Menu
2020-04-22T16:26:26-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pressão no câmbio

Cautela com o petróleo e possível corte na Selic levam dólar a R$ 5,41; Ibovespa sobe

O dólar à vista renova as máximas intradiárias em meio às incertezas geradas pela instabilidade no petróleo e à deterioração do cenário político doméstico. O Ibovespa opera em alta

22 de abril de 2020
10:45 - atualizado às 16:26
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados brasileiros voltam a operar nesta quarta-feira (22), após permanecerem fechados ontem por causa do feriado do Dia de Tiradentes. E, considerando o turbilhão visto no exterior por causa do novo colapso do petróleo, a reabertura das negociações por aqui é nervosa, especialmente para o dólar à vista.

Por volta de 16h20, a moeda americana operava em alta de 1,94%, a R$ 5,4107 — o dólar à vista nunca tinha superado a marca de R$ 5,32. O mercado doméstico de câmbio vai na contramão do exterior, já que a divisa exibe um comportamento estável em relação a maior parte dos ativos de países emergentes.

Na bolsa, a situação é mais amena: o Ibovespa opera em alta de 2,22%, aos 80.725,88 pontos — no mercado acionário, o índice brasileiro pega carona na tendência global, já que as praças da Europa e dos EUA têm ganhos firmes.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica dos mercados nesta quarta-feira. Veja abaixo:

O comportamento do Ibovespa chama a atenção, uma vez que ontem, enquanto os mercados brasileiros estavam fechados por causa do feriado, tivemos um dia de perdas em bloco nas bolsas globais. Apesar disso, o índice brasileiro vai ignorando a necessidade de ajustes.

O pano de fundo para a instabilidade vista no exterior na terça-feira é a forte incerteza vista no mercado de petróleo desde o começo da semana: em meio à demanda quase nula pela commodity por causa da crise do coronavírus, os contratos do WTI e do Brent sofreram uma nova onda de desvalorização massiva nos últimos dias.

Nesta quarta-feira, o tom é de recuperação no petróleo: o WTI para junho dispara 21,61%, a US$ 14,07, enquanto o Brent para junho tem alta de 7,50%, a US$ 20,78 — apesar da recuperação, os níveis de preço ainda estão bastante baixos, o que não alivia a situação para as petroleiras.

Em parte, esse alívio visto na commodity se deve a uma declaração do presidente dos EUA, Donald Trump. Via Twitter, ele disse ter instruído a marinha do país a 'atirar e destruir qualquer embarcação iraniana' em caso de ameça aos navios americanos — boa parte dos estoques de petróleo dos Estados Unidos é feita em cargueiros em alto mar.

A recuperação do petróleo é acompanhada pelo tom mais positivo dos mercados globais: na Europa, as principais praças sobem mais de 1% e, nos Estados Unidos, o Dow Jones (+2,35%), o S&P 500 (+2,66%) e o Nasdaq (+3,12%) também sobem, revertendo parte das perdas da semana.

Por aqui, contudo, o impulso positivo vindo do exterior é diluído pelos ajustes do feriado e pela cautela em relação ao petróleo — por mais que a commodity se recupere, as ações da Petrobras exibem ganhos moderados nesta manhã: as PNs (PETR4) sobem 3,51%, enquanto as ONs (PETR3) têm alta de 2,96%.

Corte na Selic = dólar em alta

A perspectiva de novos cortes na taxa Selic também coopera para o salto na moeda americana — juros menores diminuiriam o diferencial em relação às taxas dos EUA, o que reduziria a atratividade dos investimentos no país.

E, de fato, o dia é de forte correção negativa no mercado de juros futuros — sinais do BC quanto a possíveis novas baixas na Selic aumentam a percepção de que o ciclo de cortes na taxa básica continuará:

  • Janeiro/2021: de 2,83% para 2,65%;
  • Janeiro/2023: de 4,37% para 4,21%;
  • Janeiro/2025: de 5,96% para 5,84%.

No front local, os investidores continuam acompanhando de perto as movimentações em Brasília: o clima no cenário político é de profunda deterioração, especialmente após o presidente Jair Bolsonaro ter participado de atos anti-democracia no fim de semana.

Nesse ambiente belicoso, há duas grandes preocupações por parte do mercado: em primeiro lugar, há o temor de uma descoordenação ainda maior nos esforços para combate ao surto de coronavírus, tanto do ponto de vista da saúde pública quanto da economia.

Em segundo, há a percepção de que qualquer pauta defendida pelo governo encontrará oposição ferrenha no Congresso, o que põe em risco a retomada da agenda de reformas econômicas no pós-crise e pode favorecer o avanço de eventuais 'pautas-bomba' na Câmara e no Senado.

Tal cenário acaba trazendo pressão extra ao câmbio, que já busca novos recordes — o que aumenta a pressão sobre o Banco Central e possíveis atuações para conter o avanço descontrolado do dólar à vista.

A autoridade monetária até realizou um leilão de swap no meio da tarde, oferecendo até 10 mil contratos (US$ 500 milhões). No entanto, a oferta não foi integralmente absorvida pelo mercado e pouco contribuiu para trazer alívio à cotação do dólar.

Top 5

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta quarta-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BTOW3B2W ON76,64 18,53%
VVAR3Via Varejo ON7,43 12,75%
PCAR3GPA ON71,31 9,71%
LAME4Lojas Americanas PN25,03 8,78%
MRFG3Marfrig ON10,38 8,46%

Confira também as maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
IRBR3IRB ON11,14 -6,62%
EMBR3Embraer ON8,92 -3,04%
AZUL4Azul PN16,31 -2,22%
SANB11Santander Brasil units25,42 -2,04%
GNDI3NotreDame Intermédica ON56,75 -1,37%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

rodovias estaduais

BNDES aprova R$ 3 bi para lote PiPa, maior concessão rodoviária do País

Banco de fomento informou que o empréstimo cobrirá 58% do total de investimentos previstos nos sete primeiros anos de concessão

Fechamento

De novo ele! Risco fiscal não dá trégua e Ibovespa tem queda firme; dólar sobe a R$ 5,36

Lá fora, o dia foi misto, com os investidores pesando o entusiasmo com Biden e a cautela com a situação econômica na Europa

na justiça

Última audiência de mediação com a Vale no caso Brumadinho termina sem acordo

Segundo o TJMG, mineradora propôs um valor da ordem de R$ 29 bilhões em indenização por danos materiais e morais, abaixo do pedido pelo governo e instituições

esg

Nestlé diz que aumentará esforço de sustentabilidade para marca Nescafé

Expectativa da companhia é de que, em 2025, a Nescafé tenha 100% de seu café com origem responsável, podendo ser rastreado até um grupo de produtores identificados

ONDE INVESTIR EM 2021

LIVE: Como aproveitar o governo Biden para lucrar nos EUA

João Piccioni, analista da Empiricus especializado em investimentos no exterior, bate um papo com Ana Luísa Westphalen sobre oportunidades que se abrem para o investidor brasileiro no exterior.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies