Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-27T12:39:02-03:00
Letícia Flávia Pinheiro
Letícia Flávia Pinheiro
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo, trabalhou com jornalismo cultural, assessoria de imprensa e marketing na Jornalismo Júnior (ECA - USP) e com produção de conteúdo na Agência Estufa.
RADIO CASH

‘É preciso tirar o Estado do cangote do cidadão’: entenda como a máquina pública derrotou os planos de Salim Mattar de privatizar o Brasil

Em entrevista ao podcast RadioCash, o ex-secretário do Ministério da Economia e fundador da Localiza, Salim Mattar, divide os desafios para o Brasil se afirmar como um país liberal; O empresário compartilha sua passagem pelo governo Bolsonaro, sua perspectiva de privatização da Eletrobras e defende o liberalismo econômico; Confira a entrevista na íntegra:

27 de abril de 2021
12:38 - atualizado às 12:39
salim mattar, secretário de privatizações
Imagem: Reprodução/Ministério da Economia

Fundador da Localiza (RENT3) e um dos maiores patrocinadores do liberalismo no Brasil, Salim Mattar chegou ao governo Bolsonaro em 2019 querendo ‘transformar o Brasil’. Seu objetivo? Privatizar mais de 600 estatais brasileiras. Mas a expectativa não correspondeu à realidade: ele deixou o governo 18 meses depois de assumir a secretaria. Até agora, só uma empresa foi fechada na gestão atual. 

O que levou o empresário a sair do governo e abandonar sua missão de privatizar o Brasil? Existe algum culpado nessa história?  

Em entrevista ao RadioCash, podcast produzido pela Empiricus e pela gestora Vitreo, Mattar revela o que deu errado em sua passagem pelo governo Bolsonaro, tece críticas ao sistema público e explica o quão distante estamos de ter um Brasil liberal, sob a ótica de quem conheceu as “entranhas do poder”. 

Basta apertar o play abaixo e confira em primeira mão o que uma das maiores referências liberais no Brasil tem a dizer: 

Caso você defenda o liberalismo, ou então queira aprender sobre, sugiro conferir a entrevista de Salim Mattar na íntegra. O empresário “dá aula” sobre o tema de maneira leve, didática e bem-humorada em conversa com o analista Felipe Miranda, o gestor Jojo Wachsmann e a jornalista Ana Westphalen. 

A seguir, trago nessa matéria algumas das principais discussões que surgiram durante a entrevista:  

Privatização no governo Bolsonaro: a que ponto ela se encontra? 

“Vinte oito meses de governo se passaram. Uma empresa foi fechada”, diz Mattar, se referindo a extinção da Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais (Casemg), processo que durou 21 anos para acontecer, segundo ele. 

Durante a entrevista, o criador da Localiza conta sobre a burocracia e lentidão da máquina pública no processo de privatizações de estatais brasileiras ineficientes. “A máquina não aceita ser reduzida de tamanho. Para ter poder, ela precisa de grandiosidade. Se o estado for pequenininho, enxuto, o pandeiro diminui. Então, não há interesse das elites brasileiras em aprovar, apoiar ou concluir um processo de privatização”, explica o empresário.

Justamente por isso, Mattar não está confiante de que os Correios sejam privatizados este ano, apesar de toda a discussão sobre o tema.

Já em relação a privatização da Eletrobras, que também vem sendo muito comentada, Salim está mais otimista e vê chances disso acontecer ainda em 2021, embora este projeto esteja parado no Congresso há 14 meses

O empresário torce para que a estatal seja capitalizada o quanto antes, já que ela precisa de 14 bilhões de investimento por ano para continuar em exercício, enquanto ela só vem recebendo dois bilhões. Ele explica: “o governo não tem dinheiro nem para ajudar a população em necessidade nesse momento de pandemia. Enquanto isso, tem dinheiro sobrando na iniciativa privada, que pode investir na companhia e acelerar seu crescimento”.  

“Existe uma grande resistência ainda com relação à capitalização da Eletrobras, porque o Congresso está dominado por uma mentalidade social democrata, que é a favor de um Estado grande, que tudo pode e que tudo deve fazer pelos cidadãos”, afirma Salim Mattar.

No RadioCash, Mattar desenvolve um pouco mais os benefícios acerca da privatização dessas empresas, entenda: 

Também nesse episódio, Mattar divide um episódio ocorrido quando era secretário de desestatização: 

Entregaram-no um relatório que dizia existir 134 estatais federais no Brasil. “Mineiro que sou, desconfiado, não acreditei e resolvi fazer um levantamento real de quantas estatais subsidiárias, coligadas e investidas existiam no Governo Federal. Encontrei 698”, revela.   

Para o ex-secretário, isso demonstra o gigantismo do Estado, característica que deve ser combatida o quanto antes, segundo ele. “Há anos o Brasil está sendo governado pelos sociais-democratas, que aumentam a máquina pública. Graças a isso, temos um estado gigantesco. É como numa balança, alguém paga por isso. Daí a tamanha pobreza e desigualdade no Brasil.”

O criador da maior empresa de aluguel de carros da América Latina defende a necessidade de reduzir o tamanho do estado para aumentar a liberdade do cidadão, bem como sua qualidade de vida. “Somente os liberais serão capazes de fazer isso”.

Falta pouco para o liberalismo no Brasil? 

De acordo com Salim Mattar, o pensamento liberal ainda é elitista e desconhecido por grande parte da população. Justamente por isso, o empresário se dedica a difundir essa corrente, com a esperança de que um dia o Brasil possa se afirmar como um país liberal.

Embora o Ministro da Economia, Paulo Guedes, represente o liberalismo no governo Bolsonaro, Mattar enxerga esse governo como social-democrata, isto é, aquele que aceita o capitalismo mas se utiliza de intervenções econômicas e sociais. “Guedes está atado, não consegue fazer as coisas. Passou a reforma da previdência, a lei do gás, do saneamento... Mas vinte e oito meses se passaram, e só isso foi feito”. 

Ainda que você não concorde com o discurso liberal de Mattar, ter o contato com diferentes linhas de pensamento é fundamental para pensar em como podemos melhorar o Brasil, escolher seu posicionamento político e também entender o impacto desses ideais nos seus investimentos. 

Por isso, recomendo que escute esse episódio do RadioCash, o podcast que toda semana traz grandes personalidades para ampliar seu conhecimento de mercado financeiro e para te deixar alinhado com o que acontece de mais quente na economia. 

Pode ser que você até discorde de Salim Mattar em alguns pontos, assim como aconteceu comigo. Mas uma coisa é certa: você vai aprender e ampliar sua visão depois de escutar esse podcast. 


Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

O melhor do Seu Dinheiro

Os melhores investimentos do mês e as notícias que foram destaque na semana

lém do ranking, tivemos o Ibovespa em queda de 2,60, e uma entrevista exclusiva com o CEO da Ânima Educação, que busca um “modelo Magalu”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies