🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
‘BIG THREE’ EM XEQUE

Como a transição do motor a gasolina para veículos elétricos culminou na primeira greve dos funcionários das três maiores montadoras dos EUA em 88 anos

Os trabalhadores pedem por um aumento de 36% dos salários em quatro anos, mas as empresas não estão tão dispostas assim a abrir os bolsos

Renan Sousa
Renan Sousa
17 de setembro de 2023
12:30 - atualizado às 12:53
Trabalhadores de montadores dos Estados Unidos em greve
Trabalhadores de montadores dos Estados Unidos em greve - Imagem: Divulgação / UAW

O pregão da última sexta-feira (15) poderia ter sido só mais um dia de ajuste nas bolsas em Nova York. Mas a perspectiva de que os juros por lá voltem a subir fez os índices de Wall Street caírem mais de 1% durante a sessão regular. No começo daquele mesmo dia, porém, outro fator começou a preocupar os investidores: a greve dos funcionários das três maiores montadoras dos Estados Unidos

As chamadas Big Three — a saber: Ford, General Motors (GM) e Stellantis (antiga Fiat Chrysler) — amanheceram com paralisações estimuladas pelo sindicato dos trabalhadores do setor automotivo (UAW, na sigla em inglês). 

Os grevistas pedem pelo aumento do pagamento aos funcionários, alegando que as montadoras estão na “época dos grandes lucros”. Mas o gatilho para esse descontentamento dos trabalhadores começou com a transição dos motores movidos à gasolina para aqueles tracionados por energia elétrica.

Assim, os trabalhadores pedem por um aumento de 36% dos salários, acréscimo que deve ser diluído entre os próximos quatro anos, mas as montadoras não parecem tão dispostas assim a abrir os bolsos. 

O que os carros elétricos tem a ver com isso

Recapitulando uma rápida história dos EUA, tudo começou oficialmente com o anúncio de fevereiro deste ano da Stellantis. A montadora afirmou que estava prestes a fechar a planta de Belvidere, em Illinois, no Centro-Oeste do país. 

À época, a empresa afirmou que estava se preparando para fazer uma “transição custosa” dos motores à combustão para aqueles movidos a eletricidade. Na prática, isso significava deixar a planta “ociosa” — ou seja, fechar postos de trabalho diretos e indiretos na região. 

Carlos Tavares, CEO da montadora anteriormente conhecida por Fiat Chrysler, afirmou que a produção de veículos elétricos é 40% mais cara do que a atual. “A Stellantis”, disse ele, “não pode repassar esses custos aos consumidores porque muitos não conseguiriam comprar carros novos.”

Desde então, montadoras e trabalhadores vivem em constante atrito — e foi na última sexta-feira que a greve explodiu. 

A DINHEIRISTA - Ajudei minha namorada a abrir um negócio e ela me deixou! Quero a grana de volta, o que fazer?

Trabalhadores X Montadoras

Essa foi a primeira vez em mais de 80 anos de histórias das montadoras que a UAW faz greves contra as Big Three ao mesmo tempo.

Enquanto a Ford ofereceu um aumento de 20% por um período diluído em quatro anos e meio, a GM propôs um acréscimo de 18% por quatro anos; já a Stellantis pretende incrementar os salários em 17,5% no mesmo período. 

Dessa forma, analistas internacionais acreditam que a greve pode durar semanas — o que deve afetar os estoques nos EUA e, em última instância, outras partes do globo. 

Alguns modelos de picapes mais parrudas — e populares nos EUA —, que costumam estar presentes em menor número nos estoques, já começam a faltar nas concessionárias. Com isso, a lei da oferta e demanda deve imperar — em outras palavras, os preços podem subir ainda mais. 

O mercado automotivo norte-americano

E o que o Federal Reserve, o Banco Central dos EUA, tem a ver com a greve?

Para começar, os norte-americanos têm um estilo de vida baseado no consumo, o que explica uma longa história de taxas de juros comumente muito baixas. 

Entretanto, o BC por lá precisou iniciar um aperto monetário para conter a inflação galopante. Atualmente, os juros norte-americanos estão na faixa entre 5,25% e 5,50% ao ano — considerados altos para uma economia daquele porte. 

Inflação, juros altos e o aumento do preço do petróleo — consequentemente, da gasolina — nos EUA fizeram os preços de tudo disparar, inclusive dos carros. Assim como no Brasil, o chamado “carro popular” desapareceu das lojas. 

Em números: o preço nas montadoras

Estima-se que o preço médio de um carro novo em 2020 nos Estados Unidos era de aproximadamente US$ 40 mil. Em 2023, um mesmo modelo poderia custar até quase US$ 49 mil. 

Por aqui, um carro popular de entrada saía por volta de R$ 38 mil em 2020; três anos depois, o mesmo modelo está custando quase R$ 60 mil, o que gerou a necessidade de uma intervenção do governo federal.

O presidente do sindicato dos trabalhadores das montadoras, Shawn Fain, reforça que os preços já estavam subindo antes da greve e diz que o trabalho representa uma fração dos custos totais das Big Three.

“Eles poderiam duplicar os nossos salários e não aumentar os preços dos automóveis e ainda assim lucrar milhares de milhões de dólares”, disse ele durante uma apresentação online aos sindicalistas esta semana.

*Com informações da Associated Press e Yahoo Finance

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar