Menu
2020-02-04T17:04:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
mercados agora

Ibovespa pega carona no exterior e opera em alta; dólar vira e sobe a R$ 4,25

Nem mesmo os resultados mais fracos da produção industrial no país são capazes de desanimar os investidores nesta manhã

4 de fevereiro de 2020
10:31 - atualizado às 17:04
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa opera em alta nesta terça-feira (4), aproveitando o bom humor visto nos mercados externos. E nem mesmo os resultados mais fracos da produção industrial no país são capazes de desanimar os investidores.

Por volta de 17h00, o Ibovespa avançava 0,83%, aos 115.583,21 pontos, após tocar os 116.555,61 pontos na máxima (+1,68%). Por mais que o tom ainda seja bastante positivo, o mercado brasileiro fica para trás em relação às bolsas americanas, que sobem cerca de 2% hoje.

O mercado de câmbio teve momentos tranquilos no início da sessão, mas não conseguiu sustentar a calmaria: mais cedo, o dólar à vista chegou a cair 0,58%, a R$ 4,2246, mas acabou fechando em alta de 0,21%, a R$ 4,2583.

Os investidores mostram-se mais dispostos a assumir riscos na bolsa nesta terça-feira, em meio à estabilização das bolsas da China e à percepção de que o ritmo de disseminação do coronavírus tem diminuído.

Os mercados acionários chineses tiveram uma sessão menos agitada hoje e fecharam em alta, após recuarem cerca de 8% na segunda-feira. A atuação do governo de Pequim para evitar maiores turbulências, injetando recursos para garantir liquidez às negociações, foram bem vistas pelos agentes financeiros globais.

Quanto ao coronavirus, por mais que o número de infectados e mortos continue subindo, há a percepção de que o ritmo de disseminação da doença tem ficado mais lento, o que afasta parcialmente as preocupações quanto a uma possível pandemia.

Os dados mais atualizados dão conta de 427 mortos e pouco mais de 20 mil pessoas infectadas no mundo — um crescimento relativamente pequeno em relação aos 370 óbitos confirmados até ontem.

Cautela doméstica

Por aqui, a agenda de dados econômicos é repercutida pelos investidores e inspira alguma cautela quanto ao ritmo de recuperação da atividade doméstica. Nesta manhã, foi reportada a queda de 1,1% na produção industrial do país em 2019 – em dezembro, o indicador recuou 0,7% em relação ao mês anterior.

O resultado de dezembro ficou ligeiramente abaixo das expectativas do mercado e eleva a leitura de que a economia brasileira ainda está patinando, sem forças para engatar uma recuperação mais firme.

Essa percepção, no entanto, fortaleceu as apostas num corte de 0,25 ponto na Selic, de modo a estimular a economia — o Copom divulga amanhã, após o fechamento dos mercados, a nova taxa de juros do país. E, nesse cenário, os DIs fecharam em queda nesta terça-feira.

Veja abaixo como ficaram as curvas mais líquidas nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,32% para 4,29%;
  • Janeiro/2023: de 5,46% para 5,45%;
  • Janeiro/2025: de 6,15% para 6,11%;
  • Janeiro/2027: de 6,52% pára 6,47%.

Recuperação das commodities

O alívio visto na China também mexeu com o mercado de commodities: o minério de ferro negociado em Qingdao — cotação que serve como referência para os investidores — subiu 4,21%, recuperando boa parte das perdas da sessão anterior.

O petróleo exibe um tom igualmente positivo: o Brent para abril fechou em alta de 0,90%, enquanto o WTI para março avançou 1%. E, considerando esse ambiente mais benéfico, as ações de empresas exportadoras de commodities ganham força no Ibovespa.

É o caso dos papéis da Petrobras, tanto os ONs (PETR3) quanto os PNs (PETR4), que sobem 2,60% e 2,06%, respectivamente. No setor de mineração e siderurgia, Vale ON (VALE3) avança 2,89%, CSN ON (CSNA3) tem alta de 2,30%, Gerdau PN (GGBR4) exibe ganhos de 3,84% e Usiminas PNA (USIM5) valoriza 1,44%.

Gol em alta

Outro destaque positivo da sessão é Gol PN (GOLL4), subindo 3,35%. Mais cedo, a empresa brasileira anunciou um acordo de compartilhamento de voos com a American Airlines.

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

  • Cia Hering ON (HGTX3): +4,84%
  • Cogna ON (COGN3): +4,64%
  • MRV ON (MRVE3): +3,89%
  • B2W ON (BTOW3): +3,50%
  • Gol PN (GOLL4): +3,35%

Confira também as maiores quedas do índice:

  • Energias do Brasil ON (ENBR3): -1,87%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -1,78%
  • JBS ON (JBSS3): -1,71%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -1,46%
  • SulAmérica units (SULA11): -1,38%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

rearranjo no segmento

Dona da Farm negocia fusão com a Shoulder, de moda feminina

Empresas mantém conversa “em fase preliminar”, em um momento de rearranjo do segmento; Grupo Soma comprou recentemente a NV e a Lauf

Meme bilionário

O que está por trás da valorização de 500% do Dogecoin em uma semana?

O projeto levou várias pessoas a ficarem milionárias, mas pode fazer muita gente perder dinheiro daqui para frente

Chama o doutor

Após desconto em IPO, ações da Mater Dei estreiam em queda na B3

A situação atual do mercado e a fila de companhias de saúde prontas para abrirem o capital prejudica a rede de hospitais

mudanças na estatal

Conselho confirma general indicado por Bolsonaro para presidir Petrobras e novos diretores

Joaquim Silva e Luna assume o cargo então ocupado por Roberto Castello Branco Branco, demitido porque Bolsonaro estava insatisfeito com política de preços

Só a Vale salva

Tá difícil viver de renda: empresas cortaram R$ 38 bilhões em dividendos na pandemia

Muitas companhias optaram por distribuir menos dinheiro aos acionistas e preservar o caixa durante a crise econômica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies