Menu
2020-08-26T17:28:01-03:00
Presidente da Câmara

Devemos trabalhar com as convergências entre governo e equipe econômica, diz Maia

Para ele, está na hora do governo fazer uma proposta olhando a situação do orçamento e da dívida pública

26 de agosto de 2020
17:27 - atualizado às 17:28
mcmgo_191219img_05354973
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que é necessário trabalhar com as propostas que encontrem convergência entre governo e equipe econômica para os planos pós-pandemia. "Devemos trabalhar para criar uma convergência com aquilo que tem apoio do governo e da equipe econômica", disse Maia nesta quarta-feira, 26.

Para ele, está na hora do governo fazer uma proposta olhando a situação do orçamento e da dívida pública.

Ele se reuniu pela manhã desta quarta-feira, 26, com o presidente Jair Bolsonaro para falar sobre o auxílio emergencial e pautas do Legislativo. "Nós só falamos da dificuldade da prorrogação do valor por R$ 600 que ele estava pensando em uma alternativa até o fim do ano e o que eu disse a ele é que a Câmara ia avaliar com todo o cuidado e preocupação que precisa esse tema já que o valor do auxílio tem um custo mensal muito alto e a gente sabe da dificuldade do orçamento público para que isso seja mantido até o fim do ano. Agora, não tratamos da parte permanente que é o Renda Brasil", disse.

Mais cedo, Bolsonaro disse que suspendeu a proposta do Renda Brasil apresentada a ele pela equipe econômica esta semana. Bolsonaro afirmou que não vai "tirar (recursos) dos mais pobres" para abastecer o novo programa, em formulação pelo governo para substituir o Bolsa Família.

Questionado se as declarações do presidente colocam o ministro da Economia, Paulo Guedes, em uma situação complicada, Maia negou.

"Não. Você pode fazer a seguinte crítica, a equipe econômica vazou antes da reunião com o presidente qual era a sua ideia. De forma pública também o presidente anunciou que, por enquanto, a matéria está suspensa", disse. "Você pode ter preocupação em relação ao mérito do que o presidente falou hoje, ou você pode ter preocupação em relação a esse debate vir para a imprensa antes de consolidado dentro do governo", afirmou.

Segundo Maia, a questão não estava ainda definida com o governo, antes de ser divulgada e que há dificuldade de se acabar com abono salarial, seguro-defeso e desindexar o orçamento público. "Então, o que a gente precisa é primeiro organizar a casa, organizar o que gera consenso dentro do governo", disse.

"O presidente da República hoje, diferente do que vocês avaliaram nos jornais, nas mídias sociais, eu acho que ele fez a análise correta, não é simples acabar com esses programas mesmo", disse.

Maia disse estar disposto a fazer todos os debates. "Eu concordo que o abono salarial está mal alocado, está beneficiando quem não precisa. Concordo quando dizem que tem muitos subsídios tributários, esses não vão resolver todos nossos problemas, mas que geram distorções. Tem a cesta básica. Tem muita coisa que se pode mexer", disse. Ele admitiu que haverá resistência no Congresso para se mexer com o seguro-defeso e citou a desindexação do Orçamento como uma forma de abrir espaço.

Lei do gás

Maia disse ainda que a Lei do Gás deverá ser votada pela Casa até a próxima terça-feira, 1º de setembro. "Gás para hoje nunca foi marcado, no meu cronograma não era hoje e continua não sendo hoje. Mas certamente se não for entre hoje e amanhã, vai ser entre hoje e terça-feira, não tem dúvida nenhuma sobre isso", disse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements