Menu
2021-02-11T19:05:01-03:00
Estadão Conteúdo
Ex-ministro da Economia

‘Não adianta só falatório, tem de privatizar mesmo’, diz Henrique Meirelles

Meirelles inclui a aprovação das reformas tributária, tendo como ponto de partida o texto apresentado pelos Estados.

11 de fevereiro de 2021
14:13 - atualizado às 19:05
Henrique Meirelles
Henrique Meirelles - Imagem: Joedson Alves/Estadão Conteúdo

Atual secretário de Fazenda de São Paulo e ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles dá a receita para as prioridades da agenda econômica pelo Congresso nesse início de 2021.

Leia também:

"Não adianta grandes planos, falatório. Tem de privatizar mesmo." Meirelles inclui a aprovação das reformas tributária, tendo como ponto de partida o texto apresentado pelos Estados, e administrativa para cortar despesas.

O sr. acredita no plano de privatizações do governo federal?

Tem de privatizar. Não adianta só grandes planos, falatório, tem de privatizar mesmo. Tem de fazer concessões de infraestrutura, mas em grande escala. Aqui em São Paulo, mesmo durante a pandemia, fizemos a maior concessão rodoviária da história do País, que é a rodovia Piracicaba-Panorama, cortando 62 municípios, com investimento comprometido de R$ 14 bilhões.

Mas é concessão. Tem privatização?

Estamos contratando consultores para fazer o modelo da Empresa Metropolitana de Águas e Energia.

É um modelo para privatização?

O modelo não podemos pré-anunciar à medida que isso tem de ser objeto de comunicado no momento em que tiver o formato definido. Agora, estamos abertos a todas as possibilidades. Em relação às fundações, o que acontece é que São Paulo tem um grande número de empresas que já perderam a finalidade e que continuavam a existir, com um corpo grande de funcionários. Estamos fechando um número considerável.

Está difícil também para São Paulo privatizar? O nome da Sabesp aparecia nos planos do início do governo, há dois anos.

É uma empresa muito grande e tivemos a pandemia no meio do processo e, agora, está retomando todo o processo de estudos, contratação de consultores para fazer os estudos técnicos.

Como o sr. vê a pauta de prioridades da agenda econômica no Congresso que foi apresentada? O que é mais importante?

Primeiro, precisaria aprovar uma reforma tributária bem feita. Um bom ponto de partida é o substitutivo apresentado pelos Estados que, pela primeira vez em três décadas, por unanimidade chegaram a um acordo para o ICMS e o ISS dos municípios. O governo tem ainda de definir claramente qual é a proposta final, principalmente para o Imposto de Valor Adicionado (IVA). Isso é muito importante para simplificar toda a complexidade tributária do Brasil e facilitar a retomada da atividade econômica.

E depois?

Em segundo lugar, é necessário que o governo federal aprove uma reforma administrativa de fato a sério. No sentido de cortar despesas e também benefícios para que o déficit público dos próximos anos seja eliminado e, eventualmente, comece até a gerar superávit. Precisamos começar a amortizar a dívida.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies