IPCA + 7,5%: receba esta e outras ofertas ‘premium’ de renda fixa no WhatsApp; clique aqui

Cotações por TradingView
2023-01-04T10:39:29-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Vai voar?

Gol (GOLL4) projeta crescimento de 32% na receita líquida em 2023, mas o lucro deve continuar perto do solo

A Gol (GOLL4) enxerga um ambiente mais amigável neste ano, com espaço para crescimento nas margens operacional e Ebitda

4 de janeiro de 2023
10:39
Imagem de avião da Gol (GOLL4) voando num céu azul, com algumas nuvens brancas
Gol (GOLL4) - Imagem: Divulgação

A Gol (GOLL4) quer permissão para decolar em 2023 — mas o céu segue carregado para o setor aéreo brasileiro. A companhia divulgou há pouco algumas projeções operacionais e financeiras para o ano e mostra otimismo quanto a uma recuperação na oferta e na demanda por voos; esse ambiente mais favorável, no entanto, não implica numa retomada firme do lucro.

Chama a atenção a estimativa de crescimento da receita líquida: a Gol trabalha com uma cifra da ordem de R$ 20 bilhões em 2023, o que implica num crescimento de 32% em relação ao ano passado. A oferta de voos deve aumentar até 25% na mesma base de comparação, uma expansão que tende a ser acompanhada pela demanda — a taxa de ocupação das aeronaves tende a permanecer estável, em 80%.

Ou seja: a malha aérea da Gol vai crescer, mais passagens serão vendidas e mais carga será transportada, elevando o faturamento da companhia. No entanto, a última linha do balanço continuará modesta: o lucro por ação projetado para o ano é de cerca de R$ 0,30 — ou pouco mais de R$ 130 milhões.

É verdade que esse número representa uma evolução em relação a 2022, que deve terminar com um prejuízo por ação de R$ 4,60, algo em torno de R$ 2 bilhões no negativo. Ainda assim, o lucro modesto projetado para este ano mostra que o ambiente segue difícil, com pressões diversas nas linhas de custo.

Ainda assim, por mais que as nuvens pesadas ainda não tenham se dissipado, já é possível ver alguns raios de sol: a Gol prevê margens mais saudáveis em 2023, o que tende a trazer as métricas de alavancagem para níveis mais controlados.

Gol (GOLL4): modernizar a frota para diluir custos

No lado das operações, a Gol (GOLL4) quer trabalhar com uma frota média de 118 a 122 aeronaves ao longo deste ano, adicionando até 20 novos aviões à malha na comparação com 2022. E, com mais voos, é natural que haja mais custos: consumo de combustível, tripulação, manutenção, taxas aeroportuárias — há vários itens a serem considerados.

O querosene de aviação (QAV) é um dos principais componentes da linha de custos de uma empresa aérea, e sua precificação é dependente de fatores externos às companhias: em linhas gerais, depende da cotação do dólar e do preço do petróleo, duas variáveis que têm mostrado tendência de alta nos últimos meses.

Sendo assim, há algo a ser feito pela Gol para mitigar esse efeito? A resposta é sim: a companhia está modernizando sua frota — aviões mais novos consomem menos combustível que os mais antigos. A projeção é de que 53 aeronaves Boeing MAX façam parte de suas operações até o fim do ano, ajudando a reduzir a pressão nos custos.

A Gol até revelou algumas de suas estimativas para as linhas de custos. O preço médio de combustível de aviação para o ano é de R$ 5,30 por litro, abaixo dos R$ 5,80/litro praticados em 2022. E, mesmo desconsiderando o efeito do QAV, os custos por assento devem ficar ligeiramente menores, fruto da modernização da frota.

Com custos não tão intensos, a empresa vê uma evolução em algumas métricas financeiras: a margem Ebitda, por exemplo, deve saltar de 18% em 2022 para 24% neste ano; no caso da margem operacional, o avanço previsto é de 7% para 14%.

Endividamento estável, alavancagem em baixa

Em termos de endividamento — um dos grandes fantasmas do setor aéreo como um todo, considerando que boa parte dos compromissos financeiros é firmada em dólares —, a tendência é de estabilidade. A dívida financeira da gol deve ficar em US$ 2,4 bilhões ao fim de 2023, pouco acima dos US$ 2,3 bilhões no ano passado.

Já a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda nos últimos 12 meses, deve cair de 10 vezes no término de 2022 para cerca de seis vezes ao fim de 2023 — graças à evolução projetada do Ebitda ao longo deste ano, como demonstrado pela melhoria das margens.

"Em 2023, a Gol espera gerar aproximadamente R$4,5 bilhões de fluxo de caixa operacional e um fluxo de caixa livre neutro após o investimento líquido e o serviço de dívida", diz a companhia, acrescentando que a posição de liquidez e o caixa disponível devem ficar estáveis.

Gol: quarto trimestre difícil

Por mais que as previsões para 2023 sejam mais animadoras, o quarto trimestre de 2022 da Gol (GOLL4) deve ser difícil, com um prejuízo por ação de R$ 2,30 e um preço médio do combustível de R$ 6,05 por litro, alta de 45% em relação ao mesmo período do ano anterior — o câmbio médio deve ficar em R$ 5,26.

Com isso, a margem Ebitda da Gol no trimestre tende a girar em torno de 20%, enquanto a margem operacional deve ficar perto de 11%. O conjunto de números ficou abaixo do consenso do mercado, segundo o Itaú BBA, especialmente em relação ao Ebitda e à deterioração na alavancagem, que deve fechar o ano em cerca de 10 vezes.

O banco, no entanto, também vê alguns dados positivos, como a alta implícita de 6% nas passagens em relação ao terceiro trimestre — o que mostra que o setor tem conseguido "ser racional na precificação". Além disso, o Itaú BBA também destaca o corte de PIS/Cofins para zero pelo governo Bolsonaro, o que pode ajudar a linha de Ebitda.

"Dado o ambiente ainda desafiador, permanecemos cautelosos com a ação da Gol e mantemos nossa recomendação neutra para GOLL4", destaca o Itaú BBA, que atribui preço-alvo de R$ 22,00 para os papéis da companhia.

GOLL4: ações em leve alta

Considerando tudo e a queda de mais de 3% do petróleo nos mercados internacionais nesta quarta-feira (4), as ações da Gol (GOLL4) operam em alta de 1% nesta manhã, cotadas a R$ 6,70 — o desempenho fica em linha com o do Ibovespa, que avança 0,75% no momento.

Em um ano, no entanto, os papéis ainda amagam baixa de 59%.

As ações da Gol (GOLL4) estão perto das mínimas em um ano, apesar do desempenho positivo visto nesta quarta (4)

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

DIA 31

Está confirmado: Lula vai para os EUA no dia 10 de fevereiro — veja o que ele vai discutir com Biden

31 de janeiro de 2023 - 20:06

Enquanto o encontro não chega, o petista tentou acalmar os ânimos dos investidores — que seguem desconfiados em relação à responsabilidade fiscal do novo governo

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa sobe em meio ao caos de um interminável janeiro; o que afeta a bolsa nos próximos dias?

31 de janeiro de 2023 - 18:57

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta terça-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo

MELHORES DO MÊS

Renascimento cripto: bitcoin (BTC) volta a brilhar, sobe mais de 30% e é disparado o melhor investimento de janeiro; títulos do Tesouro ficam na lanterna

31 de janeiro de 2023 - 18:46

As medalhas de prata e bronze foram para o ouro e para o Ibovespa, em um movimento de busca por segurança — e barganhas

ESTAGNOU?

Dividendos do Maxi Renda (MXRF11) não cresceram em 2022, mas os proventos destes outros três fundos imobiliários subiram mais de 50% — veja quais são

31 de janeiro de 2023 - 18:33

O melhor resultado foi obtido pelo Santander Papéis Imobiliários CDI (SADI11), com alta de 77,1%

RELATÓRIO DE PRODUÇÃO

Pé no freio: produção e vendas da Vale (VALE3) registram recuo tímido em 2022; confira os destaques operacionais da mineradora

31 de janeiro de 2023 - 18:30

A produção e a comercialização de minério de ferro da companhia se aproximaram da estabilidade no ano passado, com leves quedas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies