Menu
2020-04-07T16:40:25-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mais uma disparada

Ibovespa desacelera, acompanhando o movimento em Nova York; dólar cai a R$ 5,22

O Ibovespa chegou a encostar nos 80 mil pontos, ainda aproveitando o otimismo dos investidores com a estabilização nas curvas de contágio do coronavírus na Europa e nos EUA. Por aqui, a permanência de Luiz Henrique Mandetta no comando do ministério da Saúde também agrada os investidores

7 de abril de 2020
10:35 - atualizado às 16:40
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados globais continuam exibindo um tom mais relaxado nesta terça-feira (7), dando sequência ao alívio visto ontem. O Ibovespa e as bolsas mundiais operam em alta, enquanto o dólar à vista volta a aparecer no campo negativo.

Por volta de 16h40, o índice brasileiro avançava 3,63%, aos 76.759,42 pontos, mas chegou a bater os 79.855,48 pontos na máxima (+7,81%). A perda de força ocorreu em paralelo ao movimento visto nos Estados Unidos: por lá, o Dow Jones (+0,49%), o S&P 500 (+0,56%) e o Nasdaq (+0,22%) também se afastaram das máximas.

No câmbio, o dólar à vista operava em queda de 1,35%, a R$ 5,2214 — lá fora, o dia é de desvalorização da moeda americana em relação às demais divisas de países emergentes.

  • Eu gravei um vídeo para explicar melhor a dinâmica da sessão desta terça-feira. Veja abaixo:

Em linhas gerais, a dinâmica dos mercados permanece a mesma desde o início da semana, com os investidores reagindo positivamente à tendência de estabilização nas curvas de contágio do surto de coronavírus na Europa e nos Estados Unidos.

Por mais que a doença continue se espalhando pelo mundo — dados da universidade americana Johns Hopkins indicam que mais de 1,36 milhão de pessoas no mundo já foram infectadas, com 76 mil mortos —, a percepção de que a fase mais crítica do surto possa ter ficado para trás na Itália, Espanha e na região de Nova York é suficiente para melhorar o humor dos investidores.

A notícia de que, pela primeira vez desde janeiro, a China passou 24 horas sem registrar mortes pela Covid-19, somada à expectativa quanto a novos pacotes de auxílio econômico por parte do governo americano, também contribuem para dar sustentação aos mercados nesta manhã.

Dia do fico

No Brasil, os investidores também mostram-se aliviados com a permanência de Luiz Henrique Mandetta no comando no ministério da Saúde — ontem, notícias quanto a uma possível demissão do ministro trouxeram instabilidade aos mercados domésticos.

Mandetta, defensor das políticas de isolamento, tem entrado em conflito com o presidente Jair Bolsonaro. O ministro, contudo, conta com o apoio de grande parte de Brasília e tem amplo respaldo popular, fatores que, aparentemente, acabaram pesando a favor de sua permanência.

Fato é que, passada a turbulência de ontem, o mercado agora espera que os ânimos se acalmem em Brasília — o ambiente de conflito explícito aumentava as incertezas quanto às diretrizes do governo em meio à crise do coronavírus, tanto no front da saúde pública quanto no da economia.

Alívio econômico

No front da agenda de dados econômicos, destaque para o avanço de 1,2% nas vendas do varejo em fevereiro, após queda de 1,4% em janeiro — um resultado que superou as expectativas dos analistas. Por mais que o indicador não englobe os efeitos do coronavírus, ele traz informações mais animadoras em relação à saúde da economia brasileira pré-crise.

Em relatório, o Goldman Sachs pondera que os dados do segmento varejista devem ser fortemente impactados pela quarentena desencadeada pelo Covid-19, mas que, ao menos, os números de fevereiro foram encorajadores.

Nesse sentido, as ações de empresas do setor, como B2W ON (BTOW3), Lojas Americanas PN (LAME4) e Magazine Luiza ON (MGLU3) aparecem entre os destaques positivos do dia — as duas primeiras também são impulsionadas pela notícia de que ambas vão iniciar de um plano para manter forte posição de caixa durante a crise do coronavírus.

Juros em baixa

No mercado de juros futuros, o tom continua negativo: por mais que os dados das vendas no varejo tenham mostrado que a economia estava mais aquecida em fevereiro, a perspectiva é de forte desaceleração no nível de atividade a partir de março.

Sendo assim, os investidores mostram-se convencidos de que a Selic deverá continuar caindo, de modo a fornecer estímulo extra à economia — e que as taxas permanecerão em níveis mais baixos por um período prolongado.

Veja abaixo como estão os DIs mais líquidos nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 3,27% para 3,21%;
  • Janeiro/2022: de 4,13% para 4,06%;
  • Janeiro/2023: de 5,49% para 5,36%;
  • Janeiro/2025: de 7,07% para 6,98%.

Top 5

Confira quais são as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta tarde:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRDT3BR Distribuidora ON18,44 +15,97%
YDUQ3Yduqs ON25,61 +15,31%
HAPV3Hapvida ON48,82 +13,53%
CVCB3CVC ON11,60 +12,29%
GNDI3NotreDame Intermédica ON48,84 +11,99%

Saiba também quais são as maiores baixas do dia:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
SUZB3Suzano ON37,25 -6,92%
KLBN11Klabin units15,53 -5,82%
RAIL3Rumo ON19,60 -5,59%
JBSS3JBS ON20,20 -4,22%
MRFG3Marfrig ON8,93 -4,18%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

espaço para mais ganhos

Credit Suisse vê Totvs protegida contra inflação e aponta impulso com PIB

Analistas do banco lembram que empresa repassa a alta dos preços para os contratos anuais; papéis TOTS3 já subiram mais de 80% no último ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies