Menu
2021-06-08T18:22:11-03:00
Estadão Conteúdo
perspectivas

Guedes diz não esperar ‘nenhum barulho’ do mercado com prorrogação de auxílio

Ministro disse que o custo de mais dois meses de auxílio emergencial é de R$ 18 bilhões, mas R$ 7 bilhões já estão previstos

8 de junho de 2021
18:22
Paulo Guedes
Paulo Guedes, ministro da Economia - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse não esperar "nenhum barulho" do mercado com a abertura de crédito extraordinário para a prorrogação do auxílio emergencial.

Em evento do Bradesco BBI, Guedes afirmou que o custo de mais dois meses de auxílio emergencial é de R$ 18 bilhões, mas R$ 7 bilhões já estão previstos.

"Precisaremos de R$ 11 bilhões em crédito extraordinário para prorrogação de auxilio emergencial. Se pusermos mais R$ 12, R$ 13 bilhões com o novo auxilio emergencial, não espero barulho do mercado. Mesmo estando em uma pandemia, estamos preocupados com o déficit", comentou o ministro.

Ele ressaltou que a arrecadação veio R$ 100 bilhões acima do previsto neste ano, o que melhorou as previsões para o rombo nas contas públicas.

Lembrou também que a perspectiva era de um déficit público de 3,5%, que passou para 2,7%. "Se for para 2,9% com nova rodada de auxílio sem problemas", acrescentou.

Mundo político

O ministro da Economia disse ainda que o mundo político tem "horizontes de quatro anos" por causa das eleições e por isso não se preocupa em reduzir o déficit público.

No evento do Bradesco BBI, Guedes afirmou que é para estimular o setor político que ele quer que os recursos das privatizações sejam colocados em fundo para redução da pobreza.

"Políticos precisam de resultados de curto prazo. Queremos privatizar companhias para nos livrar das perdas e dar o dinheiro para os pobres", comentou o ministro.

Guedes disse ainda que o governo recebe R$ 30 bilhões em dividendos de boas companhias e gasta com as estatais dependentes do orçamento do Tesouro Nacional. "Destruímos o valor de uma Petrobras a cada sete anos com as perdas das estatais dependentes", acrescentou.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies