O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-06-23T11:54:56-03:00
Caio Nascimento
Caio Nascimento
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e com passagens pelo Estadão e Jornal da USP.
Trajetória de alta

Após bater os US$ 29 mil, bitcoin pode voltar a subir com mineradores saindo da China; entenda

Restrições do governo chinês fizeram moeda despencar a níveis não vistos desde janeiro, mas saída de mineradores da China, que já está acontecendo, tende a fazer o ativo voltar a entregar altas expressivas; analista enxerga moeda a US$ 100 mil ainda em 2021

22 de junho de 2021
12:11 - atualizado às 11:54
Bitcoin Foguete criptomoedas
A recuperação do mercado de criptomoedas é encabeçada pelo bitcoin (BTC) hoje; confira cotações e preços - Imagem: Montagem de Andrei Morais / Shutterstock

O bitcoin acumula em reais uma queda de 50% nos últimos três meses. Mesmo assim, a criptomoeda mais popular do mercado segue com uma valorização de 20% em 2021 e de 197% em um ano. 

A queda recente, que vem se desenhando desde o seu pico histórico de US$ 63 mil em meados de abril, deve-se a uma sequência de notícias estressantes para o mercado: 

  1. A Tesla, do bilionário Elon Musk, deixou de aceitar bitcoin no pagamento dos carros elétricos em maio;
  2. No mesmo mês, o governo comunista chinês começou a perder o controle do movimento especulativo do mercado cripto no seu território e proibiu as instituições financeiras de efetuarem transações com criptoativos;

Após esses acontecimentos, o bitcoin, que havia caído para a casa dos US$ 35 mil, voltou a testar os US$ 40 mil, até que nesta terça-feira (22) caiu para menos de US$ 29 mil, após a China desligar pools de mineração no país e ameaçar encerrar contas de clientes envolvidos com criptomoedas.

Com isso, o universo cripto despencou junto. Afinal, trata-se de um mercado correlacionado: a elevada dominância do bitcoin (hoje em 45%) faz com que os outros criptoativos sigam a tendência de reagir de acordo com as oscilações do próprio bitcoin. 

É interessante notar, aliás, como essa correlação vem se comportando nos últimos meses: enquanto o bitcoin subia exponencialmente até meados de abril, com altas de 100% no ano até então, altcoins (moedas fora do radar) subiam mais de 1000% no período.

Mas afinal, ainda vale a pena investir em bitcoin?

O especialista em criptoativos da Empiricus André Franco, responsável pela carteira Crypto Legacy, que acumula cerca de 1.500% de lucro nos últimos quatro anos, avalia que sim e, assim como vem dizendo desde o começo do ano, ainda enxerga o bitcoin a US$ 100 mil até o final de 2021.

Segundo ele, a China concentra hoje a maior parte de mineradores de bitcoin no mundo, mas, com as proibições do governo chinês, eles vão naturalmente para outras regiões. Isso, inclusive, já começou a acontecer: a BIT Mining, uma empresa chinesa de mineração de bitcoin, está migrando para o Cazaquistão.

“Estamos falando de empresas que já conhecem o processo e já têm as máquinas, que apenas vão migrar para locais com energia barata, por exemplo. E já existem locais atrativos. Nos Estados Unidos, alguns estados já se beneficiam do potencial da mineração, oferecem energia barata e esperam que o processo gere impostos e divisas”, explica Franco.

Você pode ler outros detalhes pela página do Seu Dinheiro no Instagram:

E qual o impacto disso no curto e no longo prazo para o bitcoin?

André Franco analisa que, no curto prazo, “com as máquinas sendo desligadas, sabemos que o poder de processamento da rede fica comprometido em velocidade, segurança e taxas. E isso reflete no preço que estamos vendo”.

No longo prazo, porém, o hashrate (índice do poder computacional usado durante o processo de mineração de bitcoin) tende a se estabilizar. “À medida que as máquinas começarem a ser religadas em outras regiões, a tendência é voltar ao normal. Logo, não visualizo um cenário ruim”, afirma.

É por isso que André Franco recomenda que você foque no longo prazo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

BYE BYE GOVERNO!

Privatização vem aí: conselho do PPI altera regras da capitalização da Eletrobras (ELET3); saiba por que mudou

O TCU aprovou na sessão de quarta-feira (18) o processo de privatização da companhia — a proposta do relator venceu por 7 votos a favor e 1 contra

NOVO SHAPE

Da academia pra carteira: Smart Fit (SMFT3) tem potencial de alta de 34%, diz Itaú BBA — saiba se é hora de comprar

Depois do confinamento provocado pela covid-19, a indústria fitness enfrenta agora um cenário desafiador, com inflação alta, segundo o banco de investimentos

SEM LIMITE

STF nega impor prazo a Lira para análise de pedidos de impeachment de Bolsonaro

O chefe do Executivo é alvo de mais de 140 solicitações de impedimento; entenda a decisão da corte máxima

VAI TER DISNEY?

Dólar acumula desvalorização de 12,59% frente ao real no ano — veja o que mexe com o mercado de câmbio

A moeda norte-americana teve o pior desempenho semanal em quase dois meses, quando levou um tombo de mais de 5%

SOBE E DESCE

IRB (IRBR3) lidera pelotão de altas do Ibovespa e Méliuz (CASH3) vai na direção oposta — veja o que foi destaque na bolsa na semana

Lá fora, as negociações da semana foram marcadas pela entrada do S&P 500 no chamado bear market, ou território de queda; por aqui, o principal índice da B3 acumulou ganhou de 1,46%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies