🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Após três meses

Governo Bolsonaro é desaprovado por 30% da população, diz Datafolha

Outros 33% classificaram a gestão como “regular”; 32% avaliaram como “ótima ou boa”

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
7 de abril de 2019
10:19 - atualizado às 14:24
Jair Bolsonaro, presidente da República
Segundo o Datafolha, é o pior início de gestão para um presidente em primeiro mandato desde a redemocratização - Imagem: Flickr/Palácio do Planalto

Após três meses de governo, Jair Bolsonaro tem a pior avaliação entre os presidentes eleitos para um primeiro mandato desde o fim do regime militar, de acordo com levantamento Datafolha. As informações foram divulgadas neste domingo pelo jornal Folha de S. Paulo.

A pesquisa, feita com 2.086 pessoas em 130 municípios, indica que 30% da população considera o governo de Bolsonaro como "ruim ou péssimo". 33% classificaram o presidente como "regular", e outros 32% como "ótimo ou bom" — 4% não souberam opinar. O levantamento tem margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Segundo o Datafolha, tais índices são os piores para um presidente em primeiro mandato desde a redemocratização, em 1985. Após três meses no poder, Fernando Collor era avaliado como "ótimo ou bom" por 36% dos brasileiros, enquanto outros 19% consideravam-no "ruim ou péssimo".

Fernando Henrique Cardoso, em 1995, chegou a 39% de aprovação após o primeiro trimestre de governo, com 16% de desaprovação. O governo Lula, em 2003, era classificado como "ótimo ou bom" por 43% da população após os primeiros três meses de mandato, com 10% de avaliações "ruim ou péssimo".

Por fim, o início da gestão Dilma Rousseff em 2011 foi o que obteve as melhores avaliações entre os presidentes em primeiro mandato. De acordo com o Datafolha, 47% dos brasileiros consideravam a petista como "ótima ou boa" no primeiro trimestre do governo, contra apenas 7% de "ruim ou péssima".

Na última sexta-feira, um levantamento XP/Ipespe mostrou queda na taxa de aprovação do governo Bolsonaro. O percentual de entrevistas que considera a gestão atual como "ótima ou boa" caiu de 37% para 35%, dentro da margem de erro, mas abaixo dos 40% vistos nas pesquisas feitas em janeiro e fevereiro.

Expectativa

O Datafolha também questionou os entrevistados a respeito das expectativas em relação ao governo Bolsonaro. 59% disseram acreditar que atual gestão fará um governo "ótimo ou bom", abaixo dos 65% registrados antes da posse.

O levantamento publicado hoje pela Folha de S. Paulo também mostra que 16% da população tem hoje uma perspectiva "regular" para a atual gestão, ante 17% antes do início do governo. Por fim, 23% afirmaram ter expectativa "ruim ou péssima" — antes da posse, esse índice era de 12%.

Mourão

A pesquisa Datafolha ainda mostra que o vice-presidente Hamilton Mourão possui reprovação menor que a de Bolsonaro, passados três meses de governo.

Segundo os resultados publicados pela Folha de S. Paulo, 18% dos entrevistados consideraram Mourão "ruim ou péssimo". Outros 32% avaliaram o vice-presidente como "regular", mesmo índice de pessoas que o classificaram como "ótimo ou bom". No entanto, 59% dos entrevistados não souberam dizer quem era o vice-presidente da República. Somente 37% acertaram o nome dele, enquanto 4% erraram o nome de Mourão.

Resposta do presidente

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro manifestou-se a respeito dos resultados da pesquisa Datafolha:

Compartilhe

SEU MENTOR DE INVESTIMENTOS

Por que Bolsonaro corre o risco de se transformar no primeiro presidente em exercício a perder a reeleição

16 de janeiro de 2022 - 7:52

Em tese, Bolsonaro teria mais chance de manter imunidade – no caso, parlamentar – se concorresse a uma vaga no Senado

Alarme falso

Ex-presidente Dilma Rousseff recebe alta; exames médicos não indicaram problemas de saúde

25 de maio de 2021 - 16:55

Dilma havia sido internada no Hospital Moinho de Ventos, em Porto Alegre, após sentir um mal-estar na noite de ontem

Saúde em foco

Ex-presidente Dilma Rousseff passa mal e é internada em Porto Alegre

25 de maio de 2021 - 11:38

A assessoria do Hospital Moinhos de Vento informou que está buscando informações e que “por questões de garantia do sigilo dos dados, aguardam as devidas autorizações” para atualização

julgamento envolvendo a estatal

CVM inocenta Dilma e Graça Foster por irregularidade na Abreu e Lima, da Petrobras

3 de novembro de 2020 - 17:59

Autarquia inabilitou por 15 anos para atuar em companhias abertas os ex-diretores da estatal Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviços) por violação ao dever de lealdade

CRISE POLÍTICA

“Fatos eram de longe menos graves”, diz um dos autores do impeachment de Dilma

24 de abril de 2020 - 16:57

“Em termos jurídicos, os fatos, comprovados, são contundentes e configuram crime de responsabilidade a ensejar o impeachment do presidente.”

Equipe econômica vê ‘Dilma 3’ no pró-Brasil

24 de abril de 2020 - 13:12

Ironia expõe a insatisfação da equipe econômica com o programa de investimentos lançado pela ala militar do governo

caso na justiça

Santander ganha causa em tribunal contra analista demitida por texto contrário a Dilma

12 de novembro de 2019 - 15:26

Em junho de 2014, a funcionária do banco foi responsável por um documento divulgado a um grupo de clientes que afirmava que a reeleição da então presidente seria negativa para os mercados

Bancos

Relator da CPI do BNDES sugere indiciamento de Lula, Dilma e mais 71

8 de outubro de 2019 - 17:17

Relatório também pede anulação dos acordos de colaboração premiada dos empresários Joesley Batista, Wesley Batista e do ex-diretor da JBS Ricardo Saud

racha

Fora dos atos, MBL vira alvo de ataques de rede bolsonarista

21 de maio de 2019 - 8:50

Para o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), do MBL, as pautas do ato de domingo, como o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, são “antiliberais, anticonservadoras e antirrepublicanas”

Seu mentor de investimentos

Bolsonaro, quem diria, “dilmou”

15 de abril de 2019 - 13:42

Quando a intempestiva intervenção de Bolsonaro fez com que a Petrobras perdesse 32,4 bilhões de reais em valor de mercado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies