Menu
2020-02-04T15:03:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
dados da fenabrave

Venda de veículos novos recua 3,1% em janeiro

Foram vendidas 193,4 mil unidades no primeiro mês de 2020; Em relação ao último mês de 2019, que tradicionalmente é mais aquecido, houve recuo de 26,3%.

4 de fevereiro de 2020
13:18 - atualizado às 15:03
Veículos carros trânsito
Imagem: Shutterstock

O mercado de veículos novos começou o ano em baixa no Brasil. Foram vendidas 193,4 mil unidades no primeiro mês de 2020, queda de 3,1% ante janeiro do ano passado, em comparação que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Em relação ao último mês de 2019, que tradicionalmente é mais aquecido, houve recuo de 26,3%.

Os números foram divulgados nesta terça-feira (4) pela Fenabrave, federação que reúne as concessionárias de veículos, e mostram que o ano foi iniciado na contramão da projeção da entidade para 2020.

A Fenabrave divulgou no início de janeiro que espera expansão do mercado total de 9,6%, para 3,05 milhões de unidades. Apesar da queda no primeiro mês do ano, a estimativa está mantida.

Entre os veículos leves, que somam os segmentos de automóveis e comerciais leves e representam mais de 90% do mercado, os emplacamentos atingiram 184,1 mil unidades em janeiro, queda de 3,4% na comparação com igual mês de 2019 e de 26,9% em relação ao último mês do ano passado. A projeção para o ano é de alta de 9%.

Segundo o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr, o mercado de veículos leves novos foi prejudicado em janeiro pela adoção das novas placas do Mercosul, que serão padronizadas em todos os países que compõem o bloco.

De acordo com o executivo, a obrigatoriedade da nova placa no Brasil atrasou emplacamentos, principalmente em São Paulo.

Segundo ele, cerca de 9 mil carros deixaram de ser emplacados em janeiro por causa das mudanças. Se essas unidades tivessem sido emplacadas, o mercado de carros novos, que caiu 3,1% em janeiro ante igual mês do ano passado, teria crescido 1%, calculou o presidente da Fenabrave.

Assumpção Jr explicou ainda que esses emplacamentos atrasados devem ser registrados no mês de fevereiro.

O mercado de ônibus também começou 2020 em queda. Foram 2,1 mil unidades vendidas em janeiro, baixa de 2,2% em relação a janeiro do ano passado e de 11,5% na comparação com dezembro de 2019. A previsão para o ano é de aumento de 16%.

O segmento de caminhões foi o único que registrou variação positiva. As vendas cresceram 3,6% em janeiro ante igual mês do ano passado, para 7,1 mil unidades. Contudo, não resistiu à comparação com dezembro e teve recuo de 13,7%. A projeção para o ano é de alta de 24%.

Coronavírus

A Fenabrave diz que continua otimista para o mercado em 2020, apesar da queda nas vendas em janeiro e dos temores globais que surgiram com o surto do coronavírus. "A crença para o restante do ano é muito positiva, em especial por causa da disponibilidade de crédito, com taxa de juros e inadimplência extremamente baixas", disse o presidente da federação, Alarico Asumpção Jr, em coletiva de imprensa.

A economista Tereza Fernandes, que trabalha na consultoria MB Associados e elabora cenários econômicos para a Fenabrave, acredita que o surto do coronavírus deve criar um cenário desfavorável para o Brasil e para o mercado de veículos.

Segundo ela, a projeção de crescimento global do Fundo Monetário Internacional (FMI), de avanço de 3,3%, deve perder 0,3 ponto porcentual. "Uma taxa, portanto, de 3% ainda é um belo crescimento e nos deixa tranquilos, com um olhar otimista para o mundo", disse.

Tereza afirmou ainda que o mercado de veículos em 2020 será beneficiado por uma combinação de fatores econômicos que inclui aumento da massa real de salário, expansão do crédito e queda do desemprego.

Disse também que a taxa de câmbio, apesar de mais alta, não alterou o risco país e não tem influenciado a inflação.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO

‘Estamos em um mundo caro. Não dá mais para comprar ações aleatoriamente’, diz sócio da Geo Capital

Para Gustavo Aranha, a recente queda no preço das ações provocada pelo surto de coronavírus abre oportunidades para comprar ações de boas companhias no exterior que antes estavam caras.

OLHO NO VÍRUS

Coronavírus está contido em solo americano sem impactos na cadeia produtiva

O assessor da Casa Branca também disse que não vê nenhum movimento do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) para cortes de juros em uma resposta ao “pânico” do coronavírus

MERCADOS HOJE

Bolsas europeias terminam mais um dia em queda acentuada, de olho no coronavírus

Outro que registrou perdas foi o índice acionário italiano, mas em menor grau. Após registrar a maior contração entre as bolsas ontem, o índice da Itália (FTSE-MIB) recuou 1,44% e fechou em 23.090,44 pontos nesta terça-feira

AVIAÇÃO

‘Portugal pode ajudar na venda do C-390’, diz ministro da Defesa do país

O governo de Portugal é sócio da Embraer na OGMA, de manutenção de aeronaves, com uma participação de 35%

CORONAVÍRUS

EUA pedem que Congresso autorize gasto de US$ 2,5 bilhões para conter coronavírus

Os Estados Unidos confirmaram 14 casos de infecção pelo coronavírus em sete Estados diferentes, mas não relataram mortes

ENERGIA

País tem ‘folga’ de energia pelo menos até 2024

“Temos uma folga estrutural, pois tivemos um aumento de capacidade instalada sem a contrapartida de aumento de consumo”, diz Cristopher Vlavianos

ESTÍMULO PARA AS EMPRESAS

China anuncia medidas para ampliar crédito a empresas atingidas pelo coronavírus

Em reunião presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, o conselho disse que aumentará em 500 bilhões de yuans (US$ 71,2 bilhões) a cota de refinanciamento para empréstimos de bancos a pequenas empresas e fazendeiros

EM BUSCA DE PROTEÇÃO

Temor global com coronavírus faz ouro alcançar maior cotação desde 2013

Apenas neste ano, o ETF acumula alta de 8,25%. A razão para a valorização é uma só: ele é considerado porto seguro de quem investe quando o cenário externo parece mais incerto

JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

CRIPTOMOEDAS

Buffett volta a dizer que “criptomoedas não têm valor e que nunca terá uma”

Apesar de não gostar muito das moedas digitais, o bitcoin não vem fazendo feio. Nos últimos 12 meses, a criptomoeda acumula valorização de 191,50%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements