Menu
2019-04-16T15:44:28-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bolsa

Itaú e BTG Pactual vendem ações da Eneva em oferta de R$ 1,106 bilhão

O preço de venda por ação da Eneva foi definido em R$ 18,25 e hoje os papéis da empresa de energia reagem em forte alta na bolsa

5 de abril de 2019
11:17 - atualizado às 15:44
Unidade de tratamento de gás da Eneva
Unidade de tratamento de gás da Eneva - Imagem: Divulgação

Os acionistas da empresa de geração de energia Eneva (ENEV3) que venderam ações na oferta realizada pela companhia, entre eles os bancos Itaú Unibanco e BTG Pactual, embolsaram um total de R$ 1,106 bilhão.

O preço de venda por ação da companhia foi definido em R$ 18,25, apenas 1,9% abaixo da cotação de fechamento anterior ao anúncio da oferta.

Além do preço praticamente em linha com as cotações na bolsa, a venda do lote de ações adicionais que pertenciam ao BTG e do Itaú sinaliza que a demanda dos investidores foi boa.

Quem comprou os papéis teve um ganho imediato. Por volta das 11h de hoje, as ações da Eneva eram negociadas em forte alta de 6,70%, enquanto o Ibovespa subia 0,17%.

A entrada do BTG e do Itaú no capital da Eneva ocorreu durante o processo de reestruturação da dívida da companhia, que fazia parte do grupo do empresário Eike Batista e se chamava MPX.

Com o colapso do chamado "Grupo X", a Cambuhy, empresa de investimentos que tem entre os sócios Pedro Moreira Salles, copresidente de conselho do Itaú, entrou no capital e assumiu a gestão da companhia.

Antes da oferta, o BTG era o maior acionista individual da Eneva, com 26,79% do capital. O Itaú detinha 5,88% das ações.

Além de Itaú e BTG, a alemã Uniper, o Banco Pine e a Dommo (a antiga OGX Petróleo) venderam ações na oferta.

Só para os tubarões

Com a operação da Eneva, o número de ofertas de ações realizadas no mercado sobe para quatro, com volume total de pouco mais de R$ 6 bilhões. O valor sobe para R$ 9 bilhões se considerarmos a operação de pelo menos US$ 790 milhões da empresa de maquininhas de cartão Stone na bolsa americana Nasdaq.

Em comum entre as ofertas realizadas no país está o fato de serem realizadas com esforços restritos de colocação. Isso significa que a participação é limitada a, no máximo, 50 investidores profissionais, que possuem pelo menos R$ 10 milhões para aplicar.

A primeira operação da qual você pode participar acontece neste momento. Trata-se do IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações) da rede de varejo esportivo Centauro, sobre o qual eu escrevi nesta matéria.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes

Ministério da Saúde informou também que casos por semana voltaram a crescer no país, enquanto mortes seguem trajetória de queda

Sextou com o Ruy

Bilionários como Warren Buffett gostam de ver a bolsa cair, não subir

Se você é dos que ficam felizes em ver os preços caindo, saiba que tem o que é necessário para se tornar um grande investidor em ações

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies