Menu
2019-04-02T18:40:51-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Privatizações

Caixa pretende vender até R$ 15 bilhões em participações até junho

Banco público planeja abrir o capital das unidades de seguros e de cartões no segundo semestre deste ano, afirmou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães

2 de abril de 2019
18:40
Pedro Guimaraes, presidente da Caixa Econômica Federal
Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

Dentro da onda de privatizações em curso no governo Bolsonaro, a Caixa Econômica Federal pretende se desfazer de até R$ 15 bilhões em participações detidas diretamente ou via fundos até junho deste ano. A afirmação é do presidente da instituição, Pedro Guimarães.

A Caixa foi a responsável pelo pontapé inicial das privatizações do governo com a oferta de ações detidas pela instituição na resseguradora IRB, em fevereiro deste ano. Ele não citou nomes, mas a próxima venda deve ser a das ações que o banco detém na Petrobras.

A Caixa também planeja a abertura de capital de quatro subsidiárias na bolsa. A oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) das unidades de seguros e de cartões deve acontecer no segundo semestre deste ano, segundo Guimarães.

O banco também pretende vender na bolsa parte das ações das empresas de loterias e gestão de fundos de investimentos (asset management) no primeiro semestre do ano que vem.

"Se a gente não vender pelo menos R$ 100 bi em operações no mercado de capitais eu considero que não tive sucesso", afirmou o presidente da Caixa, que participou hoje de evento promovido pelo Bradesco BBI, em São Paulo.

Sem Bia

Ao falar sobre os desafios à frente da Caixa, Guimarães mencionou a Bia, como é conhecida a plataforma de inteligência artificial do Bradesco.

"Nós não vemos ter a Bia, a Caixa não vai chegar nisso", afirmou.

Guimarães diz que o banco tem prioridades muito mais imediatas. Uma delas é o aumento na base de cartões de crédito.

O presidente da Caixa disse que o banco possui hoje 96 milhões de cartões ativos, mas apenas 5 milhões de cartões de crédito. "Por que não usar a rede de lotéricas para vender cartões e microsseguros? É o básico do básico", disse.

Guimarães disse ainda que a Caixa deve obter entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões com a redução de despesas. Como exemplo de gastos desnecessários, ele citou os sete prédios que o banco tem na Avenida Paulista e outros 15 em Brasília.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Em 2009

Carlos Bolsonaro comprou imóvel por preço 70% abaixo do fixado pela prefeitura

A prática não é ilegal, mas costuma despertar suspeitas – por possibilitar, em tese, pagamentos “por fora”, sem registros oficiais.

Em expansão

E-commerce, mercado financeiro e delivery puxam contratações de executivos

Segundo dados do LinkedIn, houve 1.269 movimentações para cargos executivos entre março e agosto, 80% delas foram para esses setores.

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Aviação regional

Governo quer licitar cinco blocos de aeroportos na Amazônia Legal

Pontapé inicial será no Amazonas, onde o governo espera transferir para uma empresa a operação de oito aeroportos regionais em 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements