Menu
2020-05-12T18:14:43-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Estresse nos mercados

Tensão em Brasília leva o dólar a um novo recorde; Ibovespa fecha na mínima do dia

Notícias quanto ao conteúdo ‘bombástico’ da reunião ministerial do último da 22 aumentaram a aversão ao risco e levaram o dólar a R$ 5,86

12 de maio de 2020
18:12 - atualizado às 18:14
Dólar
Imagem: Shutterstock

Durante a primeira metade da sessão desta terça-feira (12), os mercados brasileiros exibiam um tom estranhamente calmo: o Ibovespa mantinha-se em alta e o dólar à vista recuava — ok, o clima lá fora era relativamente tranquilo, mas, aqui dentro, havia nervosismo de sobra.

Afinal, o coronavírus continuava avançando em ritmo preocupante no país, a atividade no setor de serviços teve a maior baixa mensal da série histórica e o cenário político seguia bastante tumultuado — um panorama que não combinava com o otimismo visto nos mercados domésticos.

A impressão que dava era a de que esse alívio não resistiria ao menor sinal de turbulência — e, no vídeo abaixo, eu disse que não seria surpreendente ver uma virada nos mercados antes do fechamento, considerando a fragilidade do cenário político.

Dito e feito: assim que começaram a circular as primeiras notícias referentes ao vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, tivemos uma reviravolta na bolsa e no câmbio.

O dólar à vista, que chegou a tocar os R$ 5,7430 mais cedo (-1,33%), passou a enfrentar pressão intensa, fechando a sessão em alta de 0,82%, a R$ 5,8686 — um novo recorde nominal de encerramento para a moeda americana. Desde o começo do ano, o salto da divisa já chega a 46,28%.

No mercado de ações, o Ibovespa perdeu força durante a tarde e fechou o pregão nas mínimas do dia: queda de 1,51%, aos 77.871,95 pontos — mais cedo, o índice bateu os 80.344,03 pontos (+1,62%).

Sem dúvidas, o exterior teve algum papel nessa virada do Ibovespa e do dólar: lá fora, o noticiário também foi intenso durante a tarde e aumentou a aversão ao risco por parte dos investidores. Tanto é que, nos EUA, o Dow Jones (-1,89%), o S&P 500 (-2,05%) e o Nasdaq (-2,06%) também fecharam em baixa, após iniciarem o dia no campo positivo.

Mas quem realmente dominou as mesas de operação nesta terça-feira foi o cenário político doméstico — e o tom é de cautela elevada entre os agentes financeiros locais.

Moro x Bolsonaro

Por volta de 14h30, começaram a surgir as primeiras notícias quanto ao conteúdo do vídeo da reunião — e os adjetivos iam todos na mesma linha: 'bombástico', 'devastador' e 'comprometedor' foram alguns dos mais usados.

Diversos veículos de imprensa relataram que, entre outros pontos, Bolsonaro teria pedido a Moro — então ministro da Justiça — a troca da superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro com o objetivo de blindar sua família.

Caso o desejo não fosse atendido, o presidente teria ameaçado demitir Moro e trocar o diretor-geral da PF — o que fica em linha com as justificativas dadas pelo ex-juiz federal para deixar o governo.

Os relatos a respeito do vídeo da reunião ministerial aumentaram a aversão ao risco no mercado: como a íntegra do conteúdo ainda não foi divulgada, restou aos investidores trabalhar com cenários hipotéticos — e tudo leva a crer que o panorama em Brasília ficará ainda mais deteriorado a partir de agora.

E, nesse cenário cheio de dúvidas, a reação natural foi a de assumir uma posição defensiva, aumentando a demanda por dólares e diminuindo as posições em bolsa.

Dúvidas no exterior

Lá fora, o dia começou mais ameno: a China anunciou que irá aumentar a lista de produtos dos EUA que estarão isentos de sobretaxações, colocando panos quentes nas recentes tensões comerciais entre os países.

Num primeiro momento, a medida se sobrepôs às ameças e declarações mais fortes do presidente dos EUA, Donald Trump, que tem culpado a China pela pandemia de coronavírus — e usado esse discurso para tentar descumprir os acordos comerciais firmados no ano passado.

Mas, durante a tarde, a cautela voltou a pesar sobre os investidores globais: um projeto de lei que dá a Trump o poder de impor sanções à China caso o país não coopere com as investigações a respeito da Covid-19 foi apresentado ao Congresso americano.

Além disso, voltaram a aumentar as preocupações quanto a uma reabertura apressada da economia dos EUA, ainda mais considerando a possível segunda onda de casos na China e na Ásia.

Assim, as bolsas americanas viraram para queda, o que contribuiu para pressionar ainda mais o Ibovespa e elevar a aversão ao risco entre os agentes financeiros domésticos.

Ajustes nos juros

No mercado de juros futuros, os investidores reagiram ao conteúdo da ata da última reunião do Copom: entre outros pontos, a autoridade monetária projeta uma queda forte do PIB no primeiro semestre e voltou a reforçar a possibilidade de um novo corte de 0,75 ponto na Selic na reunião de junho.

Dada a ausência de grandes novidades no documento, as curvas de juros passaram a repercutir o noticiário político mais turbulento — e, como resultado, os DIs fecharam em alta firme, tanto na ponta curta quanto na longa:

  • Janeiro/2021: de 2,47% para 2,61%;
  • Janeiro/2022: de 3,27% para 3,50%;
  • Janeiro/2023: de 4,46% para 4,73%;
  • Janeiro/2025: de 6,43% para 6,69%;
  • Janeiro/2027: de 7,49% para 7,79%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BEEF3Minerva ON14,40+7,06%
IRBR3IRB ON8,04+4,42%
MRFG3Marfrig ON14,27+3,78%
BRAP4Bradespar PN32,97+3,22%
HAPV3Hapvida ON50,91+3,22%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRKM5Braskem PNA20,47-7,29%
NTCO3Natura ON32,05-6,15%
ELET6Eletrobras PNB23,25-5,87%
EMBR3Embraer ON6,78-5,70%
SANB11Santander Brasil units23,24-5,18%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Mudança nos juros

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou na decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 3,5% ao ano

CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

DIA DE DECISÃO

Copom eleva Selic para 3,5% ao ano e indica aumento semelhante na próxima reunião

Essa é a segunda alta consecutiva da Selic em 0,75 ponto percentual — no começo do ano, a taxa de juros estava nas mínimas históricas, em 2% ao ano

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

um viral que vale US$ 90 bi

Confira os 5 fatos que estão fazendo o Dogecoin subir (de novo) e passar a valer mais que a Petrobras

Valendo US$ 0,68 por unidade, o DOGE ficou próximo dos US$ 90 bilhões em valor de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies