Menu
2020-05-12T18:14:43-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Estresse nos mercados

Tensão em Brasília leva o dólar a um novo recorde; Ibovespa fecha na mínima do dia

Notícias quanto ao conteúdo ‘bombástico’ da reunião ministerial do último da 22 aumentaram a aversão ao risco e levaram o dólar a R$ 5,86

12 de maio de 2020
18:12 - atualizado às 18:14
Dólar
Imagem: Shutterstock

Durante a primeira metade da sessão desta terça-feira (12), os mercados brasileiros exibiam um tom estranhamente calmo: o Ibovespa mantinha-se em alta e o dólar à vista recuava — ok, o clima lá fora era relativamente tranquilo, mas, aqui dentro, havia nervosismo de sobra.

Afinal, o coronavírus continuava avançando em ritmo preocupante no país, a atividade no setor de serviços teve a maior baixa mensal da série histórica e o cenário político seguia bastante tumultuado — um panorama que não combinava com o otimismo visto nos mercados domésticos.

A impressão que dava era a de que esse alívio não resistiria ao menor sinal de turbulência — e, no vídeo abaixo, eu disse que não seria surpreendente ver uma virada nos mercados antes do fechamento, considerando a fragilidade do cenário político.

Dito e feito: assim que começaram a circular as primeiras notícias referentes ao vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, tivemos uma reviravolta na bolsa e no câmbio.

O dólar à vista, que chegou a tocar os R$ 5,7430 mais cedo (-1,33%), passou a enfrentar pressão intensa, fechando a sessão em alta de 0,82%, a R$ 5,8686 — um novo recorde nominal de encerramento para a moeda americana. Desde o começo do ano, o salto da divisa já chega a 46,28%.

No mercado de ações, o Ibovespa perdeu força durante a tarde e fechou o pregão nas mínimas do dia: queda de 1,51%, aos 77.871,95 pontos — mais cedo, o índice bateu os 80.344,03 pontos (+1,62%).

Sem dúvidas, o exterior teve algum papel nessa virada do Ibovespa e do dólar: lá fora, o noticiário também foi intenso durante a tarde e aumentou a aversão ao risco por parte dos investidores. Tanto é que, nos EUA, o Dow Jones (-1,89%), o S&P 500 (-2,05%) e o Nasdaq (-2,06%) também fecharam em baixa, após iniciarem o dia no campo positivo.

Mas quem realmente dominou as mesas de operação nesta terça-feira foi o cenário político doméstico — e o tom é de cautela elevada entre os agentes financeiros locais.

Moro x Bolsonaro

Por volta de 14h30, começaram a surgir as primeiras notícias quanto ao conteúdo do vídeo da reunião — e os adjetivos iam todos na mesma linha: 'bombástico', 'devastador' e 'comprometedor' foram alguns dos mais usados.

Diversos veículos de imprensa relataram que, entre outros pontos, Bolsonaro teria pedido a Moro — então ministro da Justiça — a troca da superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro com o objetivo de blindar sua família.

Caso o desejo não fosse atendido, o presidente teria ameaçado demitir Moro e trocar o diretor-geral da PF — o que fica em linha com as justificativas dadas pelo ex-juiz federal para deixar o governo.

Os relatos a respeito do vídeo da reunião ministerial aumentaram a aversão ao risco no mercado: como a íntegra do conteúdo ainda não foi divulgada, restou aos investidores trabalhar com cenários hipotéticos — e tudo leva a crer que o panorama em Brasília ficará ainda mais deteriorado a partir de agora.

E, nesse cenário cheio de dúvidas, a reação natural foi a de assumir uma posição defensiva, aumentando a demanda por dólares e diminuindo as posições em bolsa.

Dúvidas no exterior

Lá fora, o dia começou mais ameno: a China anunciou que irá aumentar a lista de produtos dos EUA que estarão isentos de sobretaxações, colocando panos quentes nas recentes tensões comerciais entre os países.

Num primeiro momento, a medida se sobrepôs às ameças e declarações mais fortes do presidente dos EUA, Donald Trump, que tem culpado a China pela pandemia de coronavírus — e usado esse discurso para tentar descumprir os acordos comerciais firmados no ano passado.

Mas, durante a tarde, a cautela voltou a pesar sobre os investidores globais: um projeto de lei que dá a Trump o poder de impor sanções à China caso o país não coopere com as investigações a respeito da Covid-19 foi apresentado ao Congresso americano.

Além disso, voltaram a aumentar as preocupações quanto a uma reabertura apressada da economia dos EUA, ainda mais considerando a possível segunda onda de casos na China e na Ásia.

Assim, as bolsas americanas viraram para queda, o que contribuiu para pressionar ainda mais o Ibovespa e elevar a aversão ao risco entre os agentes financeiros domésticos.

Ajustes nos juros

No mercado de juros futuros, os investidores reagiram ao conteúdo da ata da última reunião do Copom: entre outros pontos, a autoridade monetária projeta uma queda forte do PIB no primeiro semestre e voltou a reforçar a possibilidade de um novo corte de 0,75 ponto na Selic na reunião de junho.

Dada a ausência de grandes novidades no documento, as curvas de juros passaram a repercutir o noticiário político mais turbulento — e, como resultado, os DIs fecharam em alta firme, tanto na ponta curta quanto na longa:

  • Janeiro/2021: de 2,47% para 2,61%;
  • Janeiro/2022: de 3,27% para 3,50%;
  • Janeiro/2023: de 4,46% para 4,73%;
  • Janeiro/2025: de 6,43% para 6,69%;
  • Janeiro/2027: de 7,49% para 7,79%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BEEF3Minerva ON14,40+7,06%
IRBR3IRB ON8,04+4,42%
MRFG3Marfrig ON14,27+3,78%
BRAP4Bradespar PN32,97+3,22%
HAPV3Hapvida ON50,91+3,22%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRKM5Braskem PNA20,47-7,29%
NTCO3Natura ON32,05-6,15%
ELET6Eletrobras PNB23,25-5,87%
EMBR3Embraer ON6,78-5,70%
SANB11Santander Brasil units23,24-5,18%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies