Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-22T12:11:25-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Revolução digital acelerada

Crescimento do e-commerce chama a atenção e BTG eleva recomendação para Via Varejo

Segundo o BTG, o crescimento do e-commerce nas plataformas da Via Varejo intensificou o processo de migração digital da companhia. Ações podem ter potencial de mais de 42% de alta

22 de maio de 2020
11:50 - atualizado às 12:11
Fachada de uma loja das Casas Bahia
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via Varejo - Imagem: Divulgação

O coronavírus tem afetado diretamente o funcionamento das varejistas no país, com a necessidade de isolamento social obrigando o fechamento de lojas e trazendo uma incerteza maior quanto ao cenário econômico da população para os próximos meses.

Ainda assim, as companhias desse setor estão conseguindo sustentar o seu funcionamento com medidas inovadoras. Sem que o cliente possa ir até as lojas ou ao shopping, as plataformas digitais ganharam uma importância ainda maior dentro das estratégias dessas companhias.

A Via Varejo (VVAR3), que desde o ano passado tem tentado implantar uma 'revolução digital' em seus serviços, é uma das companhias a colher bons frutos. Tanto é que a sua operação online chamou a atenção do BTG Pactual, que elevou a sua recomendação para compra das ações da empresa.

No relatório, assinado por Luiz Guanais e Gabriel Savi, a instituição destaca, primeiramente, os números apresentados pela Via Varejo no primeiro trimestre e as fortes expectativas pelos números dos próximos três meses - que devem trazer os impactos do coronavírus na operação da companhia.

De janeiro a março, a Via Varejo teve um lucro líquido de R$ 13 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019. A receita líquida foi de R$ 6,339 bilhões e o Ebitda ajustado somou R$ 621 milhões. A empresa considerou R$ 87 milhões para cobrir os impactos gerados pela pandemia da covid-19 no seu caixa.

Além de elevar a ação da companhia para 'compra', o banco também estabeleceu um novo preço-alvo, de R$ 13 - o que deixa espaço para um aumento de mais de 42% em comparação ao fechamento de ontem, R$ 9,16. A estimativa do BTG ja leva em conta um cenário melhor para as operações online da companhia e as dificuldades enfrentadas pelas lojas físicas no curto prazo.

Revolução digital

Mas a verdadeira estrela tem sido a expansão do e-commerce da Via Varejo, um dos objetivos da companhia desde 2019, quando ela apresentou seus planos de otimizar a performance de suas lojas físicas, aumentar sua capacidade online, melhorar o mix de produtos, crescimento na concessão de créditos, maior eficiência e expansão online e offline, entre outras coisas.

Os primeiros resultados da 'revolução digital' pretendida pela companhia começam a aparecer, em um momento em que os consumidores fazem uma migração mais rápida para as plataformas digitais de compra, já que o coronavírus inseriu essa necessidade maior na sociedade.

Nos últimos meses, a empresa viu um crescimento no tráfego em suas plataformas. O BTG não ignora o 'efeito corona' nesses números, mas acredita que essa migração e preferência maior pelo e-commerce deve ser uma tendência também para os próximos meses, ainda que a taxa de conversão apresente uma queda - com a menor confiança do consumidor e na redução da renda média da população como reflexos da crise.

A tranformação digital da companhia, foi um dos pontos levantados pelo presidente da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, durante a teleconferência com analistas para apresentar os números do primeiro trimestre. Segundo o executivo, ainda tem bastante inovação para vir pela frente e é possível uma revolução digital em 10 meses.

Além do crescimento no tráfego de clientes, a Via Varejo também tem crescido no segmento de eletronicos e eletrodomésticos. Nos próximos meses, a empresa ainda deve refletir as vendas durante o Dia das Mães - responsável por parte do salto nas vendas do e-commerce em maio.

Saindo um pouco da evolução digital da Via Varejo, o relatório ainda que a empresa apresenta uma liquidez sob controle, mesmo que não esteja no mesmo nível que os seus principais concorrentes.

A Via Varejo terminou o primeiro trimestre de 2020 com R$ 2,1 bilhões no Caixa, contra R$ 1,4 bilhão no quarto trimestre de 2019. A empresa também tem R$ 1,5 bilhão em débito no curto prazo,

Os números da Via Varejo

A operação online da Via Varejo apresentou uma performance sólida no primeiro trimestre, com crescimento de usuários ativos nos aplicativos das Casas Bahia e do Ponto Frio - indo de 1,5 milhão em junho para 8 milhões somente em março. Em abril, o número chegou a 11,2 milhões.

Em tempos de coronavírus, com o número de lojas abertas drasticamente reduzidos, a procura por entregas rápidas, feitas em até 24 horas passou a representar 28% das vendas online. Uma novidade, a venda feita por Whatsapp também teve boa aceitação do público e já é responsável por 20% das vendas online.

O BanQi, lançado no ano passado com o intuito de acelerar a presença digital da Via Varejo, também tem tido resultados expressivos, com presença em 100% das lojas físicas e mais de 1 milhão de download do aplicativo.

Segundo o BTG, o tráfego de clientes nas plataformas e-commerce da companhia cresceu 52% em abril, em comparação ao mês anterior, e 86% na comparação anual. A combinação de mais clientes acessando a plataforma e as melhorias no serviço digital promovidas pela empresa serão peças-chave no alcance da plataforma nos próximos trimestres, além de aumentar a diverficiação das categorias oferecidas ao consumidor.

BTG: e-commerce acelera migração digital

Recomendação: Compra

Preço-alvo: R$ 13

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Vibra (VBBR3) distribui R$ 148,5 milhões em JCP

Valor refere-se à segunda parcela de pagamento aos acionistas anunciado quando a Vibra ainda atendia como BR Distribuidora

Rumo aos dois dígitos

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 9,25%

Aumento da taxa básica dispara gatilho de mudança na forma de remuneração da poupança. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies