Menu
2020-04-01T17:54:17-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Sobe sem parar

Quebrando recordes: dólar fecha em alta e chega a R$ 5,26, nova máxima nominal de encerramento

O dólar à vista renovou mais uma vez os recordes de fechamento, pressionado pela cautela vista no exterior em relação aos impactos do coronavírus nos EUA

1 de abril de 2020
17:23 - atualizado às 17:54
Dólar
Imagem: Shutterstock

Em primeiro de abril de 2019, o dólar à vista era negociado na faixa de R$ 3,87. Um ano depois, a moeda americana chegou aos R$ 5,26 — e isso não é brincadeira do dia da mentira.

Pois é: a divisa fechou a sessão desta quarta-feira (1) em alta de 1,27%, a R$ 5,2628, cravando um novo recorde nominal de encerramento — foi a primeira vez que o dólar à vista terminou acima do nível de R$ 5,20.

Desde o começo de 2020, o dólar à vista já acumula uma valorização de 31,18% em relação ao real; na comparação com o primeiro de abril do ano passado, o salto é de quase 36%.

O ano tem sido bastante carregado no câmbio, com uma enxurrada de fatores pressionando o dólar. A crise entre EUA e Irã no Oriente Médio, o surto global de coronavírus, a guerra de preços do petróleo — tudo conspira para que os investidores adotem uma postura mais defensiva, buscando proteção na moeda americana.

Dito isso: o que exatamente provocou a nova onda de estresse no mercado de moedas vista nesta quarta-feira? A resposta está lá fora — mais precisamente, na Casa Branca.

Futuro sombrio

Os investidores globais mostraram-se mais receosos desde o início da sessão de hoje, repercutindo as sinalizações preocupantes emitidas ontem pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em pronunciamento, ele disse que as próximas semanas serão 'muito dolorosas' — a previsão oficial da Casa Branca é de cerca de 240 mil mortos no país por causa do coronavírus.

Esse tom mais alarmante assumido pelo governo americano mexeu com a confiança dos agentes financeiros, e nem mesmo os dados mais animadores da economia dos EUA serviram para injetar ânimo nas negociações.

Mais cedo, a ADP reportou um corte de 27 mil empregos no setor privado do país em março, resultado melhor que o projetado pelos analistas consultados pelo Wall Street Journal, de fechamento de 125 mil vagas no período.

Também durante a manhã, foi a vez dos dados PMI de atividade do setor industrial superarem as expectativas: o indicador caiu de 50,7 em fevereiro para 48,5 em março — a projeção era de baixa mais acentuada, a 47,3.

Nada disso, no entanto, ofuscou as declarações pessimistas de Trump e do governo americano quanto ao futuro.

Alta em bloco

Obviamente, o cenário traçado pelas autoridades dos EUA levanta enormes dúvidas quanto aos impactos que o surto de coronavírus trará à economia do país — e, consequentemente, ao ritmo de atividade global.

Assim, dadas as incertezas generalizadas, os investidores preferiram assumir uma estratégia mais defensiva nesta quarta-feira, o que se traduz em bolsas em queda e dólar em alta.

Afinal, por mais que a economia dos EUA sofra, a moeda americana ainda é vista como um ativo relativamente seguro, especialmente num cenário em que praticamente todos os países sofrerão com uma desaceleração na atividade, em maior ou menor grau.

Considerando toda essa lógica, o dólar se valorizou em escala global nesta quarta-feira. O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta com as principais divisas do mundo — como o iene, o euro e a libra — subiu 0,42% hoje.

Na comparação com as divisas de países emergentes, o tom foi o mesmo: o dólar se valorizou em relação ao peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano, entre outras — o real, assim, foi na esteira de seus pares.

Juros curtos quase estáveis

Apesar do tom mais pressionado do dólar à vista, as curvas de juros futuros de curto prazo exibiram um tom relativamente estável nesta quarta-feira. Os investidores dividiram-se entre a cautela global e a percepção de que a Selic deverá ser cortada para dar sustentação à economia brasileira — ao fim do dia, os DIs curtos tiveram ligeira alta:

  • Janeiro/2021: de 3,23% para 3,25%;
  • Janeiro/2022: de 4,05% para 4,21%;
  • Janeiro/2023: de 5,41% para 4,49%;
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,96%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Apertem os cintos

Segredos da bolsa: Termina mais um trimestre que valeu por um ano

Semana traz agenda intensa de indicadores tanto no Brasil quanto nos EUA; cautela e volatilidade tendem a seguir em cena

EUA X China

Trump X TikTok: empresa chinesa tenta impedir proibição de downloads

Decisão judicial pode barrar restrição, que passaria a valer a partir de meia-noite deste domingo nos Estados Unidos.

A 38 dias da eleição

Trump anuncia nomeação de Barrett para a Suprema Corte

Nomeação ainda precisa ser confirmada pelo Senado, que hoje tem maioria Republicana.

Últimos ajustes

Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para discutir Reforma Tributária

Segundo o deputado Ricardo Barros, na segunda-feira a proposta já estará fechada para uma rodada de discussão com os líderes da base governista no Congresso.

Em 2020

Pandemia tira R$ 12 bilhões em investimentos

Investimentos públicos em infraestrutura deverão ser 10% menores em relação ao estimado antes da pandemia de covid-19.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements