Menu
2021-04-09T16:11:51-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Ibovespa se firma em queda após parecer do Orçamento estressar bolsa e dólar

No Brasil e no exterior, os investidores repercutem os últimos dados de inflação. No cenário local, pandemia, Orçamento e CPI ficam em primeiro plano

9 de abril de 2021
10:44 - atualizado às 16:11
Congresso Mercados Baixa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa caminha para fechar a semana com um saldo positivo. A bolsa brasileira, que vinha ensaiando uma recuperação ao longo do dia, parece ter sucumbido à cautela local e passou a operar em queda após a divulgação do parecer do Orçamento de 2021 no Congresso, que abriu caminho para que o texto polêmico seja sancionado sem vetos.

Por volta das 16h10, o principal índice da bolsa operava com queda de 0,28%, a 117.988 pontos, após ter tocado as mínimas do dia. O dólar à vista também acelerou os ganhos e avança 1,80%, a R$ 5,6744.  

Hoje os dados de inflação tiveram destaque - tanto aqui quanto no exterior. Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do IPCA de março, com um número que veio em linha com o piso das estimativas do mercado. Puxado pela alta dos combustíveis, o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) ficou em 0,93%, maior valor para o índice no mês de março desde 2015. Com isso, o índice acelera de 5,2% para 6,1% em doze meses.No mercado internacional, dados fortes da inflação na China e nos Estados Unidos voltam a pesar sobre os negócios. 

Ainda que o Fed e o BCE tenham reafirmado suas políticas monetárias há poucos dias, os investidores voltam a temer um aperto monetário antes do esperado, já que a pressão inflacionária pode levar a uma alta dos juros. As bolsas asiáticas fecharam no vermelho, enquanto em Nova York as bolsas conseguem sustentar uma leve alta, mesmo com mais um dia de avanço nos rendimentos dos Treasuries. 

A inflação, no entanto, está longe de ser a única preocupação local. O Orçamento de 2021 segue estressando o cenário político-fiscal e gerando atritos entre o Executivo e o Congresso. De acordo com o Secretário do Tesouro, o Executivo não chegará ao final do ano com caixa suficiente para operar e correrá o risco de shutdown. 

E a situação parece ter piorado após a apresentação do parecer do texto no Congresso, já que o texto indica que a pauta pode ser sancionada sem vetos do presidente Jair Bolsonaro. O texto atual é visto como impossível de ser executado sem “pedaladas fiscais”. 

O cenário reflete também no mercado de juros futuros, que bateu as máximas do dia com a piora do cenário político-fiscal. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,66% para 4,68%
  • Janeiro/2023: de 6,48% para 6,52%
  • Janeiro/2025: de 8,11% para 8,22%
  • Janeiro/2027: de 8,75% para 8,86%

Furando a fila

Outro fator que gera ainda mais ruídos e incertezas é a instauração de uma CPI para apurar possíveis omissões do governo federal durante a pandemia de covid-19, feita pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso. A decisão monocrática já foi contestada pelo presidente via Twitter. 

A leitura dos analistas é que a CPI deve desviar as atenções do Congresso de medidas mais urgentes, como o texto do Orçamento e as reformas, vistas como essenciais para destravar a economia brasileira. 

Problemas na vacinação do país também pioraram o cenário nos últimos minutos. O Ministério da Saúde decidiu que não irá mais divulgar a previsão de doses de vacinas para o mês, gerando uma incerteza ainda maior.

Sobe e desce

Em dia negativo para a bolsa, as companhias com melhores desempenhos exibem altas modestas e temos mais um dia de rotação de setores.

A maior alta do dia fica com os papéis da Sabesp após a 3ª revisão tarifária, publicada pela Arsesp, ser bem recebida pelo mercado. O regresso do estado de São Paulo para a fase vermelha do isolamento impulsiona as ações das administradoras de shoppings. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
SBSP3Sabesp ONR$ 43,153,11%
MRVE3MRV ONR$ 18,592,82%
BRML3BR Malls ONR$ 10,012,56%
IGTA3Iguatemi ONR$ 36,862,42%
CSNA3CSN ONR$ 42,032,26%

O setor de comércio online tem um dia de realização de lucros após subir forte na sessão anterior. Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
LAME4Lojas Americanas PNR$ 21,79-2,68%
TOTS3Totvs ONR$ 30,27-2,67%
VVAR3Via Varejo ONR$ 12,61-2,40%
GNDI3Intermédica ONR$ 80,83-2,36%
WEGE3Weg ONR$ 74,67-2,34%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

cardápio dos balanços

Balanços de Copel, Braskem, Azul e outros mexem com o mercado nesta quinta; veja os destaques

Só no Ibovespa, foram ao menos cinco companhias que revelaram os resultados do primeiro trimestre entre esta quarta e quinta; desempenho mexe com os papéis das companhias

Exile on Wall Street

Investir de maneira inteligente ajuda (mas não garante) retorno

Quero voltar aqui rapidamente ao Day One de terça, quando o Felipe citou o Soros em sua melhor forma, o arquétipo do investidor autocrítico: “Toda posição tem uma ou mais vulnerabilidades.” “Se você acha sua exposição perfeita, cuidado; você apenas não entendeu direito.”  “Sempre existe algo escondido ali, alguma armadilha não percebida a priori. Suas chances de […]

Dentro do balanço

Mercado Livre adere ao bitcoin e coloca R$ 40 milhões da criptomoeda em caixa

O documento foi publicado na página da SEC, a CVM americana, porque a empresa de entregas é listada na Nasdaq

Briga na Casa

Tensão no Congresso: Senado busca reforma tributária ampla, mas Câmara quer fatiar

A divisão da proposta em quatro partes é defendida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas enfrenta resistências

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies