Menu
2020-04-01T17:54:17-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

1 de abril de 2020
17:23 - atualizado às 17:54
Dólar
Imagem: Shutterstock

Em primeiro de abril de 2019, o dólar à vista era negociado na faixa de R$ 3,87. Um ano depois, a moeda americana chegou aos R$ 5,26 — e isso não é brincadeira do dia da mentira.

Pois é: a divisa fechou a sessão desta quarta-feira (1) em alta de 1,27%, a R$ 5,2628, cravando um novo recorde nominal de encerramento — foi a primeira vez que o dólar à vista terminou acima do nível de R$ 5,20.

Desde o começo de 2020, o dólar à vista já acumula uma valorização de 31,18% em relação ao real; na comparação com o primeiro de abril do ano passado, o salto é de quase 36%.

O ano tem sido bastante carregado no câmbio, com uma enxurrada de fatores pressionando o dólar. A crise entre EUA e Irã no Oriente Médio, o surto global de coronavírus, a guerra de preços do petróleo — tudo conspira para que os investidores adotem uma postura mais defensiva, buscando proteção na moeda americana.

Dito isso: o que exatamente provocou a nova onda de estresse no mercado de moedas vista nesta quarta-feira? A resposta está lá fora — mais precisamente, na Casa Branca.

Futuro sombrio

Os investidores globais mostraram-se mais receosos desde o início da sessão de hoje, repercutindo as sinalizações preocupantes emitidas ontem pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em pronunciamento, ele disse que as próximas semanas serão 'muito dolorosas' — a previsão oficial da Casa Branca é de cerca de 240 mil mortos no país por causa do coronavírus.

Esse tom mais alarmante assumido pelo governo americano mexeu com a confiança dos agentes financeiros, e nem mesmo os dados mais animadores da economia dos EUA serviram para injetar ânimo nas negociações.

Mais cedo, a ADP reportou um corte de 27 mil empregos no setor privado do país em março, resultado melhor que o projetado pelos analistas consultados pelo Wall Street Journal, de fechamento de 125 mil vagas no período.

Também durante a manhã, foi a vez dos dados PMI de atividade do setor industrial superarem as expectativas: o indicador caiu de 50,7 em fevereiro para 48,5 em março — a projeção era de baixa mais acentuada, a 47,3.

Nada disso, no entanto, ofuscou as declarações pessimistas de Trump e do governo americano quanto ao futuro.

Alta em bloco

Obviamente, o cenário traçado pelas autoridades dos EUA levanta enormes dúvidas quanto aos impactos que o surto de coronavírus trará à economia do país — e, consequentemente, ao ritmo de atividade global.

Assim, dadas as incertezas generalizadas, os investidores preferiram assumir uma estratégia mais defensiva nesta quarta-feira, o que se traduz em bolsas em queda e dólar em alta.

Afinal, por mais que a economia dos EUA sofra, a moeda americana ainda é vista como um ativo relativamente seguro, especialmente num cenário em que praticamente todos os países sofrerão com uma desaceleração na atividade, em maior ou menor grau.

Considerando toda essa lógica, o dólar se valorizou em escala global nesta quarta-feira. O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta com as principais divisas do mundo — como o iene, o euro e a libra — subiu 0,42% hoje.

Na comparação com as divisas de países emergentes, o tom foi o mesmo: o dólar se valorizou em relação ao peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano, entre outras — o real, assim, foi na esteira de seus pares.

Juros curtos quase estáveis

Apesar do tom mais pressionado do dólar à vista, as curvas de juros futuros de curto prazo exibiram um tom relativamente estável nesta quarta-feira. Os investidores dividiram-se entre a cautela global e a percepção de que a Selic deverá ser cortada para dar sustentação à economia brasileira — ao fim do dia, os DIs curtos tiveram ligeira alta:

  • Janeiro/2021: de 3,23% para 3,25%;
  • Janeiro/2022: de 4,05% para 4,21%;
  • Janeiro/2023: de 5,41% para 4,49%;
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,96%.
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

coronavírus

Covid-19: Brasil tem 8,4 milhões de casos e 61 mil novos diagnósticos nas últimas 24h

Segundo ministério, 7.388.784 pacientes recuperaram-se da doença

Melou

Carrefour e Couche-Tard anunciam encerramento das negociações

O Couche-Tard e o Carrefour, contudo, destacaram que estenderão as discussões para avaliar “eventuais oportunidades na área de parcerias operacionais”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies