Menu
2020-05-21T13:28:10-03:00
Estadão Conteúdo
pós-balanço

Caixa diz estar equilibrando questão social com financeira

Crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, segundo o presidente do banco, já impactou algumas linhas do balanço do banco no primeiro trimestre

21 de maio de 2020
13:28
Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal
Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal - Imagem: Fotoka/Divulgação

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que a instituição está equilibrando a questão social, central para o banco, com a financeira. "O banco tem de apresentar resultado, do contrário, não conseguirá realizar de forma eficiente e sustentável o (lado) social", destacou ele, em coletiva de imprensa virtual, na manhã desta quinta-feira, 21.

A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, conforme Guimarães, já impactou algumas linhas do balanço do banco no primeiro trimestre, mais especificamente em março, quando foram adotadas medidas de isolamento social para combater a propagação da doença no País.

Apesar disso, ele afirmou que o balanço do banco segue sólido. "O balanço da Caixa é, continua e continuará extremamente sólido", reforçou o presidente da Caixa.

Guimarães repetiu que o banco não 'fará tudo' e seguirá focado em poucos segmentos como, por exemplo, imobiliário e de microcrédito. "Não adianta a gente tentar fazer tudo e logo adiante o Tesouro Nacional, dono da Caixa, ter de capitalizar o banco para evitar problema", disse o executivo.

O banco público anunciou no período da manhã lucro líquido recorrente de R$ 3,0 bilhões no primeiro trimestre, montante 7,5% menor que o visto um ano antes, de R$ 3,295 bilhões. A queda ocorreu, sobretudo, em meio à queda da margem financeira, que é impactada pela redução da Selic e ainda o movimento de corte de juros que o banco tem feito em algumas modalidades como, por exemplo, no cheque especial.

"A redução da Selic vai impactando. Para mantermos retorno (ROE, na sigla em inglês), temos de emprestar mais e melhor. Já tivemos impacto em março ainda por conta do novo coronavírus, o que explica algumas linhas do resultado", afirmou o presidente da Caixa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

mundo em alerta

Brasil não deve ter segunda onda, mas governo tem instrumentos para enfrentá-la, diz Guedes

Ministro considerou que a única solução para a covid-19 é a vacina e alertou para a necessidade de avançar em reformas para que o governo tenha mais fôlego

segunda onda

‘Não consigo entender medida como essa’, diz Bolsonaro sobre lockdown na França

Governo francês anunciou novo confinamento nacional para conter o aumento de casos de covid-19 a partir desta sexta-feira

BALANÇO

Petrobras: Quatro temas da teleconferência de resultados do 3º trimestre

Resultado veio melhor que o esperado pela maioria dos analistas, apesar do prejuízo de R$ 1,5 bilhão no período

Diante da crise

BCE mantém política monetária, mas promete ‘recalibrar instrumentos’

As principais taxas de juros do BCE, a de refinanciamento e a de depósitos, permaneceram em 0% e -0,50%, respectivamente.

tensão em Brasília

Depois de receber ligação de Campos Neto, Maia diz confiar no presidente do BC

A conversa entre as duas autoridades ocorreu no dia de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central que manteve a taxa Selic em 2% ao ano.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies