Menu
2020-04-07T16:40:25-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mais uma disparada

Ibovespa desacelera, acompanhando o movimento em Nova York; dólar cai a R$ 5,22

O Ibovespa chegou a encostar nos 80 mil pontos, ainda aproveitando o otimismo dos investidores com a estabilização nas curvas de contágio do coronavírus na Europa e nos EUA. Por aqui, a permanência de Luiz Henrique Mandetta no comando do ministério da Saúde também agrada os investidores

7 de abril de 2020
10:35 - atualizado às 16:40
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados globais continuam exibindo um tom mais relaxado nesta terça-feira (7), dando sequência ao alívio visto ontem. O Ibovespa e as bolsas mundiais operam em alta, enquanto o dólar à vista volta a aparecer no campo negativo.

Por volta de 16h40, o índice brasileiro avançava 3,63%, aos 76.759,42 pontos, mas chegou a bater os 79.855,48 pontos na máxima (+7,81%). A perda de força ocorreu em paralelo ao movimento visto nos Estados Unidos: por lá, o Dow Jones (+0,49%), o S&P 500 (+0,56%) e o Nasdaq (+0,22%) também se afastaram das máximas.

No câmbio, o dólar à vista operava em queda de 1,35%, a R$ 5,2214 — lá fora, o dia é de desvalorização da moeda americana em relação às demais divisas de países emergentes.

  • Eu gravei um vídeo para explicar melhor a dinâmica da sessão desta terça-feira. Veja abaixo:

Em linhas gerais, a dinâmica dos mercados permanece a mesma desde o início da semana, com os investidores reagindo positivamente à tendência de estabilização nas curvas de contágio do surto de coronavírus na Europa e nos Estados Unidos.

Por mais que a doença continue se espalhando pelo mundo — dados da universidade americana Johns Hopkins indicam que mais de 1,36 milhão de pessoas no mundo já foram infectadas, com 76 mil mortos —, a percepção de que a fase mais crítica do surto possa ter ficado para trás na Itália, Espanha e na região de Nova York é suficiente para melhorar o humor dos investidores.

A notícia de que, pela primeira vez desde janeiro, a China passou 24 horas sem registrar mortes pela Covid-19, somada à expectativa quanto a novos pacotes de auxílio econômico por parte do governo americano, também contribuem para dar sustentação aos mercados nesta manhã.

Dia do fico

No Brasil, os investidores também mostram-se aliviados com a permanência de Luiz Henrique Mandetta no comando no ministério da Saúde — ontem, notícias quanto a uma possível demissão do ministro trouxeram instabilidade aos mercados domésticos.

Mandetta, defensor das políticas de isolamento, tem entrado em conflito com o presidente Jair Bolsonaro. O ministro, contudo, conta com o apoio de grande parte de Brasília e tem amplo respaldo popular, fatores que, aparentemente, acabaram pesando a favor de sua permanência.

Fato é que, passada a turbulência de ontem, o mercado agora espera que os ânimos se acalmem em Brasília — o ambiente de conflito explícito aumentava as incertezas quanto às diretrizes do governo em meio à crise do coronavírus, tanto no front da saúde pública quanto no da economia.

Alívio econômico

No front da agenda de dados econômicos, destaque para o avanço de 1,2% nas vendas do varejo em fevereiro, após queda de 1,4% em janeiro — um resultado que superou as expectativas dos analistas. Por mais que o indicador não englobe os efeitos do coronavírus, ele traz informações mais animadoras em relação à saúde da economia brasileira pré-crise.

Em relatório, o Goldman Sachs pondera que os dados do segmento varejista devem ser fortemente impactados pela quarentena desencadeada pelo Covid-19, mas que, ao menos, os números de fevereiro foram encorajadores.

Nesse sentido, as ações de empresas do setor, como B2W ON (BTOW3), Lojas Americanas PN (LAME4) e Magazine Luiza ON (MGLU3) aparecem entre os destaques positivos do dia — as duas primeiras também são impulsionadas pela notícia de que ambas vão iniciar de um plano para manter forte posição de caixa durante a crise do coronavírus.

Juros em baixa

No mercado de juros futuros, o tom continua negativo: por mais que os dados das vendas no varejo tenham mostrado que a economia estava mais aquecida em fevereiro, a perspectiva é de forte desaceleração no nível de atividade a partir de março.

Sendo assim, os investidores mostram-se convencidos de que a Selic deverá continuar caindo, de modo a fornecer estímulo extra à economia — e que as taxas permanecerão em níveis mais baixos por um período prolongado.

Veja abaixo como estão os DIs mais líquidos nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 3,27% para 3,21%;
  • Janeiro/2022: de 4,13% para 4,06%;
  • Janeiro/2023: de 5,49% para 5,36%;
  • Janeiro/2025: de 7,07% para 6,98%.

Top 5

Confira quais são as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta tarde:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRDT3BR Distribuidora ON18,44 +15,97%
YDUQ3Yduqs ON25,61 +15,31%
HAPV3Hapvida ON48,82 +13,53%
CVCB3CVC ON11,60 +12,29%
GNDI3NotreDame Intermédica ON48,84 +11,99%

Saiba também quais são as maiores baixas do dia:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
SUZB3Suzano ON37,25 -6,92%
KLBN11Klabin units15,53 -5,82%
RAIL3Rumo ON19,60 -5,59%
JBSS3JBS ON20,20 -4,22%
MRFG3Marfrig ON8,93 -4,18%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Como vai ser?

Decisão sobre ICMS vai destravar ações, dizem especialistas

Cobrança continuará até que Receita seja autorizada a alterar sistema

Efeitos da reestruturação

CEO da Cogna afirma que ajustes feitos em 2020 já mostram primeiros resultados

Rodrigo Galindo cita margem Ebitda recorrente e prazo médio de recebimento de alunos pagantes como efeitos positivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies