⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2020-02-15T14:07:23-03:00
Mudança de hábitos

A ordem do dia é gastar menos do que se ganha e não dever nada a ninguém

Lembre-se: o governo, qualquer que seja ele, de esquerda, direita, centro, vai te trair um dia, se é que já não traiu, como aconteceu no caso de minha aposentadoria.

15 de fevereiro de 2020
14:07
guardar-dinheiro-1920×1080
Imagem: Shutterstock

Já disse isso em minhas crônicas algumas vezes, mas não custa repetir: economize algum dinheiro todos os meses e aplique a sobra, de preferência em renda variável, mesmo que isso signifique sacrifícios.

Nas férias, ao invés de viajar para o exterior, vá para um balneário ou estância de montanha próximos à sua cidade. Ou até mesmo fique em casa com a família, levando os filhos para brincar no parque.

O essencial é poupar, mesmo que isso implique, nos momentos mais difíceis, comer arroz com ovo frito no almoço e tomar sopa no jantar. Deixe seu carro na garagem e vá para o trabalho usando transporte coletivo. Os londrinos e nova-iorquinos, por exemplo, fazem isso naturalmente.

Se o caro amigo leitor é bem mais abonado, e pratica anualmente esportes de inverno em Courchevel ou Vail, baixe um pouquinho a bola. Mude a época das férias. Troque de hemisfério. Vá para Bariloche, onde o peso argentino é uma teta frente ao real.

Subindo ao topo da pirâmide social, se você tem um jatinho particular, venda-o e comece a viajar de primeira classe nas companhias aéreas. Se já voa de primeira, passe para a executiva. E se é esse o seu caso, faça um downgrade para a dog class. Todas chegarão ao destino na mesma hora.

Resumindo: do grande empresário à empregada doméstica (que mancada, hein, Posto Ipiranga?!), a ordem do dia, da semana, do mês, do ano e da época é gastar menos do que se ganha.

Mais do que tudo, não parcele nada. Pague à vista ou não compre.

Nem sempre foi assim. Como peguei a época do auge da hiperinflação, meus hábitos eram completamente diferentes – aliás, no meu último livro, retrato em diversas crônicas o estilo de vida levado por investidores daqueles tempos.

Cartões de crédito, por exemplo, eu possuía seis. Dependendo do dia do mês, pagava com Visa, Mastercard, Ourocard, Diners, Nacional ou American Express. Assim procedendo, tinha sempre 40 dias, ou pouco menos, para pagar minha fatura. Isso me dava uma economia de uns 30%.

Após minha separação conjugal, a casa em que morava com a família ficou para a ex e os filhos. Decidi, então, morar de aluguel.

A lei só permitia que o proprietário retomasse o imóvel após cinco anos. Os reajustes eram anuais, sempre em índices menores do que a inflação, da qual eram expurgados vários itens.

Me valendo disso, só alugava casa de grandes proprietários (gente que tinha 20 ou 30 apartamentos), pois não queria prejudicar nenhuma viúva que dependesse daquele aluguel para viver. Seria despir um santo para vestir outro.

Certa ocasião, já vivendo com minha segunda mulher, aluguei um apartamento de quatro quartos na avenida Sernambetiba, na orla da Barra da Tijuca, aqui no Rio. O valor mensal equivalia a aproximadamente 90% do meu salário mais comissões.

Como tinha um banqueiro bem-sucedido (pleonasmo?) como avalista, não tive problemas em assinar o contrato.

Isso aconteceu em 1987, época em que a inflação mensal era de aproximadamente 20%, que foi a diminuição em termos reais de meu aluguel logo no segundo mês. Mais 20 no terceiro, e assim por diante.

Na data do reajuste anual, o valor não retornava ao pico de onde começara.

Ao longo dos meses e anos seguintes, o aluguel foi diminuindo até que se tornou ínfimo, algo como um hambúrguer, do mais simples, sem aquele monte de decks.

“Puxa vida, Ivan, você está pagando, por um quatro quartos e duas salas num condomínio de luxo na beira da praia, menos do que o morador de um barraco no complexo do Alemão”, chorou o advogado do proprietário, tentando cavar um reajuste.

“É a lei”, respondi. “Sou operador de mercado. Se há uma coisa que conheço, é velocidade de depreciação do dinheiro. Se vocês tivessem feito um contrato de boca, com valor dolarizado, e com o preço justo do aluguel, eu teria topado. Mas calcularam uma inflação e calculei outra.”

Pouco antes do lançamento do Plano Real, entreguei o apartamento e comprei este no qual moro até hoje.

A situação foi mudando. Hoje, se aplica em renda fixa ou variável, neste segundo caso indo para o risco.

Para início de conversa, o que jamais deve fazer é parcelar dívidas. Elas se acumulam e você se ferra.

O IPVA do estado do Rio, por exemplo, pode ser pago em três vezes. Só que, se pagar à vista, como fiz, o governo dá um desconto de 3%. Caramba, minhas aplicações em renda fixa não rendem isso. Optei por parcela única.

Já o IPTU do município do Rio de Janeiro permite o pagamento em dez parcelas. Só que, pra quem recolhe tudo no ato, como também foi a minha escolha, o desconto é de 7%.

Como recebo de várias fontes, tenho sempre imposto de renda a pagar, jamais devolução. A Receita Federal aceita parcelamento em oito vezes, com reajuste pela taxa Selic, mais 1% todo mês.

A não ser que tenha de fazer um empréstimo bancário para quitar o seu, opte pela cota única, como irei fazer, sacando de meu fundo de renda fixa.

Agora, o mais importante. Se você chega numa loja para comprar, por exemplo, um liquidificador, eles oferecem parcelar em dez vezes, no cartão de crédito. Sem juros.

Pague à vista. Caso contrário, vai acabar acumulando dívidas mensais que lhe retirarão a possibilidade de poupar todos os meses.

Eu, quase octogenário, arff, engulo diariamente 16 comprimidos de uso essencial e contínuo. Só um deles, o Xarelto, que inibe trombos e AVCs, custa mais de 200 reais a caixa com 28 cápsulas.

Quando chego no caixa da farmácia, a atendente pergunta: “Quer dividir em três vezes?”

“Tô fora!”

Se parcelar a arritmia, o diabetes, a hipertensão, vou criar uma bola de neve, da qual não sairei nunca mais. Minha conta mensal no cartão já vai abrir lotada todos os meses.

O primeiro dever de um poupador que pretende erigir um patrimônio em ações ou outros investimentos é não dever nada a ninguém, nem mesmo a juros zero.

Lembre-se: o governo, qualquer que seja ele, de esquerda, direita, centro, vai te trair um dia, se é que já não traiu, como aconteceu no caso de minha aposentadoria (assunto para outra edição da coluna).

Compre seu liquidificador à vista ou, se estiver a perigo, faça como sua bisavó: amasse a abóbora de sua sopa com um garfo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Confira as agendas de campanha de Lula e Bolsonaro nesta quarta-feira

5 de outubro de 2022 - 8:36

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Day trade na B3: Oportunidade de lucro acima de 4% com ações da Embraer (EMBR3); confira a recomendação

5 de outubro de 2022 - 8:22

Identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant – compra dos papéis da Embraer (EMBR3). Saiba os detalhes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O alívio durou pouco: A tensão dos mercados internacionais, o plano de voo da Azul, o 2º turno das eleições e as notícias que mexem com o seu bolso

5 de outubro de 2022 - 8:21

Por aqui, todo mundo está de olho nas primeiras pesquisas de intenção de voto do Datafolha e do Ipec com vistas ao segundo turno das eleições presidenciais.

DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Ibovespa acompanha corrida eleitoral enquanto bolsas no exterior realizam lucro antes da reunião da Opep+

5 de outubro de 2022 - 7:51

Os investidores aguardam os números de emprego nos Estados Unidos antes do payroll de sexta-feira

PLANO DE VOO

Azul (AZUL4) sonha com expansão em Congonhas, mas alta nos custos pode ser vilã no pós-pandemia

5 de outubro de 2022 - 6:45

Hoje, a Azul (AZUL4) já não sofre com problemas de oferta ou demanda, mas cotações do dólar e do petróleo afetam balanço da empresa afirma Alex Malfitani, co-fundador e CFO da companhia, em entrevista ao Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies