Menu
2019-03-13T09:27:14-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Pente-fino na estatal

Presidente da Caixa espera receita de R$ 15 bilhões com IPOs de quatro áreas da estatal

A expectativa do governo é fazer uma oferta entre 15% e 30%, segundo Guimarães. Assim como havia dito antes , a ideia é fazer a abertura de capital das áreas de seguridade e cartões no segundo semestre. Já a abertura de capital da asset deve ocorrer apenas no primeiro semestre de 2020

13 de março de 2019
9:27
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

Em entrevista ao jornal "O Estado de S.Paulo" publicada hoje (13), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que espera uma receita de R$ 15 bilhões com a abertura de capital (IPOs) de áreas como cartão, seguridade, loteria e gestão de ativos de terceiros (asset) no mercado americano. Para ele, o montante é o "piso", mas pode sofrer alguma alteração para um valor acima dependendo do porcentual de oferta de ações que será oferecido nas operações.

A expectativa do governo é fazer uma oferta entre 15% e 30%, segundo Guimarães. Assim como havia dito antes , a ideia é fazer os IPOs das áreas de seguridade e cartões no segundo semestre. Já a abertura de capital da asset deve ocorrer apenas no primeiro semestre de 2020.

Mas a estratégia de tornar a companhia mais transparente e rentável de Guimarães não para por aí. A Caixa também vai lançar em abril um cartão de crédito consignado e a meta é ter 20 milhões de cartões nos próximos quatro anos. Hoje, a estatal só possui 96 milhões de cartões de débito e 5 milhões de cartão de crédito, o que enfatiza a possibilidade de expansão que o banco pode ter no setor.

Outra meta que voltou à pauta de Guimarães é o fato de que a instituição não possui a sua própria marca de "maquininhas" de cartão. Em sua fala, Guimarães destacou que "o banco vai entrar nessa área e explorar o mercado de recebíveis. Como o maior banco do hemisfério sul recebe zero em pré-pagamento. Vou ter um adquirente só e vou ter uma participação na receita de recebíveis”.

Além disso, o presidente do banco também reiterou que colocou como meta atingir o microcrédito de 40 milhões de brasileiros, especialmente aqueles que estão fora do mercado formal e que têm um custo muito alto para tomar dinheiro. Ele defendeu ainda que haja uma maior competição com a entrada dos bancos estrangeiros, principalmente nos empréstimos que são feitos aos Estados. Atualmente, a Caixa é a maior credora desses governos.

Mudanças estruturais

Para além das iniciativas de abertura de capital e outras mudanças, Guimarães está promovendo uma série de transformações na estrutura da Caixa e planeja cortar R$ 3,5 bilhões em compras. Para atingir a meta de economia, ele trocou todos os vice-presidentes e mudou 38 dos 40 diretores, assim como retirou mais da metade dos superintendentes regionais.

Mas a economia também vai envolver venda de prédios do banco, inclusive de agências próprias, maior dureza nas negociações de contratos em várias áreas e redução de gastos com patrocínio e publicidade.

O presidente disse que não fazia sentido a companhia ter sete prédios apenas na Avenida Paulista e 15 edifícios em Brasília. “O que estou querendo saber? Quem são os donos desses imóveis? Será que eu vou achar? Será que vou descobrir que os donos desses imóveis se beneficiariam da Caixa?”, destacou Guimarães.

Apesar de as medidas serem boas para a Caixa, elas não estão agradando parlamentares e Guimarães está sendo alvo de ataques feitos por líderes de partidos da base e que não tiveram seus pedidos atendidos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

um risco no radar

Por coronavírus, Arábia Saudita avalia romper aliança com a Rússia no setor de petróleo

Os dois lados têm colaborado desde dezembro de 2016 para tentar equilibrar a oferta global, em meio a um salto na oferta do xisto vinda dos EUA

presidente vai aos EUA

Bolsonaro diz ter intenção de trazer a Tesla, de Elon Musk, para o Brasil

Filho do presidente já havia declarado a intenção; Ele disse ter participado de teleconferência com o ministro da Ciência e Tecnologia para tratar sobre o assunto

Exile on Wall Street

O tamanho certo da sua proteção para este Carnaval

*Por Bruno Mérola

de olho nas cifras

Rombo nas contas externas soma US$ 11,8 bilhões em janeiro

Resultado é o pior resultado para o mês desde 2015, quando houve déficit de US$ 12,011 bilhões

mercados agora

Dólar bate R$ 4,40 e Ibovespa cai 1,4%, com mercado atento ao coronavírus

Mercado local novamente reproduz a cautela no exterior, fazendo com que a moeda norte-americana teste um novo recorde; no ano alta já é quase de 10%

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

De olho no futuro

Montadoras investem em postos de recarga para fomentar híbridos

Volkswagen se une assim a empresas como BMW, Volvo e à própria parceria em que participa com Volkswagen e Porsche na instalação de pelo menos outros 680 pontos de abastecimento, vários deles com tecnologias de recarga rápida

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

2019 poderia ter sido um dos melhores anos da história da Vale, especialmente pela alta de mais de 30% no preço do minério de ferro. A tragédia de Brumadinho mudou severamente esse quadro e levou a empresa a um prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano todo, conforme números divulgados ontem à noite. A sexta-feira […]

do setor imobiliário para a bolsa

Incorporadora One e construtora Pacaembu pedem registro de IPO

Empresas esperam recursos para pré-pagamento de empréstimos, expansão e reforço de capital de giro

sinal verde

Anac autoriza Virgin Atlantic, do bilionário Richard Branson, a operar no Brasil

Segundo o órgão regulador, a empresa manifestou interesse em voar, a partir de março deste ano, entre as cidades de Londres e São Paulo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements