Menu
2019-11-30T11:13:15-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
entrevista

É inconcebível que alguns setores tenham tarifa de proteção de 35%, diz cofundador da Natura

Para Pedro Passos, o ciclo da substituição de importações acabou; em entrevista, ele avalia que a proteção tarifária faz país produzir ‘carroças’

30 de novembro de 2019
11:10 - atualizado às 11:13
pedro passos
Pedro Passos. - Imagem: Reprodução/ Youtube / Endeavor Brasil

O empresário Pedro Passos, cofundador da Natura, é uma voz rara entre seus pares a apoiar a abertura econômica do País. Nesta entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ele diz que, em razão de uma proteção tarifária de até 35%, o Brasil ainda produz "carroças" em vários setores - e "carroças" caras.

Segundo Passos, o aumento da concorrência proporcionado pela abertura deverá impulsionar a produtividade, estagnada há 20 anos, e permitir a redução de custos dos investimentos e a ampliação do poder de compra da população. Confira a seguir os principais trechos da entrevista.

Recentemente, a Confederação Nacional da Indústria divulgou um estudo segundo o qual um unilateral corte de tarifas no Mercosul reduziria o PIB em dez ramos industriais e comprometeria a retomada do crescimento. Como o sr. vê a proposta do governo, de corte de 50% nas tarifas do Mercosul?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O modelo atual já não resiste mais. Hoje, poucos setores no País são contra a abertura econômica, pelo menos no discurso oficial. A discussão é mais como e com que velocidade e intensidade vamos abrir a economia. Acredito que a abertura é fundamental para aumentar a competitividade e a produtividade, que está estagnada há 20 anos, e para promover o crescimento sustentável. Mas o governo tem de liderar o processo, porque isso não vai emergir do mundo empresarial, de baixo para cima.

Muitos representantes da indústria têm mentalidade protecionista, defendem a política de substituição de importações e querem manter os subsídios. Como o sr. analisa essa posição?

O ciclo da substituição de importações acabou, apesar de alguns ainda não terem se dado conta disso. É inconcebível no mundo de hoje imaginar que alguns setores - e setores sensíveis para a economia - tenham tarifa de proteção de 35% (máximo permitido pela Organização Mundial do Comércio), como o têxtil, o automobilístico e o de brinquedos. É onerar demais o consumidor brasileiro e transmitir um custo regressivo para a sociedade.

O que o faz ter tanta convicção de que o País vai deixar essa política para trás?

Primeiro, os resultados que a gente vem obtendo, com a indústria perdendo relevância. Numa análise fria, vemos que é melhor mudar de direção. Se você olhar para o cenário global, como estão organizadas as cadeias de valor? A maior parte do PIB (Produto Interno Bruto) industrial é de multinacionais. Elas já estão distribuídas globalmente. Os países é que não estão entendendo o que está acontecendo, mas o recado é esse. É só olhar para o mundo que a gente vê para que lado tem de ir.

O sr. não teme o efeito que o estudo da CNI aponta?

Não vamos ser ingênuos. Alguns setores que não têm escala global vão sofrer. Mas precisamos ficar com aquilo que tem mais futuro, que as novas alocações de capital vão determinar. Provavelmente, serão setores que juntam acesso a tecnologia e serviços. A gente tem de impulsionar novos setores dinâmicos da economia e não os mesmos, porque não estão dando resultado. Agora, esse impacto pode ser bem atenuado se definirmos um cronograma para fazer o corte de tarifas de forma gradual, olhando os setores mais sensíveis com cuidado e fazendo uma redução mesclada com acordos comerciais.

Nos anos 1990, o presidente Fernando Collor começou a abrir a economia e dizia que o Brasil fabricava "carroças". Depois, muito dessa abertura foi revertida, por pressões dos empresários. Em sua visão, o Brasil continua produzindo "carroças"?

Sem dúvida, acredito que, em vários setores, a gente ainda produz "carroças" - e "carroças" caras. À medida que você reduz a competição e os investimentos há uma degradação de processos e competitividade. Por isso, em paralelo, precisamos fazer as reformas e remover barreiras burocráticas. Temos de simplificar a economia, abrir o mercado, e tirar os incentivos fiscais que distorcem a alocação de recursos. Temos de fazer uma alocação correta de recursos e investimentos nos locais certos.

Há também receio do efeito da abertura no emprego e de o País ficar como economia secundária no mundo. O sr. não tem essa preocupação?

Ao contrário, à medida que a gente retomar a produtividade conseguirá ter um crescimento sustentável. Aí, virá o emprego. Mas provavelmente serão outros empregos, em outros setores. Não tem sentido uma proteção do status atual nem para trabalhadores nem empresários. O Brasil só responde por 0,6% das exportações mundiais de manufaturados, embora esteja entre os 10 países mais industriais.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Credit Suisse recomenda compra de ação do BMG após queda de 28% desde IPO

Os analistas do banco suíço – que foi um dos bancos coordenadores do IPO – iniciaram a cobertura das ações do BMG com preço-alvo de R$ 12,50, o que representa um potencial de alta de 50%

de olho no dólar

Fundo Verde vê medo do câmbio como infundado, mas zera posição vendida em dólar

Em novembro o fundo teve um retorno zerado e abaixo do CDI, que teve um desempenho de 0,38%. No acumulado do ano o Verde ainda tem um desempenho de 11,19%, acima dos 5,57% do índice de referência

Mercados hoje

Ibovespa tem leve alta e dá continuidade ao rali dos últimos dias; dólar fica estável

O Ibovespa abriu o pregão desta segunda-feira em alta, dando continuidade aos ganhos da semana passada. O dólar à vista oscila perto do zero a zero, com um leve viés negativo.

hora do planejamento

Após reforma da Previdência, brasileiro revê hábitos de poupança

Pesquisa encomendada pelo C6 Bank ao Ibope Inteligência mostra que 33% das pessoas com acesso à internet afirmam ter mudado seus hábitos de poupança

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram em alta nesta sexta-feira (6). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,26% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,64. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,51% ao ano mais IPCA e aplicação mínima […]

na expectativa

Mercado eleva estimativa para inflação e PIB em 2019

Boletim Focus prevê IPCA a 3,84% neste ano – a projeção da semana passada era de 3,52%; PIB foi revisto para de 0,99% para 1,10%

Só daqui 60 dias

Congresso prorroga vigência de MP que institui 13º para bolsa família

MPs têm validade já desde a edição pelo governo federal, mas precisam ser aprovadas pelo Congresso Nacional para terem a vigência confirmada, ou perdem efeito

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: Gol tenta de novo recomprar o Smiles, mercados e IPO da XP

A Gol anunciou hoje cedo mais uma oferta para recomprar as ações dos minoritários da Smiles. Hoje trago também notícias sobre novas ofertas de ações e 3 formas de investir no IPO da XP. O que você precisa saber hoje: Mercados • O Ibovespa subiu 2,69% na semana passada e fechou em 111.125,75 pontos, uma nova máxima. […]

mudança na casa

Gol faz nova tentativa de incorporar a Smiles

Empresa afirma que não vai negociar com a administração da controlada, nem submeter a proposta ao conselho independente da companhia

guerra comercial

China busca resultado ‘satisfatório’ em negociações comerciais com EUA

Na coletiva de hoje, outra autoridade do Ministério de Comércio chinês, Li Xingqian, disse que Pequim vai continuar reduzindo tarifas sobre produtos externos para impulsionar suas importações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements