Menu
2020-07-31T23:38:04-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Fim de uma era?

O caso contra o dólar: o que pensam os fundos que apostam na queda da moeda

A aposta é que o dólar perca valor contra as moedas de países desenvolvidos, como o euro e o iene. O real brasileiro também deve ganhar força contra a moeda norte-americana, mas não agora

27 de julho de 2020
11:49 - atualizado às 23:38
Dólar fraco queda
Imagem: Shutterstock

A crise do coronavírus deve contribuir para fechar um ciclo que já dura mais de uma década: o do dólar forte. Ganha força no mercado (sem trocadilho) a tese de que a moeda norte-americana tende a se desvalorizar perante às outras divisas após o longo período em alta.

Essa já era uma tendência esperada, mas foi reforçada com a crise do coronavírus, que levou a uma impressão desmedida de dinheiro pelo Fed — o Banco Central dos Estados Unidos — para conter os efeitos das medidas de isolamento social na economia.

O movimento inclusive já começou. O Dollar Index (DXY), índice que compara o dólar contra uma cesta de moedas de países desenvolvidos, como o euro, a libra e o iene japonês, acumula uma queda de mais de 3% em julho e atingiu as mínimas no ano.

A moeda norte-americana também perdeu espaço recentemente contra as divisas de países emergentes como o Brasil. Mas calma: não é hora de sair vendendo os dólares que você usa como proteção contra viradas bruscas no mercado.

Cemitério de gestor

Eu conversei com gestores de fundos multimercados brasileiros, mas com atuação global, que estão vendidos do dólar para entender por que apostar contra a moeda agora.

A expectativa de que o dólar deve perder força não é nova. Historicamente, o comportamento da moeda norte-americana se dá em ciclos de alta e baixa.

O atual ciclo de valorização já é um dos mais longos e teve início durante a crise financeira de 2008. Mas o dólar só ganhou superpoderes mesmo a partir de 2014, em consequência da retirada dos estímulos monetários que o Fed — O Banco Central norte-americano — concedeu na crise.

Desde então, quem tentou apostar contra a divisa do país de Donald Trump só perdeu dinheiro.

“Estamos vendidos em dólar, mas humildemente reconhecemos que ir contra a moeda costuma ser cemitério de trader e gestor”, me disse Luiz Fabiano Gomes Godoi, sócio e diretor de investimentos da Kairós Capital.

Para evitar se juntar à sepultura dos gestores, Godoi afirmou que a posição contra o dólar é mais prudente e concentrada na compra de moedas de outros países desenvolvidos. “Evitamos moedas de emergentes pela questão da volatilidade.”

A crise do coronavírus e suas consequências devem decretar o fim do processo de alta do dólar, segundo Sérgio Zanini, sócio e gestor da Galápagos Capital. “Normalmente os ciclos da moeda culminam em uma crise.”

As novas medidas de estímulo adotadas pelo Fed para conter os efeitos da pandemia do coronavírus na economia — incluindo a injeção sem precedentes de recursos — devem contribuir para enfraquecer o dólar.

“Todos os países estão gastando dinheiro, mas o Fed gastou muito mais do que qualquer outro”, disse Zanini.

A postura mais protecionista adotada pelo governo de Donald Trump também deve ter um efeito negativo para a moeda, na visão do gestor. É por isso que, para ele, as eleições norte-americanas são o evento mais importante para o mercado agora — mais até do que o coronavírus.

Assim como a Kairós, a Galápagos concentra as apostas compradas em moedas como o euro, franco suíço e iene contra o dólar. Outro destaque na carteira de moedas da gestora é a coroa norueguesa.

A posição é baseada na atuação do BC do país nórdico, que vem vendendo dólares e comprando a própria moeda para financiar os programas de expansão fiscal.

Real e bitcoin

O sócio da Galápagos avalia, porém, que em uma segunda fase as moedas dos países emergentes também devem ganhar terreno contra o dólar. “Mas ainda não estamos nessa fase”, disse Zanini, que prefere ter posições em ações brasileiras do que no real, que neste ano leva uma verdadeira surra do dólar, com uma queda de quase 30% no ano.

Para o gestor, uma trajetória mais pessimista do dólar tende a favorecer também o ouro. Aliás, o metal precioso já acumula alta de 25% contra o dólar em 2020. E quem estiver ainda mais pessimista pode buscar refúgio inclusive em bitcoin.

Outro gestor com quem eu conversei me disse que, do ponto de vista de fundamentos, o real brasileiro está barato e vê o chamado câmbio de equilíbrio ao redor de R$ 4,80. Mas diante da altíssima volatilidade da moeda em meio à crise ele não aconselha assumir posições vendidas em dólar contra o real agora.

Eu também entendo que, do ponto de vista do seu portfólio pessoal, manter uma parcela de dólares continua importante neste momento. Não para ganhar dinheiro, mas como proteção, já que a moeda norte-americana é a primeira a reagir em momentos de piora nos mercados.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Otimismo

Mercado reage bem a prévias da Cyrela, consideradas ‘impressionantes’ e ‘excepcionais’ por analistas

Ontem, após o fechamento, a incorporadora informou alta de 46% no número de lançamentos e de 58% nas vendas do terceiro trimestre, em comparação ao mesmo período do ano passado

Ações em queda

O alçapão no fundo do poço: Cielo tem preço-alvo reduzido pelo Goldman Sachs

Analistas do banco norte-americano mantiveram a recomendação de venda e reduziram o preço-alvo das ações da Cielo (CIEL3) de R$ 3,70 para R$ 3,30

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Saúde

Ações da Qualicorp disparam com interesse da Rede D’Or em elevar participação

Maior acionista da Qualicorp, com participação de 12,95%, Rede D’Or entrou com pedido de autorização no Cade para adquirir mais ações da companhia na bolsa

Exile on Wall Street

IPOs: O princípio da contraindução — voltamos a comprar powerpoints?

Podemos nos atrair por casos de crescimento. Não há o menor problema nisso. Mas que haja alguma substância. E, acima de tudo, que cometamos erros novos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies