Menu
2019-02-27T08:48:26+00:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
Farmácia

Raia Drogasil compra Onofre de olho no delivery

A Onofre tem 50 lojas, sendo 47 no estado de São Paulo, duas no Rio de Janeiro e uma em Minas Gerais

26 de fevereiro de 2019
19:47 - atualizado às 8:48
shutterstock_717437125
Raia Drogasil compra Onofre, que operava no vermelho e não era mais estratégica para a CVSImagem: Shutterstock

Enquanto o mercado esperava a divulgação de resultados de 2018 da Raia Drogasil nesta noite de terça-feira (26), a empresa divulgou uma informação ainda mais relevante: a compra da Drogaria Onofre.

A compra envolve 100% do capital social da Onofre, controlada até então pela CVS Health Corporation. O valor do negócio não foi revelado no fato relevante divulgado pela Raia Drogasil ao mercado.

A Onofre tem 50 lojas, sendo 47 no estado de São Paulo, duas no Rio de Janeiro e uma em Minas Gerais. A receita bruta da empresa em 2018 foi de R$ 479,4 milhões.

Segundo noticiado pelo jornal o Estado de S.Paulo, a Onofre operava no vermelho e não era mais estratégica para a CVS. Por isso, chegou a ser oferecida para companhias brasileiras. O grupo ainda não definiu se vai manter ou não a marca Onofre.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Mas não foi apenas a rede física que atrai a atenção da Raia Drogasil. Foi a operação de e-commerce da Onofre que fez os olhos da Raia Drogasil brilharem. Segundo a companhia, a Onofre tem uma das principais operações de e-commerce farmacêutico do País, e é hoje uma das marcas líderes neste canal.

“A aquisição da Onofre nos permitirá incrementar a nossa escala e capilaridade no varejo físico, bem como acelerar e incrementar a nossa estratégia digital”, afirmou a empresa. A intenção é aumentar as entregas e expandir a atuação do “Onofre em Casa”, com entrega local para todos os mercados onde a Raia Drogasil possui estrutura logística.

A rede Onofre, fundada em 1934, foi comprada pela CVS em 2013, com um desembolso calculado pelo mercado em R$ 700 milhões. A compra está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Hoje, as ações da Raia Drogasil tiveram alta de 3,3% na B3.

Reforço no principal mercado

Além do foco no e-commerce, a compra da Onofre reforça a atuação da Raia Drogasil em São Paulo, que é o mercado onde a empresa tem maior concentração de mercado. Segundo os dados do balanço divulgado hoje, referente ao quarto trimestre de 2018, a Raia Drogasil tem um total de 1,825 mil lojas, sendo 952 em São Paulo.

A participação de mercado da empresa em São Paulo é de 22,9%, uma recuperação em relação ao trimestre anterior, quando a fatia havia caído para 22,1%.

Na ocasião, a queda ocorreu em função do aumento da concorrência em São Paulo, e levou a companhia a reforçar sua atuação em outras praças, como as regiões Norte e Nordeste, onde detém hoje 1,7% e 6,9% de participação de mercado. Um ano antes, estas participações eram de 0,3% e 5,7%, respectivamente. Segundo o resultado divulgado hoje, 70% das aberturas de lojas de 2018 ocorreram fora de São Paulo.

A partir de agora, a empresa contará com a Onofre para ganhar mais força na sua principal área de atuação.

E o balanço, como foi?

Apesar da novidade anunciada hoje, o ano não foi dos mais fáceis para a Raia Drogasil. A empresa registrou lucro líquido de R$ 509,3 milhões em 2018, queda de 0,65% em relação a 2017, quando o lucro líquido somou R$ 512,6 milhões.

Já o lucro líquido ajustado teve alta, e foi de R$ 548,614 milhões, acima da projeção média dos analistas, que previam lucro líquido ajustado de R$ 526,286 milhões, segundo a Bloomberg.

A receita líquida anual ficou em R$ 14,8 bilhões, alta de 12% ante o ano anterior. O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 1,135 bilhão, avanço ante o Ebitda de R$ 1,130 bilhão do ano anterior.

Os números do quarto trimestre de 2018 também mostraram queda no lucro líquido consolidado e avanço no lucro líquido ajustado.

O lucro líquido consolidado foi de R$ 121,5 milhões no quarto trimestre de 2018, abaixo dos R$ 134,1 milhões registrados um ano antes. Já o lucro líquido consolidado avançou, passando de R$ 132,6 no quarto trimestre de 2017 para R$ 154,4 milhões no mesmo trimestre deste ano.

A dívida líquida da companhia aumento em 2018, passando de 393,6 milhões para R$ 735 milhões. A relação entre dívida líquida e Ebitda foi de 0,6 vezes no ano passado.

Ritmo foi mais lento

A companhia declarou que este foi um ano desafiador e com taxas menores de crescimento devido ao ambiente mais competitivo, que pressionou as margens. O ritmo de crescimento da venda consolidada da companhia desacelerou em 2018, passando de 17,1% para 12%.

A desaceleração foi evidente os três primeiros trimestres do ano, mas o ritmo de crescimento ficou mais forte no quarto trimestre, quando as vendas cresceram a um ritmo de 14,1%, praticamente em linha com o ritmo verificado um ano antes.

As lojas maduras (com mais de três anos) foram as mais pressionadas, e as vendas caíram 1,3% no ano. O quadro começou a melhorar um pouco no quarto trimestre, quando as lojas maduras tiveram crescimento de 0,6%.

As despesas com vendas somaram R$ 2,9 bilhões em 2018, alta de 15% em relação ao ano anterior. Este resultado foi impactado pelo grande número de lojas abertas ao longo ano. A empresa abriu 240 novas lojas em 2018, e fechou 25 lojas. A meta de abrir mais 240 novas lojas em 2019 está mantida.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements