Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-04-18T10:27:34+00:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 centavos ou 4,84% de aumento?

18 de abril de 2019
10:27
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

O que vai doer menos no bolso do brasileiro: um aumento de 10 centavos no litro do diesel vendido pela Petrobras ou um reajuste de 4,84% no preço? Na verdade os dois números são idênticos, embora pareça mais amigável falar em um aumento de centavos do que em uma correção que supera a inflação em 12 meses, não é mesmo?

O anúncio de reajuste do preço do diesel pela Petrobras ontem foi uma tentativa de demonstrar que a empresa mantém sua autonomia para decidir os preços. Durante o anúncio - que em geral é um simples comunicado ao mercado, mas desta vez ganhou a pompa de entrevista coletiva do presidente da estatal - Roberto Castello Branco avisou que reajustes a partir de agora serão comunicados em centavos e não mais em variação percentual.

Me parece um uso de sinônimos matemáticos para “disfarçar” o aumento de preço. Se vai colar eu não sei, mas é válida a tentativa para manter a Petrobras independente e ao mesmo tempo acalmar os caminhoneiros, uma categoria que provou no ano passado o seu poder de parar o país e dobrar até mesmo o liberalismo de Temer. Saiba mais sobre a decisão da Petrobras nesta reportagem.

À venda, mas não tudo

Ainda falando sobre a Petrobras, o diretor financeiro da estatal, Rafael Grisolia, afirmou ontem que a petrolífera continuará sendo um importante acionista da BR Distribuidora, mesmo após a conclusão do seu processo de privatização. Hoje, a estatal tem 71% da BR, participação que deve ser reduzida para abaixo dos 50%. Questionado sobre como seria o controle da companhia depois disso, ele disse que está em definição e que a empresa fará anúncios específicos. É aguardar para ver.

O que diabos está rolando na CCJ?

A confusão de ontem na CCJ deve adicionar uma semana ou duas na tramitação da reforma da Previdência. A sessão foi suspensa e o parecer pode ser alterado. Ninguém entendeu direito o que rolou. O Eduardo Campos conta aqui o que está acontecendo nos bastidores.

Navegando em águas misteriosas

A grande sacada de investir em qualquer fundo é exatamente jogar para um gestor especialista a função de selecionar as melhores oportunidades do mercado. Mas o que fazer quando o seu gestor resolve trocar o certo pelo duvidoso? A coluna da Luciana Seabra traz nesta semana o fenômeno do “style drift”, ou quando um gestor de fundos resolve abandonar uma estratégia em que ele é craque para navegar em investimentos desconhecidos. E ainda tem um bônus: a Lu explica quatro cuidados que você deve tomar para fugir dos riscos nesse tipo de situação.

Quando o “hermano” fica doente...

O drama dos nossos vizinhos argentinos deve respingar no Brasil. O Ibre, da FGV, revisou para baixo a estimativa de crescimento da indústria brasileira por causa da queda esperada nas exportações. Nem o pacote anunciado ontem pelo presidente argentino, Mauricio Macri, será suficiente para reduzir os impactos que a recessão de lá tem causado por aqui.

Mais um unicórnio na Bolsa

Prestes a abrir capital, o site de compartilhamento de imagens Pinterest pretende levantar até US$ 1,3 bilhão em seu IPO. Segundo a imprensa internacional, a empresa venderia inicialmente 75 milhões de ações. O valor das ações e detalhes dessa operação você confere aqui.

IR: operações com opções de ações

Imposto de Renda 2019 - IR 2019 - Leão

Muitos leitores perguntaram e a Julia Wiltgen foi atrás dessa informação. Se você fez operações com opções de ações no ano passado, saiba que é obrigado a entregar a declaração de imposto de renda 2019. Para quem já declarou ações, a facilidade será maior porque o processo é parecido com a declaração de opções. Saiba quais passos seguir para não ficar em débito com o Leão.

A Bula do Mercado: cautela antes do feriado

Cautela é a palavra do dia nesta véspera de feriado. Os investidores saem para a pausa prolongada preocupados com o cenário político. Os últimos acontecimentos em Brasília deixam o mercado desconfortável.

Na CCJ, a estratégia da oposição funcionou e a votação do texto da Previdência ficou para a semana que vem. Marcelo Freitas, relator da proposta, deve aproveitar o momento para alterar o seu parecer, antes totalmente favorável ao projeto do governo. Na Petrobras, o aumento do preço do diesel deve colocar "panos quentes" na questão da política de reajuste.

A volta de velhos fantasmas deixa o clima tenso no exterior. A possível assinatura de um acordo entre Estados Unidos e China não animou os investidores, que aguardam mais detalhes sobre o acordo. Um novo teste nuclear feito pela Coreia do Norte também atrapalha os negócios. As principais bolsas da Ásia fecharam no vermelho e Nova York também amanheceu em queda.

Ontem, o Ibovespa fechou com queda de 1,11%, aos 93.284,75 pontos. O dólar encerrou o dia com alta de 0,85%, a R$ 3,9354. Consulte a Bula do Mercado para saber como devem se comportar bolsa e dólar hoje.

Um grande abraço e ótima quinta-feira!

Agenda

Índices
- Estados Unidos publicam dados sobre comércio em março e dados semanais de emprego
- Markit divulga PMIs da Alemanha, zona do euro e Estados Unidos em abril

Balanços 1º trimestre
- Lá fora: Unilever e American Express

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements