Menu
2020-02-14T07:32:41-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
encontro com empresários

Fiesp diz que Guedes vai enviar a reforma tributária em até duas semanas

Entidade promoveu encontro de empresários com o ministro. Segundo a Fiesp, Guedes ainda afirmou que quer “reindustrializar o Brasil”

14 de fevereiro de 2020
7:32
O ministro da Economia, Paulo Guedes, faz palestra de encerramento do Seminário de Abertura do Legislativo de 2020
O ministro da Economia, Paulo Guedes, faz palestra de encerramento do Seminário de Abertura do Legislativo de 2020 - Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) afirmou em nota enviada à imprensa que o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que enviará à Câmara, em até duas semanas, a primeira etapa da reforma tributária. A entidade promoveu um almoço entre o ministro e empresários.

A primeira etapa da reforma inclui a criação do IVA (Imposto sobre Valor Agregado), que unificará o PIS e Cofins no plano federal. Segundo a nota, Guedes prometeu que, em seguida, o governo encaminhará aos parlamentares propostas para o Imposto de Renda e o Imposto Seletivo.

A reforma tributária foi o tema que ocupou a maior parte do almoço, que contou com a presença do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e 20 executivos de algumas das principais empresas em atuação no País, como o presidente da GM para a região do Mercosul, Carlos Zarlenga; o presidente do Conselho de Administração da Suzano, David Feffer; e o presidente do Conselho de Administração da Riachuelo, Flávio Rocha.

"O peso excessivo hoje é na indústria, temos de encontrar o equilíbrio, que seja bom para o conjunto da economia. Temos de calibrar muito bem a alíquota do IVA, ela tem de dar conta da arrecadação, mas não pode inibir investimentos", disse Guedes aos empresários, de acordo com a Fiesp.

"A ideia geral é simplificar. Não pode haver aumento de carga tributária. O que nós queremos é o oposto, é baixar os impostos. Este é um objetivo colocado pelo presidente Jair Bolsonaro", disse.

'Reindustrializar o Brasil'

No encontro, que durou duas horas, Guedes declarou, logo no início, que pretende "reindustrializar o Brasil". Ele listou as medidas que o governo tem tomando para isso, como "o choque de energia barata".

Guedes deu destaque ao gás natural, que, segundo a nota da Fiesp, deve cair até 40% em relação ao início do governo Bolsonaro.

O ministro também mencionou "o choque de logística", com concessões de rodovias, ferrovias e o aumento de competição na navegação de cabotagem. Além disso, afirmou que os juros, em níveis mais baixos, resultam em mais investimentos. A taxa básica de juros, a Selic, está em 4,25%, mínima histórica.

De acordo com a Fiesp, os empresários elogiaram a condução da política econômica do governo e a atuação de Guedes à frente do Ministério.

Questões pontuais relativas a cada um dos setores representados foram colocadas para o ministro, que, segundo a federação, demonstrou boa vontade em analisá-las. "É muito importante ouvir diretamente dos empresários os pontos que consideram relevantes para o debate", disse o ministro.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements