2022-05-05T09:41:26-03:00
OPERAÇÃO TRIUNO

Allied Tecnologia (ALLD3) fecha acordo de leniência de R$ 23,8 milhões com Ministério Público; relembre o caso

A operação investiga o envolvimento de três empresas que teriam se valido de um mesmo expediente para oferecer vantagem indevida a servidores públicos com o objetivo de reduzir crédito tributário ou conseguir ressarcimentos antecipados de impostos

3 de maio de 2022
19:40 - atualizado às 9:41
Imagem: Allied Tecnologia

A Allied Tecnologia (ALLD3) anunciou nesta terça-feira (03) a assinatura de um acordo de leniência no valor de R$ 23,8 milhões com o Ministério Público Federal (MPF) no âmbito da Operação Triuno. 

A ação foi deflagrada pela Polícia Federal em outubro de 2020 para apurar fraudes de cerca de R$ 980 milhões em autuações fiscais e corrupção de servidores da Receita Federal.

Segundo a PF, a operação investiga o envolvimento de três empresas que teriam se valido de um mesmo expediente para oferecer vantagem indevida a servidores públicos com o objetivo de reduzir crédito tributário apurado em procedimentos fiscais abertos, ou conseguir ressarcimentos antecipados de tributos.

O acordo também prevê a obrigação de aprimoramento contínuo do programa de integridade da Allied pelo prazo de cinco anos, com o envio de  relatórios anuais ao Ministério Público do Estado de São Paulo a  respeito das medidas adotadas. 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Recordar é viver

A Operação Triuno teve como ponto de partida informações prestadas pelos advogados Luiz Carlos da Fonseca Claro e Gabriel Silveira da Fonseca Claro, pai e filho, em delação premiada firmada com a Justiça. 

Eles revelaram aos investigadores como usaram o escritório de advocacia e outras empresas controladas pela família para servir a companhias interessadas em lavar dinheiro.

A investigação teve início em março de 2018 com uma auditoria na Allied, apontada como uma das clientes do esquema.

 Inicialmente o inquérito contou com duas etapas ostensivas de buscas em endereços ligados aos investigados: as operações Descarte e a Chiaroescuro. Após as batidas da Polícia Federal, os Claro decidiram fechar os acordos de colaboração premiada.

Segundo as delações, além da Allied, Qualicorp e a Rimo Entertainment foram atendidas pelas operações simuladas de prestação de serviços e fornecimento de produtos mediante a emissão de notas fiscais frias.

Para a manutenção do esquema, segundo a Polícia Federal, os advogados mantinham, além do escritório, pelo menos sete empresas usadas nas operações financeiras para ocultar a origem do dinheiro. Em troca dos serviços, cobravam uma 'comissão' média de 2,5% calculada a partir dos valores movimentados.

Allied, Rimo e Qualicorp

Documentos do inquérito indicavam que a Allied teria repassado R$ 996 mil aos Claro. Por sua vez, a Rimo Entertainment transferiu R$ 1,5 milhão. Do Grupo Qualicorp, os advogados teriam lavado R$ 2,5 milhões.

Os valores teriam sido usados para viabilizar fraudes fiscais e para pagar os auditores federais Willians Gonçalves Nogueira, Roberto Augusto Ribeiro e Eli Guedes da Silva e o agente de fiscalização de imposto da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Agostinho Ientile Junior.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O SOL HÁ DE BRILHAR MAIS UMA VEZ

Cemig (CMIG4) amplia presença em energia solar em negócio milionário; confira os detalhes do negócio

A transação envolve três usinas fotovoltaicas e reforça a estratégia da companhia de crescimento sustentável no mercado de geração distribuída

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa abaixo dos 100 mil novamente, presidente da Caixa pede demissão e o salvador do mundo cripto; confira os destaques do dia

As últimas semanas parecem ter inaugurado um novo modus operandi no mercado financeiro: não há boa notícia ao amanhecer que perdure até o anoitecer.  Alta de commodities, alívio no cenário fiscal, retomada econômica chinesa. Pode escolher a sua arma, nada parece forte o suficiente para enfrentar o temor de uma recessão global e de um […]

Nova aquisição

Ambipar (AMBP3) volta às compras e adquire a Bioenv, que desenvolve projetos de monitoramento do meio ambiente

Como a compra foi feita por meio da controlada Ambipar Response ES S.A., não precisará ser aprovada pelos acionistas da empresa mãe

FECHAMENTO DO DIA

Temor de recessão segue forte e Ibovespa volta a perder os 100 mil pontos; dólar cai com PEC melhor que o esperado

O Ibovespa chegou a amanhecer no azul, mas os temores que rondam o mercado falaram mais alto

CONTROLE DE DANOS

Pedro Guimarães entrega carta de demissão a Jair Bolsonaro e rebate acusações de assédio; veja quem o sucederá na presidência da Caixa

Guimarães deixa o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público Federal por múltiplas denúncias de assédio sexual