2021-04-25T16:15:12-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
última etapa

Cade aprova compra de ativos brasileiros da Laureate pela Ânima

Grupo de educação reforça sua posição no mercado de ensino superior com incorporação de nomes como Anhembi Morumbi e FMU

25 de abril de 2021
16:20 - atualizado às 16:15
Sala de aula com alunos e professor Ânima Cogna Yduqs
Imagem: Shutterstock

A Ânima Educação (ANIM3) anunciou na sexta-feira (23) à noite que a superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a compra de todos os ativos brasileiros do grupo americano Laureate.

Agora, após a publicação do ato, terá início amanhã (27) a contagem do prazo de 15 dias para que referida decisão transite em julgado, se tornando, então, definitiva.

A decisão é o último passo para a Ânima incorporar um portfólio de faculdades que conta com nomes como Anhembi Morumbi e FMU, numa operação que totalizou R$ 4,4 bilhões, superando a proposta da Ser Educacional (SEER3).

“O movimento estratégico da Ânima Educação, por sua magnitude e relevância, cria a companhia com o portfólio de melhores e mais valiosas marcas do país e vem reafirmar nosso compromisso de construir uma companhia sólida, com visão de longo prazo e pessoas apaixonadas e obstinadas que buscam incansavelmente gerar impacto positivo para a sociedade”, diz trecho do comunicado.

No Brasil desde 2005, o Grupo Lareate tem mais de 270 mil alunos, distribuídos em 11 instituições de ensino superior, em sete Estados e 13 cidade, fechou inicialmente acordo com a Ser para vender seus ativos num acordo que envolvia o pagamento de R$ 1,7 bilhão em dinheiro mais 101.138.369 em ações.

No entanto, a Ânima ofereceu uma proposta superior em R$ 500 milhões a mais, e com pagamento integral em dinheiro, e acabou levando a melhor.

A Ser até brigou na Justiça para garantir que o contrato que assinou com a Laureate continuasse vigente, mas acabou optando por fechar um acordo com a Ânima e recebeu alguns dos ativos, no caso, a Faculdade Internacional da Paraíba (FPB) e do Centro Universitário dos Guararapes (UniFG) e do CEPEDE Business School, em Pernambuco.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CHAPA CONFIRMADA

Eleições 2022: Veja quantos milhões Lula e Alckmin declararam ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

7 de agosto de 2022 - 12:49

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin confirmaram a chapa ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

NÃO ENTRE NESSA

AMTD Digital (HKD): A ação desconhecida que subiu mais de 32.000% em menos de um mês e agora entra em queda meteórica

7 de agosto de 2022 - 11:18

Recém-chegada a Nova York, as ações da AMTD Digital levaram a companhia a valer mais do que grandes bancos como o Goldman Sachs e BofA

ROTA DO BILHÃO

O Lobo de Cashmere: Como Bernard Arnault, dono da LVMH, fez uma fortuna de US$ 168,6 bilhões a partir de bolsas e joias

7 de agosto de 2022 - 8:15

Formado em engenharia e apelidado como “Exterminador do Futuro”, o francês transformou uma empresa de tecidos falida na maior companhia da Europa

IVAN SANT'ANNA

Sob a névoa da guerra: as chances de Rússia e Ucrânia após seis meses de conflito

7 de agosto de 2022 - 7:29

As coisas não se passaram da maneira que Putin queria, e já é muito remota a chance de a Rússia anexar integralmente o seu vizinho do oeste

Existe esperança

Elon Musk flerta com a possibilidade de seguir em frente com a compra do Twitter — mas antes quer certeza sobre o número de usuários da rede

6 de agosto de 2022 - 15:19

O bilionário Elon Musk, dono da Tesla, voltou a usar o próprio Twitter para pressionar os executivos da rede social

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies