🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Estadão Conteúdo
ENTREVISTA

Eleitor de Lula contra Bolsonaro, Armínio Fraga vê risco de petista se atrapalhar na economia

Ex-presidente do Banco Central sob FHC, Arminio Fraga vê ataques de Lula à autoridade monetária como ‘equívoco’

Armínio Fraga
Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central. - Imagem: HSM Brasil

Ex-presidente do Banco Central, Arminio Fraga avalia que ainda é cedo para qualquer conclusão em relação ao terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo ele, o novo governo tem uma chance histórica de recuperar áreas cruciais para o País, mas há muitos riscos na condução da política econômica.

"Vejo muito potencial de um lado, mas vejo algum risco do outro lado", disse Arminio, sócio-fundador da Gávea Investimentos.

Em entrevista ao Estadão, ele afirmou que as declarações de Lula contra o Banco Central são um "equívoco".

"Se ele (Lula) quiser colaborar para derrubar os juros, pode dar mais atenção à responsabilidade fiscal", disse o economista, que, ao lado de outros economistas liberais, declarou voto no petista no segundo turno da eleição presidencial.

A seguir, os principais trechos da entrevista com Armínio Fraga:

Que leitura o sr. faz sobre o embate entre Lula e o presidente do Banco Central?

Se ele (Lula) quiser colaborar para derrubar os juros, devia dar mais atenção à responsabilidade fiscal.

Ele passou a campanha inteira dizendo que teve superávit primário (nos seus outros governos) - e teve, de fato - e, agora, está lidando com um déficit primário, que, na verdade, nasceu com o colapso fiscal de 2015 e 2016.

O presidente poderia liderar um movimento, mas não na direção que estamos vendo.

É verdade que o ministro (Fernando) Haddad (da Fazenda) teve a coragem de dar um passo na direção contrária. É um sinal importante, mas o que está pesando é o todo.

É um desprezo raivoso pela responsabilidade fiscal e, depois, o ataque ao Banco Central me parece um equívoco. O Banco Central tem, por lei, autonomia para cumprir objetivos que são determinados pelo governo.

Quais podem ser as consequências econômicas?

Toda vez que a temperatura sobe na economia, aumenta a incerteza, a economia começa, na verdade, a se defender, com medo. E isso é recessivo.

O País pode ter um crescimento ainda mais baixo em 2023, então?

Nos momentos em que a inflação ameaça sair de controle, como foi o caso, e ainda é, em certa medida, a economia tende a desacelerar num processo de correção de rumo.

Se os rumos não forem corrigidos, ela vai desacelerar mais ainda. Cabe ao governo escolher a melhor situação: fazer o ajuste e, no fundo, proteger o povo, porque é quem sofre quando a inflação sobe.

Como o sr. viu os quase 40 dias iniciais do governo?

Estou vendo um governo que tem uma oportunidade histórica de mostrar serviço em áreas cruciais, tais como educação, saúde e meio ambiente, mas que infelizmente está correndo o risco de se atrapalhar pelo lado da macroeconomia.

Vejo muito potencial de um lado, mas vejo algum risco do outro lado. Fui um crítico público do governo anterior (de Jair Bolsonaro), que fez algumas coisas boas também. Mas, no geral, eu fui crítico, sobretudo, por razões políticas.

E eu vejo, portanto, um bom espaço para esse governo reforçar a qualidade da nossa democracia, pacificando o funcionamento dos três Poderes, que são naturalmente tensos, mas não no ponto em que a coisa chegou.

Temos visto algo que passa do campo construtivo e mergulha no destrutivo. Tem muita coisa que esse governo pode fazer, muita coisa que precisa de uma visão, que ainda não está completamente posta.

O Brasil tem sido uma vítima histórica de más ideias, de uma ideologia mal implantada, uma visão velha, frequentemente intervencionista, capturada por grupos de interesse. Está cedo para uma conclusão final. Só acho que, na área macroeconômica, em particular, os sinais não são bons.

E qual é a avaliação sobre o plano fiscal apresentado?

Esse foi um primeiro passo. O próprio ministro (Haddad) reconheceu que, provavelmente, ele cumpriria metade das propostas. Sabemos que as áreas com espaço para economizar são difíceis e são três: folha de pagamento do setor público, Previdência e esse emaranhado de subsídios regressivos, inclusive nas regras do Imposto de Renda.

O governo precisa se posicionar nessas três áreas com clareza e coragem. Imagino que um governo do PT deveria, naturalmente, correr atrás desses subsídios todos. Os outros dois não estão no radar. Ou seja, a chance de um sucesso convincente e que realmente ponha o País nos trilhos, por enquanto, é limitada.

Compartilhe

TRANSAÇÕES LIMITADAS

O fim das apostas esportivas no cartão de crédito: governo define novas regras para o ‘mercado bet’

18 de abril de 2024 - 14:31

Criada em 2018, a modalidade lotérica que reúne eventos virtuais e reais vem sendo regulamentada desde o ano passado

LOTERIAS

Lotofácil tem dois ganhadores, mas ninguém fica milionário — e outra loteria vai pagar prêmio de R$ 174 milhões nesta semana

18 de abril de 2024 - 9:37

Duas apostas cravaram as 15 dezenas sorteadas no concurso 3081 da Lotofácil; confira os números que saíram na loteria

COM A PALAVRA, O CHEFE DO BC

Qual o futuro dos juros no Brasil? Campos Neto dá pistas sobre a trajetória da taxa Selic daqui para frente

17 de abril de 2024 - 20:03

O presidente do banco central falou sobre a inflação, o mercado de trabalho e sobre a trajetória da economia durante entrevista para a CNBC

Oficializou

Senado aprova isenção de imposto de renda para quem ganha até dois salários mínimos por mês; projeto vai à sanção presidencial

17 de abril de 2024 - 19:08

Aprovação do projeto de lei oficializa medida provisória publicada pelo governo em fevereiro; limite de isenção do imposto de renda passa para R$ 2.824

OS ARGUMENTOS DO MINISTRO

Haddad responde aos mercados sobre ruídos provocados por meta fiscal; veja o que o ministro falou

16 de abril de 2024 - 19:06

Haddad argumentou que o ajuste estabelece uma trajetória “completamente em linha” com o que se espera no médio prazo de estabilidade da dívida

REALITY SHOW

A final do BBB 24 está aí: Quanto o prêmio recorde de R$ 2,92 milhões renderia se o vencedor resolvesse viver de renda?

16 de abril de 2024 - 18:29

O Big Brother Brasil pagará o maior prêmio da história na final desta edição, com Davi, Isabelle e Matheus na disputa. Mas é possível viver apenas com a bolada?

DE OLHO NAS REDES

Petrobras (PETR4) é uma das melhores petroleiras do mundo, mas ‘risco Lula’ empaca: “ações podem desabar da noite pro dia” — o que fazer com os papéis? 

16 de abril de 2024 - 15:51

“Se você focar apenas em resultados, a Petrobras (PETR4) é uma das melhores petroleiras do mundo”. É assim que o analista Ruy Hungria começa sua participação no mais recente episódio do podcast Touros e Ursos. Ele explica que a estatal tem margens até melhores do que as gigantes do setor — como Chevron, Exxon e […]

NAS ALTURAS

Dólar em R$ 5,28: os dois eventos que fizeram a moeda norte-americana atingir o maior patamar em mais de um ano

16 de abril de 2024 - 11:44

Entenda por que os investidores buscam abrigo em ativos considerados porto seguro como o ouro e os títulos do Tesouro dos EUA

LOTERIAS

Lotofácil: Apostador “virtual” fatura prêmio milionário sozinho; Mega Sena sorteia hoje bolada de R$ 66 milhões

16 de abril de 2024 - 9:39

Enquanto a Quina e a Lotomania acumularam, a Lotofácil registrou um vencedor ontem. Confira os números sorteados nas principais loterias da Caixa Econômica Federal

SHINE BRIGHT

Ouro a US$ 3 mil: por que o Citi enxerga disparada de 26% do metal precioso — e nem tudo tem a ver com as guerras

16 de abril de 2024 - 9:02

Para os especialistas do Citigroup, a commodity deve ser impulsionada pelo aumento da demanda dos investidores institucionais e dos bancos centrais

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar