Menu
2020-01-22T21:41:16-03:00
Estadão Conteúdo
Aumentando o valor de mercado

Caixa Seguridade arrecada R$ 9,6 bilhões com parcerias em preparação para IPO

Arrecadação de R$ 9,5 bilhões é referente às sociedades já anunciadas com a francesa CNP Assurances, a japonesa Tokio Marine e a brasileira Icatu

22 de janeiro de 2020
8:14 - atualizado às 21:41
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Econômica Federal já conseguiu arrecadar R$ 9,5 bilhões ao fechar acordos com empresas brasileiras e multinacionais em diferentes segmentos de seu negócio de seguros. Esse dinheiro novo será o "passaporte" para o banco público listar a Caixa Seguridade na bolsa brasileira a partir de abril. A expectativa da gestão é alcançar um valor de mercado entre R$ 50 bilhões a R$ 60 bilhões em uma abertura de capital, que teria potencial de movimentar R$ 15 bilhões.

A arrecadação de R$ 9,5 bilhões é referente às sociedades já anunciadas com a francesa CNP Assurances, a japonesa Tokio Marine e a brasileira Icatu. A instituição estaria próxima de anunciar, conforme fontes ouvidas pelo jornal O Estado de São Paulo/Broadcast, os futuros sócios nas áreas de saúde e odontologia e também em grandes riscos.

Na segunda-feira, a Caixa Seguridade anunciou nova parceria, com a Icatu, na área de capitalização. Pela exclusividade durante 20 anos, a companhia receberá R$ 180 milhões da seguradora controlada pela família Almeida Braga.

O resultado do negócio de capitalização era um dos que deixava a gestão do banco público mais insatisfeito, dizem fontes. O segmento era explorado por três empresas: Icatu, SulAmérica e CNP. Com a concentração em um único parceiro, a expectativa é que a capitalização ganhe prioridade e apresente resultados melhores.

Os títulos de capitalização devem ajudar a guinar as receitas da rede de lotéricas da Caixa - uma vez que o produto é de baixo valor, sendo apropriado para o canal de vendas.

Anteriormente, a Caixa havia acertado com a Tokio Marine a exploração dos segmentos de seguro residencial e habitacional, por R$ 1,52 bilhão no negócio. Essa sociedade gerou disputa mais aquecida, uma vez que era considerada a joia da coroa por conta da liderança da Caixa no financiamento imobiliário, mercado no qual o banco tem 70% de participação.

Com a CNP, a relação da Caixa ainda se restringe às parcerias acertadas no ano passado nos ramos de seguro de vida, prestamista (de crédito) e previdência privada. Essas parcerias renderam uma remuneração de R$ 7,8 bilhões à Caixa. Segundo fontes, a CNP teria interesse no segmento de consórcios. Procurada, a empresa não comentou.

O próximo anúncio engatilhado, de acordo com uma fonte próxima ao banco, é o de saúde. Também avançam as conversas com uma empresa norte-americana no segmento de seguros de grandes riscos. As negociações envolvem, segundo duas fontes, também um ressegurador, empresa que faz o seguro das seguradoras. Isso porque os contratos neste segmento são de altos valores - e, por isso, os riscos também são elevados.

Menos avançada, a seleção de um parceiro para atuar na área de assistência 24 horas pode ser uma das últimas anunciadas. A expectativa, conforme uma fonte, é de que o futuro parceiro seja brasileiro.

"A estratégia é aumentar a ênfase na comercialização de produtos de seguridade no canal bancário, buscando aperfeiçoar os serviços prestados bem como a maximização na geração de valor para as acionistas da Caixa Seguridade", disse a Caixa Seguridade, em fato relevante divulgado na segunda-feira.

Troca de cargo

Nesta semana, a Caixa fez mais um movimento na direção de listar a empresa de seguros na Bolsa. Na segunda-feira, em reunião do conselho de administração do banco público teria aprovado a troca no comando da holding, segundo fontes.

Conforme antecipou o O Estado de São Paulo/Broadcast no último domingo, o atual presidente da companhia, Marco Barros, subirá para o comando do colegiado. A expectativa é que a mudança seja anunciada nos próximos dias.

Com isso, Eduardo Dacache, atualmente vice-presidente de atacado, será escolhido para presidir a Caixa Seguridade. Braço direito do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, foi selecionado após o trabalho feito na área. Ele liderou a venda de ativos do banco e é tido como um dos mais qualificados para tocar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de seguros, daqui a três meses.

Procurada, a Caixa não comentou as mudanças.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Meta ambiental

Vale triplica para até US$ 6 bi previsão de investimentos para reduzir emissões de carbono

O objetivo da empresa é reduzir 33% das emissões diretas e indiretas de carbono até 2030

Conheça a proposta

Biden anuncia acordo com republicanos para investir US$ 1,2 trilhão em infraestrutura

O valor final é menor do que a soma proposta pelo presidente democrata, mas marcará o maior investimento de longo prazo em infraestrutura em quase um século

novo sistema operacional

Microsoft apresenta o Windows 11 — aqui estão 7 novidades que você precisa conhecer

Nova versão do sistema operacional para computadores tem aplicativos de Android, novo design e Microsoft Teams melhorado; confira

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies