Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os segredos da bolsa: Decisão do Copom e balanços ditam o sobe e desce das ações - Seu Dinheiro
Menu
2020-08-02T19:28:55-03:00
Ricardo Gozzi
Premium - Segredos da bolsa

Os segredos da bolsa: Decisão do Copom e balanços ditam o sobe e desce das ações

Indicadores econômicos relevantes para todos os gostos darão o tom de uma semana que, assim como a passada, tem tudo para ser bastante volátil

2 de agosto de 2020
20:00 - atualizado às 19:28
Montanha-russa
Teremos mais uma semana de montanha-russa na bolsa?Imagem: Shutterstock

O Ibovespa passou por mais um mês de recuperação em julho. Assim como aconteceu em maio e junho, o principal índice do mercado brasileiro de ações subiu mais de 8% no mês passado. Apesar de o principal índice da B3 estar se recuperando a olhos vistos, emoção foi o que não faltou na montanha-russa da bolsa.

Na sexta-feira, o Ibovespa deu um susto com uma queda de 2% cravados. Tudo bem que foi mais por causa dos ajustes de fim de mês e de alguma realização de lucro do que qualquer outra coisa. Mas se você acha que sua cota de volatilidade já se esgotou, é melhor ler o que os próximos dias reservam para os ativos financeiros no Brasil.

Mudança na perspectiva de rating dos EUA, reunião do Copom, balanços de grandes empresas no Brasil e no exterior e indicadores econômicos relevantes para todos os gostos darão o tom de uma semana que, assim como a passada, tem tudo para ser volátil nos mercados financeiros locais, especialmente no que se refere aos sinais de recuperação econômica em meio à crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

Copom é o destaque da semana

O evento mais esperado da semana é, sem dúvida, a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. A expectativa é de que os diretores do BC promovam mais um corte na taxa básica de juros.

A taxa Selic encontra-se atualmente a 2,25% ao ano, no menor nível da história. É quase unânime entre os analistas a previsão de que a taxa será cortada a 2%.

Juros (ainda) mais baixos tendem a beneficiar especialmente as ações das empresas ligadas à construção civil. A reunião do Copom começa na terça-feira e termina depois do fechamento dos mercados na quarta.

No lado dos indicadores econômicos, os dados da produção industrial brasileira em junho ajudarão melhor a entender qual letra vai combinar mais com o tipo da reação esboçada pela economia brasileira à pandemia. Pode ser que sinalize um L, um U, um V, um W… Em ordem alfabética, pra ninguém reclamar de favorecimento quando vierem os números na manhã de terça-feira.

Adiados no fim de julho, os números da PNAD contínua virão à tona na manhã da quinta-feira. Como os números do desemprego aparentemente ainda não apareceram na PNAD com todo o seu vigor, a tendência é de que o índice continue subindo, mesmo que outros indicadores sugiram que o fundo do poço não tem um alçapão.

Na manhã de sexta-feira, será a hora de conhecer os números do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em julho.

Agenda da semana no Brasil

Entre os indicadores econômicos locais mais importantes, figuram a produção industrial brasileira em junho, a inflação em julho e os dados trimestrais de desemprego.

Segunda-feira

  • O Banco Central oferece até R$ 4 bilhões em títulos públicos em operação compromissada. A oferta, com recompra em três meses, será realizada das 12h às 12h30.
  • O Banco Central inicia a rolagem dos contratos de swap cambial com vencimento em 1º de setembro de 2020.
  • Às 15h, o governo brasileiro divulga os dados consolidadas da balança comercial referentes a julho.

Terça-feira

  • O IBGE divulga às 9h os dados da produção industrial brasileira em junho.
  • À tarde, o BC inicia a reunião de política monetária.

Quarta-feira

  • O Banco Central domina a cena na quarta-feira. Às 14h30 sai o IBC-Br, índice de atividade econômica que sinaliza os caminhos do PIB. Às 18h será divulgada a decisão de política monetária do BC.

Quinta-feira

  • A FGV inicia a série de indicadores do dia com os números do IGP-DI em julho às 8h.
  • O IBGE divulga às 9h a PNAD contínua, com destaque para os números trimestrais de desemprego, cujos estavam originalmente previstos para serem divulgados na semana passada.
  • Sem horário definido, a Anfavea dá publicidade aos números da produção total de veículos no mês passado.

Sexta-feira

  • O IBGE divulga às 9h os números do IPCA em julho.

O Brasil rumo aos 100 mil mortos por covid-19

Enquanto alguns países se preocupam com uma eventual segunda onda do novo coronavírus e garotos-propaganda travestidos de políticos promovem remédios ineficazes contra a pandemia, o Brasil caminha para atingir nos próximos dias a estarrecedora marca de 100 mil mortes por covid-19 sem nenhum sinal de que os índices de contágio e óbito estejam próximos de diminuir.

Em relatório conjunto divulgado na sexta-feira, a Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal) e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) advertiram para consequências devastadoras – tanto sociais quanto econômicas – se a curva de contágio não for controlada o quanto antes na região.

Até a noite de domingo, o Brasil ostentava a desabonadora marca de mais de 93 mil mortos entre 2,7 milhões de casos confirmados de uma doença sabidamente subnotificada. Em números absolutos, o Brasil segue somente atrás dos EUA, com seus 160 mil mortos entre 4,6 milhões de infectados.

Segundo os dados mais recentes da Universidade Johns Hopkins, a covid-19 já infectou quase 18 milhões de pessoas em todo o mundo, deixando um rastro de mais de 680 mil mortes.

Nova CPMF no radar

No campo político, atenção para a iniciativa do presidente Jair Bolsonaro de testar as águas em relação à criação de um imposto nos moldes da extinta CPMF.

A versão presidencial é de que se trata de um balão de ensaio solto no ar apenas para mostrar ao ministro Paulo Gudes que não há respaldo do Congresso a uma nova CPMF.

Mas como as declarações do presidente e os fatos costumam tomar direções diametralmente opostas, não custa duvidar nem das intenções de Bolsonaro nem da capacidade do Congresso de castigar o Brasil.

Rating AAA dos EUA em perigo

Seja como for, os mercados financeiros locais devem iniciar a semana sob o peso da alteração anunciada pela agência de classificação de risco de crédito Fitch na perspectiva do rating soberano dos Estados Unidos.

Na sexta-feira, depois do fechamento dos mercados, a Fitch reafirmou o rating AAA dos EUA, mas revisou a perspectiva para a nota de crédito do país de estável para negativa.

Além da alteração na perspectiva, a Fitch anunciou suas projeções para o PIB dos EUA. A agência prevê retração econômica de 5,6% este ano seguida por alta de 4% em 2021.

Na semana passada, dados do PIB do segundo trimestre revelaram uma contração econômica 32,9% na comparação com o mesmo período de 2019. Trata-se do pior resultado desde 1947.

Peguemos o impacto da crise do coronavírus sobre a economia norte-americana, adicionemos uma pitada de pesquisas de intenção de voto colocando o presidente Donald Trump como azarão numa campanha à reeleição que até poucos meses atrás parecia garantida e não nos espantemos com eventuais discursos xenofóbicos e anti-China vindos de Washington pipocando pelos noticiários.

Agenda da semana no exterior

Entre os indicadores econômicos estrangeiros mais relevantes, o PIB do Japão, divulgado na noite de domingo, e a decisão de juro do BoE são os principais destaques da semana.

Segunda-feira

  • Os índices dos gerentes de compra da indústria da China, dos EUA e da zona do euro referentes a julho devem lançar nova luz sobre os termos da recuperação das principais potências econômicas do planeta.

Quarta-feira

  • Nos Estados Unidos, destaque para a divulgação dos dados de emprego no setor primado (ADP) e para os estoques de petróleo do Departamento de Energia.

Quinta-feira

  • O destaque do dia é a decisão de juro do Banco da Inglaterra (BoE) em um momento de manutenção de taxas de juro extremamente baixas e amplas medidas de estímulo pelas principais autoridades monetárias do mundo. Nos EUA, atenção para os pedidos de auxílio-desemprego.

Sexta-feira

  • Os números do desemprego e de crédito aos consumidores nos EUA devem dar o tom do encerramento da semana nos mercados financeiros.

Empresas do Ibovespa agitam agenda de balanços corporativos

Entre os balanços financeiros, a divulgação de resultados referentes ao segundo trimestre de 2020 segue a todo vapor no Brasil e no mundo.

Os destaques locais ficam por conta de diversos componentes do Ibovespa, entre eles, o Itaú Unibanco, o Banco do Brasil, a Embraer, a Braskem, a Klabin, a Gol e a Gerdau, entre outros.

No exterior, a atenção estará voltada para os números da Berkshire Hathaway, da BP, da Disney, da Toyota e da Lufthansa. Os investidores também estarão atentos aos dados da Moderna em meio às pesquisas por uma vacina capaz de deter a pandemia do novo coronavírus.

Segunda-feira

  • Antes da abertura: Itaú Unibanco, BB Seguridade, Porto Seguro, Gol (Brasil), Société Générale (França), HSBC (Reino Unido), Berkshire Hathaway (EUA);

Terça-feira

  • Antes da abertura: Alpargatas, Comgas, Iguatemi (Brasil), BP (Reino Unido);
  • Depois do fechamento: Disney (EUA);

Quarta-feira

  • Antes da abertura: AES Tietê, Braskem, CPFL, Eletropaulo, Embraer, Gerdau, Klabin, SulAmérica, Totvs (Brasil), Commerzbank (Alemanha), Moderna (EUA);

Quinta-feira

  • Antes da abertura: Banco do Brasil, Banco BMG, Gafisa, Intermédica, Multiplan (Brasil), Toyota (Japão), Lufthansa (Alemanha)

Sexta-feira

  • Antes da abertura: Sanepar (Brasil)
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Efeito covid

Monitor do PIB aponta queda de 2,1% em março ante fevereiro, diz FGV

Na comparação com março de 2020, a atividade econômica teve avanço de 5,2%, e no primeiro trimestre, a expansão foi de 1,7%

destaques do varejo

Em última leva de balanços, Magazine Luiza, Grupo Soma e Mateus mostram que brilharam no primeiro trimestre

Aumento de receita, melhora operacional e avanço das vendas online foram alguns dos tópicos levantados por analistas; veja os destaques

Temporada de balanços

Cosan registra lucro líquido pró-forma de R$ 827,7 milhões no 1º trimestre

No primeiro, o número ficou em R$ 2,827 bilhões entre janeiro e março, alta de 11,9% na comparação anual

mercados hoje

Bolsa ignora exterior e sobe puxada pelas commodities metálicas; dólar também avança

Enquanto a cauela prevalece no exterior, a bolsa brasileira tem mais uma alta patrocinada pelas commodities

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies