Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-23T11:54:56-03:00
Caio Nascimento
Caio Nascimento
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e com passagens pelo Estadão e Jornal da USP.
Trajetória de alta

Após bater os US$ 29 mil, bitcoin pode voltar a subir com mineradores saindo da China; entenda

Restrições do governo chinês fizeram moeda despencar a níveis não vistos desde janeiro, mas saída de mineradores da China, que já está acontecendo, tende a fazer o ativo voltar a entregar altas expressivas; analista enxerga moeda a US$ 100 mil ainda em 2021

22 de junho de 2021
12:11 - atualizado às 11:54
Bitcoin Foguete
Bitcoin é o 'foguete' dos investimentos - mas criptomoedas fora do radar valorizaram ainda mais - Imagem: Montagem de Andrei Morais / Shutterstock

O bitcoin acumula em reais uma queda de 50% nos últimos três meses. Mesmo assim, a criptomoeda mais popular do mercado segue com uma valorização de 20% em 2021 e de 197% em um ano. 

A queda recente, que vem se desenhando desde o seu pico histórico de US$ 63 mil em meados de abril, deve-se a uma sequência de notícias estressantes para o mercado: 

  1. A Tesla, do bilionário Elon Musk, deixou de aceitar bitcoin no pagamento dos carros elétricos em maio;
  2. No mesmo mês, o governo comunista chinês começou a perder o controle do movimento especulativo do mercado cripto no seu território e proibiu as instituições financeiras de efetuarem transações com criptoativos;

Após esses acontecimentos, o bitcoin, que havia caído para a casa dos US$ 35 mil, voltou a testar os US$ 40 mil, até que nesta terça-feira (22) caiu para menos de US$ 29 mil, após a China desligar pools de mineração no país e ameaçar encerrar contas de clientes envolvidos com criptomoedas.

Com isso, o universo cripto despencou junto. Afinal, trata-se de um mercado correlacionado: a elevada dominância do bitcoin (hoje em 45%) faz com que os outros criptoativos sigam a tendência de reagir de acordo com as oscilações do próprio bitcoin. 

É interessante notar, aliás, como essa correlação vem se comportando nos últimos meses: enquanto o bitcoin subia exponencialmente até meados de abril, com altas de 100% no ano até então, altcoins (moedas fora do radar) subiam mais de 1000% no período.

Mas afinal, ainda vale a pena investir em bitcoin?

O especialista em criptoativos da Empiricus André Franco, responsável pela carteira Crypto Legacy, que acumula cerca de 1.500% de lucro nos últimos quatro anos, avalia que sim e, assim como vem dizendo desde o começo do ano, ainda enxerga o bitcoin a US$ 100 mil até o final de 2021.

Segundo ele, a China concentra hoje a maior parte de mineradores de bitcoin no mundo, mas, com as proibições do governo chinês, eles vão naturalmente para outras regiões. Isso, inclusive, já começou a acontecer: a BIT Mining, uma empresa chinesa de mineração de bitcoin, está migrando para o Cazaquistão.

“Estamos falando de empresas que já conhecem o processo e já têm as máquinas, que apenas vão migrar para locais com energia barata, por exemplo. E já existem locais atrativos. Nos Estados Unidos, alguns estados já se beneficiam do potencial da mineração, oferecem energia barata e esperam que o processo gere impostos e divisas”, explica Franco.

Você pode ler outros detalhes pela página do Seu Dinheiro no Instagram:

E qual o impacto disso no curto e no longo prazo para o bitcoin?

André Franco analisa que, no curto prazo, “com as máquinas sendo desligadas, sabemos que o poder de processamento da rede fica comprometido em velocidade, segurança e taxas. E isso reflete no preço que estamos vendo”.

No longo prazo, porém, o hashrate (índice do poder computacional usado durante o processo de mineração de bitcoin) tende a se estabilizar. “À medida que as máquinas começarem a ser religadas em outras regiões, a tendência é voltar ao normal. Logo, não visualizo um cenário ruim”, afirma.

É por isso que André Franco recomenda que você foque no longo prazo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Garantindo a oferta

Crescem ofertas de ações com reserva antecipada

As ancoragens normalmente conseguem atrair mais investidores, numa espécie de chancela prévia, com potencial impacto positivo no preço da ação.

alto escalão

Fleury: CFO Fernando Leão renuncia ao cargo e será substituído por José Filippo

O Fleury informou que os dois executivos trabalharão juntos em um processo de transição estruturado que se terminará em dia 31 de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies