Menu
2019-03-13T09:27:14-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Pente-fino na estatal

Presidente da Caixa espera receita de R$ 15 bilhões com IPOs de quatro áreas da estatal

A expectativa do governo é fazer uma oferta entre 15% e 30%, segundo Guimarães. Assim como havia dito antes , a ideia é fazer a abertura de capital das áreas de seguridade e cartões no segundo semestre. Já a abertura de capital da asset deve ocorrer apenas no primeiro semestre de 2020

13 de março de 2019
9:27
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

Em entrevista ao jornal "O Estado de S.Paulo" publicada hoje (13), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que espera uma receita de R$ 15 bilhões com a abertura de capital (IPOs) de áreas como cartão, seguridade, loteria e gestão de ativos de terceiros (asset) no mercado americano. Para ele, o montante é o "piso", mas pode sofrer alguma alteração para um valor acima dependendo do porcentual de oferta de ações que será oferecido nas operações.

A expectativa do governo é fazer uma oferta entre 15% e 30%, segundo Guimarães. Assim como havia dito antes , a ideia é fazer os IPOs das áreas de seguridade e cartões no segundo semestre. Já a abertura de capital da asset deve ocorrer apenas no primeiro semestre de 2020.

Mas a estratégia de tornar a companhia mais transparente e rentável de Guimarães não para por aí. A Caixa também vai lançar em abril um cartão de crédito consignado e a meta é ter 20 milhões de cartões nos próximos quatro anos. Hoje, a estatal só possui 96 milhões de cartões de débito e 5 milhões de cartão de crédito, o que enfatiza a possibilidade de expansão que o banco pode ter no setor.

Outra meta que voltou à pauta de Guimarães é o fato de que a instituição não possui a sua própria marca de "maquininhas" de cartão. Em sua fala, Guimarães destacou que "o banco vai entrar nessa área e explorar o mercado de recebíveis. Como o maior banco do hemisfério sul recebe zero em pré-pagamento. Vou ter um adquirente só e vou ter uma participação na receita de recebíveis”.

Além disso, o presidente do banco também reiterou que colocou como meta atingir o microcrédito de 40 milhões de brasileiros, especialmente aqueles que estão fora do mercado formal e que têm um custo muito alto para tomar dinheiro. Ele defendeu ainda que haja uma maior competição com a entrada dos bancos estrangeiros, principalmente nos empréstimos que são feitos aos Estados. Atualmente, a Caixa é a maior credora desses governos.

Mudanças estruturais

Para além das iniciativas de abertura de capital e outras mudanças, Guimarães está promovendo uma série de transformações na estrutura da Caixa e planeja cortar R$ 3,5 bilhões em compras. Para atingir a meta de economia, ele trocou todos os vice-presidentes e mudou 38 dos 40 diretores, assim como retirou mais da metade dos superintendentes regionais.

Mas a economia também vai envolver venda de prédios do banco, inclusive de agências próprias, maior dureza nas negociações de contratos em várias áreas e redução de gastos com patrocínio e publicidade.

O presidente disse que não fazia sentido a companhia ter sete prédios apenas na Avenida Paulista e 15 edifícios em Brasília. “O que estou querendo saber? Quem são os donos desses imóveis? Será que eu vou achar? Será que vou descobrir que os donos desses imóveis se beneficiariam da Caixa?”, destacou Guimarães.

Apesar de as medidas serem boas para a Caixa, elas não estão agradando parlamentares e Guimarães está sendo alvo de ataques feitos por líderes de partidos da base e que não tiveram seus pedidos atendidos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies