas mensais que lhe retirarão a possibilidade de poupar todos os meses.

Eu, quase octogenário, arff, engulo diariamente 16 comprimidos de uso essencial e contínuo. Só um deles, o Xarelto, que inibe trombos e AVCs, custa mais de 200 reais a caixa com 28 cápsulas.

Quando chego no caixa da farmácia, a atendente pergunta: “Quer dividir em três vezes?”

“Tô fora!”

Se parcelar a arritmia, o diabetes, a hipertensão, vou criar uma bola de neve, da qual não sairei nunca mais. Minha conta mensal no cartão já vai abrir lotada todos os meses.

O primeiro dever de um poupador que pretende erigir um patrimônio em ações ou outros investimentos é não dever nada a ninguém, nem mesmo a juros zero.

Lembre-se: o governo, qualquer que seja ele, de esquerda, direita, centro, vai te trair um dia, se é que já não traiu, como aconteceu no caso de minha aposentadoria (assunto para outra edição da coluna).

Compre seu liquidificador à vista ou, se estiver a perigo, faça como sua bisavó: amasse a abóbora de sua sopa com um garfo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

violou as normas

Pela primeira vez, Twitter deleta postagens de Bolsonaro

Tuítes foram feitos durante passeio a regiões do Distrito Federal, na qual o presidente conversou com apoiadores e vendedores de rua e defendeu a reabertura do comércio, apesar das orientações de órgãos de saúde.

IR 2020

Como declarar renda fixa e COE no imposto de renda

Títulos de renda fixa – mesmo os isentos! – e Certificados de Operações Estruturadas (COE) são tributados e declarados de forma semelhante. Veja como informar o saldo e os rendimentos dessas aplicações financeiras na sua declaração

SD Premium

Os segredos da bolsa: muitos dados econômicos e um último balanço para ficar de olho

A primeira leva de indicadores referentes a março — mês da explosão do coronavírus — começará a ser divulgada nesta semana, mexendo diretamente com a bolsa

PREÇOS DESABARAM COM O CORONAVÍRUS

É hora de voltar para os fundos imobiliários?

Enquanto os FIIs negociavam a yields (proporção dos rendimentos estimados em 12 meses versus o preço pago por cota) próximos de 4,5% ao ano todos os dias batíamos recordes de volume negociado. Agora que os melhores fundos imobiliários do mercado estão sendo negociados a yields de 7,5% ao ano (ou mais), ninguém quer saber deles!

Quarentena

Trump estende distanciamento social por coronavírus nos EUA até 30 de abril

Na semana passada, o presidente dos EUA havia sugerido que poderia “reabrir” a economia americana na Páscoa

Situação excepcional

Ministro do STF Alexandre de Moraes atende governo e relaxa exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal

Ao Supremo, a União pedia a relativização das exigências da Lei, devido à situação excepcional do novo coronavírus no País, destacando que o direito à saúde da população deve prevalecer

Balanço

Covid-19: número de mortes por coronavírus no Brasil sobe para 136

Os casos confirmados da doença aumentaram de 3.904 para 4.256. Mantendo o padrão identificado ao longo da semana, 90% tinham mais de 60 anos

Enquanto uns choram, outros vendem lenços

Na contramão do restante da economia, setores essenciais aceleram contratações

Varejistas como supermercados e farmácias, além de hospitais, estão contratando mais diante da pandemia de coronavírus

'rolezinho do presidente'

‘Provocação’ e ‘irresponsabilidade’: parlamentares condenam passeio de Bolsonaro

Saída do presidente aconteceu um dia depois de o ministro da Saúde reforçar medidas de isolamento e pedir que ele não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas

Do contra

Bolsonaro cogita decreto que permita volta ao trabalho a todas as profissões

Presidente disse ainda que irá recorrer da decisão judicial que derrubou decreto que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu