Menu
2021-04-13T18:30:15-03:00
Estadão Conteúdo
Fim do impasse?

Governo prepara PEC para destravar gastos e finalizar discussão do Orçamento

Texto permitiria despesas com obras patrocinadas por parlamentares e renovação de programas governamentais

13 de abril de 2021
14:31 - atualizado às 18:30
PEC Orçamento
(Brasília - DF, 03/02/2021) Presidente da República, Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa com Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado Federal; e Arthur Lira, Presidente da Câmara dos Deputados. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O governo federal estuda apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para destravar os novos programas de combate aos efeitos econômicos da covid-19 e, de quebra, resolver o impasse no Orçamento de 2021. 

A minuta do texto, obtida pelo jornal O Estado de S. Paulo, permite despesas de até R$ 18 bilhões em obras patrocinadas por parlamentares fora do teto de gastos - que limita o avanço das despesas à inflação - e de outras regras fiscais.

Guedes aprova?

Segundo auxiliares do ministro da Economia procurados pela reportagem, Paulo Guedes, a proposta ainda não recebeu sua validação definitiva, mas a equipe econômica participa das discussões e tenta diminuir esse valor para R$ 15 bilhões.

A alternativa da PEC ganhou força porque, para a Economia, seria uma maneira de "carimbar" os créditos extraordinários necessários para bancar a nova rodada de programas de ajuda às empresas e aos trabalhadores, sem recorrer à calamidade. 

Contudo, Guedes avalia que apertar esse "botão" seria equivalente a um "cheque em branco" para despesas adicionais, com risco de igualar 2020, quando os gastos da crise chegaram a 8% do PIB.

O ministro prefere que as injeções de recursos sejam "muito cuidadosas, efetivas e com foco nos programas que deram certo". Nos bastidores, a PEC já foi apelidada de "fura-teto" e pode opor novamente a ala mais técnica do Ministério da Economia ao grupo que está disposto a fazer concessões.

Emendas requerem espaço no Orçamento

Para a ala política, a proposta é solução para abrir espaço às emendas parlamentares que hoje geram impasse na discussão do Orçamento de 2021. O governo acertou R$ 16,5 bilhões em emendas para os congressistas patrocinarem ações de seu interesse, em troca da aprovação da PEC emergencial.

Aprovada no mês passado, a proposta recriou o auxílio emergencial e instituiu medidas futuras de ajuste consideradas essenciais pela Economia. Contudo, para fazer caber esses gastos, despesas obrigatórias (inclusive com a Previdência) foram subestimadas, e o caso virou alvo de investigação pelo TCU.

Para desfazer a maquiagem no Orçamento, seria preciso vetar as emendas, um movimento indesejado sob o ponto de vista político, sobretudo após a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso de determinar a instalação da CPI para apurar eventuais erros e omissões do governo no combate à pandemia.

Texto possibilita ajuda a empresas

Na minuta, estão previstos R$ 10 bilhões para renovar o BEm, programa que permite redução de salário e jornada por parte das empresas. Segundo o governo, a medida ajudou a manter 11 milhões de empregos em 2020 e sua reedição é uma demanda das companhias mais afetadas pelas medidas de distanciamento social.

Há ainda outros R$ 7 bilhões para o Pronampe, programa de crédito para micro e pequenas empresas, com garantia do Tesouro Nacional. A equipe econômica, no entanto, tenta limitar esse valor a R$ 4 bilhões. Esse volume de garantias, segundo uma fonte envolvida nas negociações, já seria suficiente para conceder R$ 40 bilhões em novos empréstimos.

O aval para obras, por sua vez, está em um dispositivo separado, com redação mais genérica, e prevê até R$ 18 bilhões para "outras despesas que tenham por objetivo atenuar os impactos sanitários, sociais e econômicos, agravados durante o período da pandemia de covid-19".

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies