🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Repercussão do resultado

Banco do Brasil acredita em recuperação de ativos da Americanas

Dos grandes bancos brasileiros, o Banco do Brasil é o que tem menor exposição à Americanas e decidiu provisionar apenas metade

Flavia Alemi
Flavia Alemi
14 de fevereiro de 2023
12:28 - atualizado às 20:29
Tarciana Medeiros, presidente do Banco do Brasil
Imagem: Nilton Fukuda/Perspectiva

Diferentemente de bancos privados, como Bradesco (BBDC4) e Itaú (ITUB4), o Banco do Brasil (BBAS3) decidiu provisionar apenas metade da sua exposição ao caso Americanas (AMER3). E isto aconteceu porque a instituição acredita que haverá recuperação dos ativos.

“Neste caso específico, avaliou-se que 50% era adequado segundo nossa metodologia e informações que tínhamos. A gente enxerga que vai haver recuperação de ativos porque existem ativos a serem recuperados”, disse o diretor financeiro, Ricardo Forni, durante coletiva com jornalistas.

O evento foi o primeiro para comentar resultados com a presença da nova presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, no comando. Ela assumiu o cargo em meados de janeiro, substituindo Fausto Ribeiro na direção.

Com o caso Americanas sob escrutínio, o BB afirmou que o escândalo foi analisado de maneira personalizada e a decisão de provisionar apenas metade da exposição não foi feita levando em consideração o impacto no desempenho do banco em 2022 ou em 2023.

De qualquer forma, caso o banco tivesse feito um provisionamento total, ainda teria registrado desempenho acima do esperado.

Dos grandes bancos brasileiros, o BB é o que tem menor exposição à varejista — R$ 1,3 bilhão, de acordo com a lista de credores divulgada pela Americanas. Desse montante, a instituição decidiu provisionar R$ 788 milhões.

Os executivos defenderam seus processos de análise de crédito, mas ressaltaram que há componentes de “assimetria de informações que analista algum é capaz de constatar”. E, ao contrário de pares como Itaú, Bradesco e BTG, o BB evitou classificar o caso como fraude.

Leia mais:

Banco do Brasil: resultado impressionante

O BB concluiu o ano passado com lucro líquido ajustado de R$ 31,8 bilhões, uma alta de 51,3% em relação a 2021. No quarto trimestre isolado, o lucro foi de R$ 9,039 bilhões, afetado pelas provisões adicionais com o caso Americanas. Ainda assim, o resultado é 52,4% maior do que no 4T21 e marca um novo recorde na história do banco.

Tanto o resultado do ano quanto do trimestre ficaram acima das expectativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg, que projetavam lucro anual de R$ 30,471 bilhões e trimestral de R$ 8,035 bilhões.

O retorno sobre o patrimônio líquido (RSPL), que mede a rentabilidade do banco, também cresceu e ficou em 21,1% no ano e em 23% no quarto trimestre — patamar acima, inclusive, dos bancos privados.

Desconsiderando as provisões com a Americanas, o lucro teria sido de R$ 9,4 bilhões no trimestre, com RSPL anualizado de 23,4%. No ano, o lucro teria totalizado R$ 32,2 bilhões.

O Seu Dinheiro acaba de liberar um treinamento exclusivo e completamente gratuito para todos os leitores que buscam receber pagamentos recorrentes de empresas da Bolsa. [LIBERE SEU ACESSO AQUI]

Analistas estão otimistas, mas com receios

De maneira geral, os analistas consideraram o balanço impressionante e reiteraram recomendações de compra do papel. O BTG Pactual publicou um relatório destacando que, mesmo com os riscos envolvidos numa estatal, a ação do Banco do Brasil (BBAS3) está barata.

“Nós sentimos que os investidores estão sempre procurando por uma razão para não comprar (a nova é que o BB não deveria estar entregando um lucro tão forte no cenário atual)”, disseram os analistas do BTG. Mas, na visão deles, o banco tem “anticorpos” para evitar intervenções governamentais.

Uma das analistas que se mostra receosa com as mudanças a serem implementadas pela nova gestão é a analista da Empiricus Larissa Quaresma.

“É sabido que os executivos nomeados pelo governo, embora com histórico profissional respeitado, implementarão uma agenda mais voltada para o social, o que pode machucar os lucros no médio prazo”, disse a analista.

Banco do Brasil: vem mais por aí

As projeções de crescimento (guidance) do banco em 2023 também deixaram os analistas empolgados com o futuro do BB.

O Safra destacou que o bom momento do banco deve continuar e, se as projeções do banco para o lucro líquido se confirmarem em 2023, o resultado ficará 14% acima das estimativas dos analistas.

“No meio do caminho, a ação do BB seria negociada a 3,3 vezes o índice preço/lucro, o que vemos como um valuation atrativo”, disse o Safra em relatório.

A empolgação maior em relação ao combo resultados fortes e guidance agressivo ficou com o JP Morgan: em relatório, elevou a recomendação para as ações BBAS3, de neutro para compra, destacando ainda que as ações do Banco do Brasil agora são as favoritas no setor — Itaú, Bradesco e Santander Brasil vêm em sequência.

Nesta terça-feira, a ação do BB (BBAS3) reage ao balanço de maneira positiva e lidera os ganhos do Ibovespa, com alta acima de 4% e preço no patamar de R$ 42.

Confira as recomendações para o papel às quais o Seu Dinheiro teve acesso:

InstituiçãoRecomendaçãoPreço-alvo
Itaú BBACompraR$ 48
JP MorganCompra (elevado de neutro)R$ 56
SafraCompraR$ 61
BTG PactualCompraR$ 57
Bradesco BBICompraR$ 57
Goldman SachsCompraR$ 52*
XPCompraR$ 61
GENIALCompraR$ 52,60
EMPIRICUSCompra-
*Revisado de R$ 48 no dia 15/02/2023

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar