Menu
2020-01-24T17:02:25-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
mercados agora

Ibovespa cede à realização de lucros e cai, pressionado pela tensão externa; dólar sobe a R$ 4,18

Depois de cravar um novo recorde na sessão passada, o Ibovespa opera em queda nesta sexta-feira, com os investidores optando por embolsar parte dos lucros recentes. Notícias referentes à disseminação do coronavírus nos EUA também trazem cautela ao mercado

24 de janeiro de 2020
10:47 - atualizado às 17:02
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa bem que tentou dar continuidade à sequência positiva dos últimos dias, mas, sem grandes fatores que justificassem mais uma alta, a bolsa acabou cedendo a um movimento de realização de lucros. Com isso, o índice opera em queda — e o noticiário referente ao coronavírus traz uma dose extra de prudência às operações.

No início da sessão, o Ibovespa até chegou a subir 0,05%, aos 119.593,10 pontos — uma nova máxima intradiária. A animação, contudo, durou pouco: o índice rapidamente virou ao campo negativo, aprofundando as perdas nesta tarde.

Por volta de 17h05, o Ibovespa operava em queda de 1,08%, aos 118.242,09 pontos, zerando os ganhos contabilizados na semana. Lá fora, o tom também é negativo: nos Estados Unidos, o Dow Jones (-0,82%), o S&P 500 (-1,14%) e o Nasdaq (-1,11%) viraram para o campo negativo depois do almoço.

Essa piora no humor dos investidores se deve à confirmação do segundo caso de pessoa infectada pelo coronavírus em território americano. E, segundo a imprensa do país, uma terceira ocorrência deve ser anunciada nas próximas horas.

Nesta sexta-feira, também foi confirmada a chegada do vírus à Europa, com dois casos confirmados na França. Nesse cenário, a cautela voltou a tomar conta das bolsas de Nova York, levando o Ibovespa de carona.

Vale lembrar que, ontem, o índice brasileiro destoou dos mercados globais, fechou em alta e cravou um novo recorde — e, hoje, os agentes financeiros preferem embolsar parte dos lucros, ainda mais considerando a apreensão com as novidades sobre o coronavírus.

Fatores domésticos

No cenário local, os investidores monitoram os efeitos do discurso do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que esteve nesta manhã em um evento em São Paulo. Ele afirmou que os efeitos de inflação implícita de 3,5% não o incomodam e comentou que ninguém faz política monetária olhando apenas um único IPCA, ao falar especificamente sobre o IPCA-15.

O posicionamento de Campos Neto foi entendido como um sinal de que o BC não descarta um novo corte na Selic na reunião de fevereiro, desencadeando um leve movimento de queda nas curvas de juros. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta sexta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,36% para 4,35%;
  • Janeiro/2023: de 5,57% para 5,56%;
  • Janeiro;2025: de 6,32% para 6,30%;
  • Janeiro/227: de 6,71% para 6,68%.

A indicação do presidente do BC, somada aos temores em relação ao coronavírus, deram força ao dólar à vista: a moeda americana fechou em alta de 0,43%, a R$ 4,1845, devolvendo o alívio visto ontem — na semana, a divisa americana acumulou ganho de 0,48%.

Na agenda econômica, o mercado digere os novos dados do mercado de trabalho para digerir. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em dezembro o saldo foi negativo em 307.311 postos — dentro do esperado pelos analistas. No ano, o país criou 644 mil empregos formais, o melhor resultado em seis anos.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Weg ON (WEGE3): +3,58%
  • Ambev ON (ABEV3): +1,50%
  • Cia Hering ON (HGTX3): +1,19%
  • Cosan ON (CSAN3): +0,64%
  • Cogna ON (COGN3): +0,51%

Confira também as maiores baixas do índice:

  • CSN ON (CSNA3): -4,71%
  • Gol PN (GOLL4): −3,66%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): -3,30%
  • BRF ON (BRFS3): -3,16%
  • Iguatemi ON (IGTA3): -3,10%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fabricante de aviões trilha novo caminho: Boing aposta no MAX

Fabricante de aviões trilha novo caminho após acidentes; como executivos aprenderam a trabalhar sem viajar, setor aéreo deve sofrer.

ranking

Os títulos públicos mais rentáveis do 1º semestre; indicações do Seu Dinheiro estiveram entre eles

Em março, levantamos a bola para uma oportunidade aberta no Tesouro Direto com a alta dos juros no mês, e alguns dos títulos indicados ficaram entre os mais rentáveis do semestre. Confira a lista completa dos melhores e piores títulos públicos do ano até agora

Recuperação mais lenta

Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

“É provável que a taxa de desemprego continue alta, mas não por uma piora do mercado de trabalho, e sim pela melhora da percepção das pessoas sobre o ambiente para procurar emprego”, diz diretor da instituição

Sem pessoa física

Modelo de abertura de capital da Aura Minerals pode ser replicado

Modelo de esforços restritos, inaugurado no Brasil pela companhia produtora de ouro, só permite a entrada de fundos na abertura de capital

Conselho da Cosan aprova reorganização societária com holding única

A partir da consolidação da nova estrutura, os acionistas da própria Cosan, da CZZ e da Cosan Log vão passar a deter ações da holding, que continuará sendo controlada pela Aguassanta, veículo de investimento da família de Rubens Ometto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements